Curso de bacharelado em enfermagem: egressos do sexo masculino (2004 a 2017)* / Bachelor's degree course in nursing: male egresses (2004 to 2017)*

Gláucio Bernardino da Silva, Jose Walter Rocha de Macedo, Luciane Ferreira do Val

Abstract


Há uma maior inserção de pessoas do sexo masculino na Enfermagem, apesar dessa profissão ainda ser predominantemente feminina. O objetivo do estudo foi verificar o total de egressos do sexo masculino de um Curso Superior de Enfermagem de uma universidade privada do Litoral Sul Paulista, SP, Brasil, e discutir essa inserção a luz da literatura. Para tanto, realizou-se estudo descritivo, documental, retrospectivo, com abordagem quantitativa no período de 2004 a 2017. Os dados foram à listagem dos egressos da referida universidade. A coleta de dados ocorreu em abril e a análise dos dados em agosto de 2018. O estudo apontou: dos 355 (100%) egressos de enfermagem do ano de 2004 a 2017, o ano que mais formou Enfermeiros (as) foi 2005 com 54 (15,2%) e o ano que menos formou foi 2012 com 5 (1,4%). Foi possível verificar que eram egressos do sexo masculino 54 (100%), sendo em 2005, o ano que mais formou 9 (16,7%) Enfermeiros e 2012 e 2014, os anos que menos formaram, 1 (1,9%) enfermeiro por ano, respectivamente. Conclui-se que apesar do ingresso de pessoas do sexo masculino no Curso de Bacharelado em Enfermagem da universidade estudada, o curso ainda é predominantemente de pessoas do sexo feminino. Sugere-se que mais universidades realizem pesquisas nessa temática para que estudos comparativos sejam realizados por regiões no país.


Keywords


Enfermeiro, Egressos de Enfermagem, Universidade

References


AQUINO, R. L.; ARAGÃO, A. S. Impacto do trabalho noturno na vida do profissional de enfermagem do sexo masculino. Rev. enferm. UFPE on line; 11(10): 3725 - 3731, out. 2017. Disponível em: https://periodicos.ufpe.b r/revistas/revistaenfermagem/article/view/22813/24270 Acesso em: 16 set. 2018.

CAMBIRIBA, T. F. C.; FERRONATO, A. F.; FONTES, K. B. Percepções de egressos de enfermagem frente à inserção no mercado de trabalho. Arq. Ciênc. Saúde UNIPAR, Umuarama, v. 18, n. 1, p. 27-32, jan./abr. 2014. Disponível em: http://www.revistas.unipar.br/index.php/saude/article/view/5155 Acesso em: 16 set. 2018.

CONSELHO FEDERAL DE ENFERMAGEM (COFEN). Pesquisa inédita traça perfil da enfermagem. 2015. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/pesquisa-inedita-traca-perfil-da-enfermagem_31258. html Acesso em: 16 set. 2018.

DINIZ, E. Como é ser homem em uma profissão historicamente feminina? Minha experiência atuando na enfermagem. 2017. Disponível em: https://papodehomem.com.br/como-e-ser-homem-em-uma-profissao-historicamente-feminina/ Acesso em: 16 set. 2018.

EMENTÁRIO. Universidade de Ribeirão Preto (UNAERP) – Campus Guarujá. Curso de Bacharelado em Enfermagem. 2018. (documento interno)

LOPES, M. J. M.; LEAL, S. M. C. A feminização persistente na qualificação profissional da enfermagem brasileira. Cad. Pagu, Campinas, n. 24, p. 105-125, June 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php? script=sci_arttext&pid=S0104-83332005000100006&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 21 Sept. 2018.

JULIÃO, Helena Vicentini; DIB, Aline Michelle; OLIVEIRA, Letícia Trevizolli. Desigualdde de gênero no mercado de trabalho e as formas de enfrentaemnto alicerçadas na OIT. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 7, n. 3 p. 24482-24499, mar. 2021. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/26114/20711. Acesso em 02 mai. 2021.

MOREIRA, Almerinda; PORTO, Fernando; OGUISSO, Taka. Registros noticiosos sobre a escola profissional de enfermeiros e enfermeiras na revista "O Brazil-Médico", 1890-1922. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, v. 36, n. 4, p. 402-407, Dec. 2002. Disponível em: http://www.scielo.br/ scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342002000400015&lng=en&nrm= iso. Acesso em: 15 Sept. 2018.

SÁ-SILVA, J. R.; ALMEIDA, C. D.; GUINDANI, J. F. Pesquisa documental: pistas teóricas e metodológicas. Revista Brasileira de História & Ciências Sociais RBHCS. v. 1, n.1, 1-15, 2009.

SANTOS, C. E.; TAKAHASHI, R. T. Resgatando a trajetória profissional do enfermeiro do sexo masculino: um enfoque fenomenológico. Rev Bras Enferm; 53(2): 183-91, abr.-jun. 2000. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/reben/v53n2/v53n2a03.pdf. Acesso em: 20 Sept. 2018.

SOUZA, A. C. C. et al . Formação do enfermeiro para o cuidado: reflexões da prática profissional. Rev. bras. enferm., Brasília , v. 59, n. 6, p. 805-807, Dec. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script= sci_arttext&pid=S0034-71672006000600016&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 Sept. 2018.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n5-569

Refbacks

  • There are currently no refbacks.