A mandioca e o milho como base da alimentação de povos indígenas e ribeirinhos e a transição alimentar nos dias atuais / Cassava and maize as a food basis for indigenous and ribeirin people and food transition in the current dais

Juliane Coelho de Melo, Sulamita Freires dos Santos, José Carlos de Sales Ferreira

Abstract


Indígenas e ribeirinhos constituem-se uma importante parcela da população da Amazônia, esses influenciam na cultura alimentar da população que residem em aglomerados humanos, e recebem influência desses quando começam a residir nesses centros urbanos. Dessa maneira o objetivo desse estudo foi conhecer o processo evolutivo da alimentação de povos indígenas e ribeirinhos da Amazônia e a importância da mandioca (Manihot esculenta) e do milho (Zea mays) na cultura alimentar. Utiliza-se  a pesquisa bibliográfica com objetivo de correlacionar os estudos existente relacionando com a percepção da visão sociocultural na qual o Nutricionista deve estar atento, a partir de estudos publicados entre 2010 a 2021 sobre a temática, de natureza básica, com objetivo exploratório a  pesquisa foi realizada em bases on line de dados Scientific Electronic Library Online (Scielo);  Capes e PubMed (que permite o acesso ao banco de dados do Sistema Online de Busca e Análise de Literatura Médica (MEDLINE). A cultura alimentar dos Amazônidas representados pelos índios e ribeirinhos aliada rica biodiversidade presentadas por frutas, frutos, sementes, folhas entre outros ricos nutricionalmente e ao mesmo tempo refletem a questão sociocultural desses povos da floresta tais como a mandioca e o milho. Assim como recebemos influência alimentar dos ribeirinhos e índios da Amazônia, o mesmo ocorre com os indígenas e ribeirinhos que vivem nas cidades, povoados, vilarejos e comunidades.  Os índios e ribeirinhos da Amazônia,  tem uma cultura alimentar e nutricional baseada em comidas tradicionais, tais como a mandioca e o milho, porém com o deslocamento desses povos para aglomerados urbanos, resultando em uma transição alimentar e nutricional, nem sempre benéficas, afetando tanto os aspectos relacionadas a preservação cultural como da cultura nutricional.

  


Keywords


Indígenas, ribeirinhos, cultura alimentar, Nutricionista.

References


AGUIAR, J.P.L. Tabela de composição de alimentos da Amazônia. Acta Amazônica, v. 26, n. 1-2, p. 121-126, 1996.

ALBUQUERQUE, G.R. À MARGEM DA LEI: PRÁTICAS CULTURAIS NA AMAZÔNIA ACREANA. Organon, v. 35, n. 70, p. 1-18, 2020.

ALCÂNTARA, L.C.S.; SAMPAIO, C.A.C. ST 4 Bem Viver:(de) colonização como processo de resistência das comunidades indígenas. ENANPUR, v. 17, n. 1, 2017.

APOLINÁRIO, Juciene Ricarte. Sabores, saberes e o “pão dos trópicos”: contatos interétnicos entre indígenas e colonizadores a partir da circulação e uso da mandioca. Patrimônio e Memória, v. 15, n. 1, p. 28-46, 2019.

ATHILA, A.R.; LEITE, M.S. As escalas psicométricas de insegurança alimentar e os povos indígenas no Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 36, p. e00208019, 2020.

BARROS, D.C.; SILVA, D.O.; GUGELMIN, S.A. Vigilância alimentar e nutricional para a saúde Indígena. Vol. 2. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2018.

BARBOSA, M.A.M.; FREIRE, J.A.O.; MORET, A.S.; SOUZA, A.R.D. Populações tradicionais da Amazônia: Falácias e contracensos sobre as questões legais e seus direitos sociais . Semana da Diversidade Humana (ISSN: 2675-1127), n. 3, 2020.

BATISTA, A.S.; NASCIMENTO. D.P. A narrativa oral das mulheres sobre a farinha na comunidade São Bonifácio do rio Marau-AM. 2019.

BELLINGER, C.; ANDRADE, L. Alimentação nas escolas indígenas: desafios para incorporar práticas e saberes. São Paulo: Comissão Pró-Índio de São Paulo, 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Alimentos regionais brasileiros. 2ª ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

CALAZANS, D.L.Macedo .; PEQUENO, N. P. F.; CÂMARA, J. P. T.; DA SILVA, A. P. G.; LYRA, C. D. O. POVOS INDÍGENAS E DIREITOS SOCIAIS: Análise do Direito Humano à Alimentação Adequada dos índios potiguaras de Sagi-Trabanda no Rio Grande do Norte. Revista INTERFACE-UFRN/CCSA ISSN Eletrônico 2237-7506, v. 14, n. 1, p. 119-144, 2017.

CASCUDO, L.C. História da alimentação no Brasil. 12ª ed. São Paulo: Global Editora e Distribuidora Ltda, 2011.

COUTINHO, T.C. História ambiental da cidade dos índios (ETNIA TIKUNA) frente à urbanização da cidade do governo (município de Tabatinga), Amazonas (1964-2017). 2018.

DÁCIO, A.I.C. Segurança alimentar e conservação nos agroecossistemas no Alto Solimões, Amazonas. Tese (doutorado em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia) - Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2017.

DA CUNHA, M.C.; CESARINO, P.N. Políticas culturais e povos indígenas. São Paulo: Editora Unesp, 2020.

DA-GLORIA, P.; PIPERATA, B.A. Modos de vida dos ribeirinhos da Amazônia sob uma abordagem biocultural. Ciência e Cultura, v. 71, n. 2, p. 45-51, 2019.

DA SILVA, C.M. A vitoriosa sobrevivência dos indígenas da Amazônia. Curitiba: Appris Editora e Livraria Eireli-ME, 2018.

DA SILVA, L.S.; DA SILVA, A.H.; SILVA, D. W.; ROMANO, M. L. P. C. Alimentação na várzea amazônica: estudo dos hábitos alimentares de famílias ribeirinhas do município de Alenquer-PA. REVISTA CIÊNCIAS DA SOCIEDADE, v. 4, n. 7, p. 177-206, 2020.

DA SILVA, S.D.S.; DOS SANTOS, R.P. Populações Tradicionais: Uma reflexão sobre a questão nutricional. Amazônica-Revista de Antropologia, v. 10, n. 2, p. 552-566, 2018.

DE ARAUJO, M.L.L.; KUBO, R.R. Segurança Alimentar e Nutricional e Povos Indígenas: a experiência dos Asheninkas do Alto Rio Envira com o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). Revista Paranaense de Desenvolvimento, v. 38, n. 132, p. 195-210, 2017.

DE RESENDE, M.L.C.; SCHÖNITZER, K. Do Novo ao Velho Mundo: indígenas da Amazônia na Alemanha dos naturalistas Spix e Martius. In Anais de História de Além-Mar, CHAM — CENTRO DE HUMANIDADES FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS UNIVERSIDADE NOVA DE LISBOA UNIVERSIDADE DOS AÇORES, 2018.

DE SOUZA, C.F; DE SOUZA, J.M.; VERAS, M.F.P. A VIDA RIBEIRINHA AMAZÔNICA: Alteridade, Territorialidade e Invisibilidade. In Anais dos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu UniEVANGÉLICA, v. 3, n. 1, p. 36-53, 2019.

DONATO, H. Contos dos meninos índios. São Paulo: Editora Melhoramentos, 2014.

DOS SANTOS, A.S.M.; DA SILVA, C.M.; RIBEIRO, E.M. Tecendo a Interdisciplinaridade na Amazônia. Porto Alegre: Appris Editora e Livraria Eireli-ME, 2019.

FAINGUELERNT, M.B. Territorialidades ribeirinhas na Amazônia brasileira: os impactos da Usina Hidrelétrica de Belo Monte nas reservas extrativistas da Terra do Meio. Tese (doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP. 2019.

FRAXE, T.J.P.; PEREIRA, H.S.; WITKOSKI, A.C (Ed.). Comunidades ribeirinhas amazônicas: modos de vida e uso dos recursos naturais. 2ª ed. EDUA Editora da Universidade do Amazonas. 2014.

GOMES, S.A.; DO VALLE, S.B. Majariana: na luta por um futuro melhor para os povos indígenas. São Paulo: Instituto Socioambiental; Roraima: CIR - Conselho Indígena de Roraima, 2016.

GOMES, E.; SANCHEZ, C.; MUNIZ, T. BEM VIVER E MODOS DE VIDA NO BAIXO AMAZONAS: DIVERSIDADE E SUSTENTABILIDADE NA CALHA NORTE, PARÁ, BRASIL. 2020.

GUIMARÃES, F.A.M. A cultura da mandioca no Brasil e no mundo: um caso de roubo da história dos povos indígenas. VII Encontro Estadual de História. Bahia: ANPUH BA, 2016.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo indígena. 2019.

ISA. Instituto Socioambiental. DET’A YAW IS Livro de Saúde na Língua Trumai Parque Indígena do Xingu (PIX). Projeto Formação de Professores Indígenas do PIX Instituto Socioambiental. 2ª ed. São Paulo: ISA Editorial, 2015.

KÖCHE, J.C. Fundamentos de metodologia científica. 2ª ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2016.

LEITE, A.C.C. Cultura na panela: os livros culinários brasileiros como fonte de informação e memória. 2018.

MALUF, R.S.J. Segurança alimentar e nutricional. 3ª ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

MARCONI, M.A.; LAKATOS, E.M. Fundamentos da Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 2010.

MERCADO, D.S.; DA SILVA, A.G.; SILVA, Y. L. S.; CORREIA, J. S. C. Hábitos alimentares de ribeirinhos da Amazônia e contribuições das enchentes no agravo ao quadro de insegurança alimentar. Revista Saber Científico, v. 4, n. 1, p. 14-18, 2015.

MOURA, P.G.; BATISTA, L. R. V.; MOREIRA, E. A. M. População indígena: uma reflexão sobre a influência da civilização urbana no estado nutricional e na saúde bucal. Revista Nutrição. 2010, vol.23, n.3, 2010.

NERI, I.F. Valorização dos produtos do sistema agrícola tradicional do médio Rio Negro no Amazonas: de circuitos invisíveis a novas alternativas de mercados. Dissertação (mestrado)—Universidade de Brasília, Centro de Desenvolvimento Sustentável, Mestrado Profissional em Sustentabilidade Junto a Povos e Territórios Tradicionais, 2018.

PEDROSA, O.P.; BARBIRATO, D.S.; FOGACCI, M.F.; BASTOS, W.R.; OTT, A.M.T. Ribeirinhos da Amazônia. Amazônica-Revista de Psicopedagogia, Psicologia escolar e Educação, v. 19, n. 1, Jan-Jun, p. 24-40, 2017.

PRODANOV, C.C.; DE FREITAS, E.C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2ª Ed Novo Hamburgo: Editora Feevale, 2013.

RAMOS, C.M. Segurança alimentar, preservação e conservação ambiental na terra indígena Tenharim do Marmelos - Amazonas, Brasil: As plantas e suas utilidades. rede. Revista Eletrônica do PRODEMA, Fortaleza, v. 11, n. 2, p. 108-120, abr. 2018.

RAVENA, N.; DOS SANTOS, M.C.D.J. As construções sociais e físicas do ribeirinho na Amazônia. Movendo Ideias, v. 24, n. 2, p. 06-16, 2019.

RODRIGUES, R.A.C.; DE OLIVEIRA, F.P.; DOS SANTOS, R.A. Transição nutricional e epidemiológica em comunidades tradicionais da Amazônia brasileira. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 3, p. 11290-11305, 2020.

SANTOS, C.B. A (re)organização do território e bem viver para os povos indígenas do Alto Rio Negro: da maloca à cidade. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Federal do Amazonas, Manaus, 2019.

SANTOS, F.V. Mulheres indígenas contra o vírus: notas antropológicas sobre políticas públicas de saúde e os impactos da Covid-19 entre os povos indígenas em contexto urbano em Manaus, Brasil. Ponto Urbe. Revista do núcleo de antropologia urbana da USP, n. 27, 2020.

SILVA, A.T.R. Áreas protegidas, populações tradicionais da amazônia e novos arranjos conservacionistas. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 34, n. 99, 2019.

SILVA, R.J.; GARAVELLO, M.E.P.E. Ensaio sobre transição alimentar e desenvolvimento em populações caboclas da Amazônia. Segurança Alimentar e Nutricional, v. 19, n. 1, p. 1-7, 2012.

NEPA-UNICAMP. Núcleo de Estudos e Pesquisas em Alimentação da UNICAMP. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos- Taco/Nepa – Unicamp. 4ª ed. rev. e ampl. Campinas: Nepa-Unicamp, 2011.

VIVIER, E.; DROULERS, M. Modelos alimentares em transição na Amazônia brasileira. NUMA/UFPa, pp.181-208, 2019.

ZUIN, A.L.A.; MIGUEL, V.V.R. A Amazônia e os povos indígenas: conflitos socioambientais e culturais. Porto Alegre: Editora Appris, 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.30445

Refbacks

  • There are currently no refbacks.