Iniciativa big 2050 – radar big a saúde ambiental da Baía de Ilha Grande / Big 2050 initiative - big radar the environmental health of Ilha Grande bay

Monica Dias Corrêa da Silva, Marcos Bastos Pereira, Silvia Marie Ikemoto, Helen Norões Rolin, Luiz Eduardo de Souza Moraes, Tiago de Carvalho Franca Rocha, Ubirajara Mattos de Oliveira

Abstract


A Iniciativa BIG 2050 foi proposta pela FAO (Food and Agriculture Organization da UNESCO) como um mecanismo para a gestão de recursos dos ecossistemas costeiros da Baía da Ilha Grande (BIG). Integram a proposta a Faculdade de Oceanografia (UERJ) e o Instituto Estadual do Ambiente (INEA) para juntos proporem estratégias de gestão integrada e de monitoramento dos serviços ecossistêmicos da BIG. A Iniciativa gera informação, identifica sensibilidades e incentiva o engajamento social para promover a conservação da Baía da Ilha Grande.

 


Keywords


BIG 2050, Baía de Ilha Grande, Serviços Ecossistêmicos, Gestão Ecossistemica.

References


ANTIZAR-LADISLAO, B. Environmental levels, toxicity and human exposure to tributyltin (TBT)-contaminated marine environment. A review. Environment International, v. 34, n. 2, p. 292–308. AntizarLadislao, 2008.

ALZIEU, CL. Impact of Tributyltin on Marine Invertebrates. Ecotoxicology, v. 9, p. 71-76. 2000.

BASTOS, M. P. Avaliação do efeito da biodeposição da malacocultura sobre a comunidade bentônica na Baía da Ilha Grande: subsídio à sustentabilidade ambiental da maricultura no Estado do Rio de Janeiro. 2005. 156 p. Tese (Doutorado) - Instituto Oceanográfico, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

BASTOS, M.P. & CALLADO, C.H. (Eds.). Estudos para o Plano de Manejo do Parque Estadual da Ilha Grande. Relatório de Pesquisas. Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro. Vol 1-9. 2009

BASTOS, M.P. Levantamento da Biota do substrato consolidado da Ilha do Pingo D’água, Baía da Ribeira, RJ. Projeto de Desenvolvimento e Implantação de Projeto de Pesquisa e Educação Ambiental: Subsídios à preservação e o ordenamento de atividades na faixa continental-costeira da Estação Ecológica de Tamoios- TAC – Ministério Público Federal, ICMBio, INEA – 2016-2018. Relatório técnico final. 230 p. 2018.

BRANDÃO, D.B. Estimativa do fluxo de CO2 no oceano atlântico utilizando dados de navios e satélite. Dissertação (mestrado) – Universidade Federal do Ceará, Instituto de Ciências do Mar, Programa de Pós-Graduação em Ciências Marinhas Tropicais, Fortaleza, 2017.

CASTRO, IB & G FILLMANN. High tributyltin and imposex levels in the commercial muricid Thais chocolata from two Peruvian harbor areas. Environmental Toxicology and Chemistry, v. 31, n. 5, p. 955–960. 2012.

CASTRO, R. O.; SILVA, M. L.; MARQUES, M. R. C.; DE ARAÚJO, F. V. Evaluation of microplastics in Jurujuba Cove, Niterói, RJ, Brazil, an area of mussels farming. Marine Pollution Bulletin, 110, 1. 2016.

CASTRO, C. B.; ZILBERBERG, C. Recifes brasileiros, sua importância e conservação. In: ZILBERBERG, C. et al. Conhecendo os recifes Brasileiros rede de pesquisas Coral Vivo. Rio de Janeiro: Museu Nacional. 360 p. 2016.

CORRÊA-SILVA, M.D. Caracterização das Populações de Cirripédios da Faixa Entremarés de dois Costões Rochosos Sujeitos a Diferentes Graus de Hidrodinamismo em Angra dos Reis. Monografia de Especialização. Instituto de Biologia, Programa de Pós-graduação em Biologia Marinha. Universidade Federal Fluminense. 61p. 2000.

CORRÊA-SILVA, M.D. Impacto por óleo (árabe leve) em repovoamento de costões rochosos. Dissertação de Mestrado. Instituto de Biologia, Programa de Pós-graduação em Biologia Marinha. Universidade Federal Fluminense. 95p. 2003.

CREED, J. C. & OLIVEIRA, A. E. S. Uma metodologia e análise de impactos ambientais. In: CREED, J. C.; PIRES, D. O. & FIGUERIEDO, M. A. O. org. RAP Ilha Grande: um levantamento da biodiversidade. Brasília, DF: MMA/SBF v.1. p. 349-37. 2007.

CUNHA, I.A. Mudança ambiental na zona costeira do Brasil e novos desafios para a educação. Revista Eletrônica PESQUISEDUCA. Santos, v. 04, n. 08, p.424-436, jul./dez. 2012.

DU, J, S CHADALAVADA, Z CHEN & R NAIDU. Environmental remediation techniques of tributyltin contamination in soil and water: A review. Chemical Engineering Journal, v. 235, p. 141–150. 2014.

FAO. Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação. Plano De Gestão Integrada do Ecossistema Marinho da Baía de Ilha Grande. Estudo de Base. Vol 2 Situação Atual. 2008.

FAO. Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação. Concepção e estabelecimento de um mecanismo sustentável de incentivo para gerenciar de maneira Integrada o Ecossistema da Baía da Ilha Grande. Relatório técnico. 2018.

FENT K. Toxicol Letters. 140-141: 353-365. 2003.

GODOI, AFL, R FAVORETO & M SANTIAGO-SILVA. Contaminação ambiental por compostos organoestânicos. Quimica Nova, v. 26, n. 5, p. 708–716. 2003.

HORTA, P. A.; SISSINI, M. N.; BERGSTROM, E.; FREIRE, V.; BASTOS, E.; MARTINS, G.; LUCENA, L. A.; MARTINS, C.; BARUFI, J. B.; RORIG, L.; RIUL, P.; GURGEL, C. F. Papel das algas nos recifes e interferências antrópicas. In: ZILBERBERG, C. et al. Conhecendo os recifes Brasileiros rede de pesquisas Coral Vivo. Rio de Janeiro: Museu Nacional. 360 p. 2016.

LUCIO, F.T., MAGNONI, D.M., VICENTINI, V.E.P., CONTE, H. Disponibilidade e influência dos microplásticos nos seres vivos e ambiente: uma revisão. Conexão Ci. Formiga, Minas Gerais. Vol. 14 Nº 1. p.47-55. 2019

MAHIQUES, M. M. D. Considerações sobre os sedimentos de superfície de fundo da Baía da Ilha Grande, estado do Rio de Janeiro. 1987. Tese (Doutorado) - Universidade de São Paulo, são Paulo, 1987.

MARANGONI, L. F. B.; MARQUES, J. A.; BIANCHINI, A. Fisiologia de corais - a simbiose coral - zooxantela, o fenômeno de branqueamento e o processo de calcificação. In: ZILBERBERG, C. et al. Conhecendo os recifes Brasileiros rede de pesquisas Coral Vivo. Rio de Janeiro: Museu Nacional. 360 p. 2016.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de apoio à Gestão Participativa. Caderno de educação popular e saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2007.

OLIVATTO, G. P.; CARREIRA, R.; TORNISIELO, V. L.; MONTAGNER, C. C. Microplásticos: Contaminantes de Preocupação Global no Antropoceno. Rev. Virtual Quim. Vol 10, No. 6, p.1968-1989. 2018.

ROCHA, T.C.F; ROLIM, H.N, IKEMOTO, S.M. Um modelo de gestão integrada para a Zona Costeira do Estado do Rio de Janeiro: o projeto gestão integrada do ecossistema da Baía da Ilha Grande (Projeto BIG). Governança para os serviços ecossistêmicos das costas e oceanos II Congresso Ibero Americano de Gestão Integrada de Áreas Litorais. Desenvolvimento e Meio Ambiente. Vol. 38, agosto 2016.

SAATY, T.L. “How to make a decision: The analytic hierarchy process”. European Journal of Operational Research, Vol.48 No.1, pp.9-26. 1990. disponível em: http://www.scopus.com

SODRÉ, C. F. L., SILVA, Y. J. A.; MONTEIRO, I. P. Acidificação dos Oceanos: fenômeno, consequências e necessidades de uma governança ambiental global. Revista Cientifica do Centro de Estudos em Desenvolvimento Sustentável da UNB, v. 1, n. 4, 2016.

SOUZA PETERSEN, E.; KRÜGER, L.; DEZEVIESKI, A.; PETRY, M.; MONTONE, R. C. Incidence of plastic debris in Sooty Tern nests: A preliminary study on Trindade Island, a remote area of Brazil. Marine Pollution Bulletin 105. 2016.

SMITH BS. Say. Proc Malacol Soc London 39: 377-378. 1971.

SOARES, E. P. Caracterização da precipitação na região de angra dos reis e a sua relação com a ocorrência de deslizamentos de encostas. 2006. 294 p. Dissertação (Mestrado) – COPPE, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

TURRA, A., MANZANO, A. B., DIAS, R. J. S., MAHIQUES, M. M., BARBOSA, L., BALTHAZAR-SILVA, D., MOREIRA, F. T. Three-dimensional distribution of plastic pellets in sandy beaches: shifting paradigms. Scientific Reports. Vol. 4, 4435. 2014.

UERJ/TRANSPETRO. Monitoramento de costões rochosos e praias arenosas na Baía de Ilha Grande. Relatório técnico final. Universidade do Esado do Rio de Janeiro, Faculdade de Oceanografia. 324p. 2015.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.30357

Refbacks

  • There are currently no refbacks.