Aspectos epidemiológicos dos acidentes por animais peçonhentos ocorridos no cone sul de Rondônia, no período de 2009-2019/ Epidemiological aspects of accidents by venomous animals that occurred in the southern cone of Rondônia, in the period period 2009-2019

Ananda Mikie Hano, Dayane Jhennyfer Andrade Munhoz, Felipe Vitali Lorensini, Josias Nascimento Moura Couto, Nycóli Rilaryh de Andrade Atilio, Tatiara Rocha Daluz Silva

Abstract


Segundo o Ministério da Saúde animais peçonhentos são aqueles que possuem um veneno que ocasione efeitos colaterais ao organismo humano, sendo a maioria das notificações acidentes com homens, e ocorrem mais na área rural. Este trabalho tem como objetivo realizar uma análise da incidência de casos de acidentes de animais peçonhentos notificados na região de saúde do Cone Sul - RO no período de 2009 a 2019. Pesquisa do tipo quantitativa com abordagem descritiva, transversal retrospectiva, utilizando dados públicos, não houve necessidade de aprovação por comitê de ética. Foram 1.149 notificações sendo 71% no sexo masculino e 29% feminino, correspondendo 36% na faixa etária de 20 a 39 anos, e 25% na faixa etária de 40 a 59 anos. Em relação aos acidentes notificados  36% por serpentes, os quais 27% por gênero Bothrops espécie (jararaca), 5% Micrurus (Coral verdadeira), 1% Lachesis (Surucucu pico de jaca), 1% Crotalus (Cascavel), sendo 64 % dos casos em branco ou ignorados. 16% por escorpiões, foram ignorados gêneros e espécie. 14% aranhas, dos gêneros Phoneutria (aranha armadeira) 11%, Loxosceles (aranha marrom) 18%, Latrodectus (Viúva-negra) não obtivemos dados, sendo ignorado maior parte das notificações o gênero e espécie do animal, 4% outros tipos de animais peçonhentos. Cerca de 40% tiveram atendimento de 1 a 3 horas. A incidência dos casos de acidentes por animais peçonhentos ocorrido no cone sul segue a tendência em relação ao estado a maioria acometido por serpentes, sendo a população adulta mais atingida, a maioria homens com idade entre 20 a 59 anos, muitos casos não são notificados corretamente, dificultando dados epidemiológicos mais consistentes.


Keywords


animais, peçonhento, bothrops, notificações, cone sul.

References


ARAGÃO, Júlio. (2011). Introdução aos estudos quantitativos utilizados em pesquisas científicas. Revista Práxis. III. 59. 10.25119/praxis-3-6-566.

ALMEIDA, Carla barbosa. Acidentes por animais peçonhentos no Estado do Amapá em 2019. Brazilian Journal of Development, v.6, n.12, p.103538-103350, 2019. Disponível em: https://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/22352 Acesso em: 15/04/2021.

AMARAL, C. F. et al. Insuficiência aguda, aguda secundária a acidentes ofídicos botrópico e crotálico. Análise de 63 casos. Rev Inst Med Trop São Paulo. 1986; 28 (4): 220-7

BARBOSA, I.R. Aspectos clínicos e epidemiológicos dos acidentes provocados por animais peçonhentos no estado do Rio Grande do Norte. Rev Ciência Plur [Internet]. 2015 fev [citado 2019 jan 7];1(3):2-13. Disponível em: https://periodicos.ufrn.br/rcp/article/ view/8578

BERNARDE, P. S. Anfíbios e Répteis: Introdução ao estudo da Herpetofauna Brasileira. Curitiba: Anolisbooks, 2012.

BRASIL, CGMA, Secretaria de Desenvolvimento Territorial, Ministério do Desenvolvimento Agrário. Perfil Territorial Cone Sul – Ro, 2015, p.06. Disponível em: http://sit.mda.gov.br/download/caderno/caderno_territorial_214_Cone%20Sul%20-

%20RO.pdf, Acesso em : 25/09/2020 as 17:00 hrs.

BRASIL, Ministério da saúde. Boletim epidemiológico. Acidente de trabalho por animais peçonhentos entre trabalhadores do campo, floresta e água, Brasil 2007- 2017. Brasília: Ministério da saúde. 2019. [citado em 10 ago. 2019].

Disponível.https://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2019/marco/29/2018- 059.pdf

BHAUMIK S. et al. Qualidade das diretrizes da OMS sobre picadas de cobra: A negligência continua. BMJ Glob Heal. 2018; 3 (2): 2-3.

BERNARDO, C O; FERNANDES, P S; CAMPOS, R M Real B; ADAMI, F;

VASCONCELOS, F A G. Associação entre o índice de massa corporal de pais e de escolares de 7 a 14 anos de Florianópolis, SC, Brasil. Rev. Bras. Saúde Mater. Infant.,Recife, v. 10, n. 2, June 2010 .

BHAUMIK, S. et al. Qualidade das diretrizes da OMS sobre picadas de cobra: A negligência continua. BMJ Glob Heal. 2018; 3 (2): 2-3.

COUTINHO, L M S; SCAZUFCA, M; MENEZES, P R. Métodos para estimar razão de prevalência em estudos de corte transversal. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 42, n. 6, Dec. 2008

CORREIA, F. F. et al. Perfil Clínico - Epidemiológico dos Acidentes Ofídicos Ocorridos no Município de Cacoal, Rondônia, Brasil, 2011 e 2015. Revista Eletrônica FACIMEDIT, v. 5, n. 2, 2016

FARIA, Gleison et al. PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS PACIENTES ACOMETIDOS POR ACIDENTES DE ANIMAIS PEÇONHENTOS NO MUNICÍPIO

DE ARIQUEMES-RO ENTRE 2010 A 2018. Revista Saber Científico, Porto Velho, v. 9, n. 1, p. 54 - 65, jul. 2020. ISSN 1982-792X. Disponível em:

. Acesso em: 14 out. 2020. doi:http://dx.doi.org/10.22614/resc-v9-n1-13

FEITOSA, Esaú Samuel Lima. Fatores de risco para gravidade e letalidade dos acidentes ofídicos ocorridos no estado do Amazonas: um estudo de caso e controle ./Esaú Samuel Lima Feitosa. -- Manaus : Universidade do Estado do Amazonas, Fundação de Medicina Tropical, 2015. P.07;96.

FUNASA. Ofidismo. Manual de diagnóstico e tratamento de acidentes por animais peçonhentos. 2001. 120 p. Disponível em:

FERREIRA, Alex Augusto Ferreira et al. Increase in the risk of snakebites incidence due to changes in humidity levels: A time series study in four municipalities of the state of Rondônia. Rev. Soc. Bras. Med. Trop., Uberaba, v. 53, e20190377, 2020. Disponível em:

. Acesso em 02 outubro de 2020.

GUTIÉRREZ et al. Enfrentando o problema negligenciado do envenenamento de mordidas de cobra: a necessidade de uma parceria global, 2006, PLoS Med, v. 3, n. 6, p. e150.

LANCETA. The Lancet. Envenenamento por picada de cobra: uma doença tropical prioritária e negligenciada. 2017; 390 (10089):

MARTINS, Ronei Ximenes. Metodologia da Pesquisa: Guia de Estudos. Lavras/Minas Gerais. 2013.

MORENO, E; ANDRADE, M. Q; LIRA, S.R.M. Características clínico epidemiológicas dos acidentes ofídicos em Rio Branco – AC, 2008- Revista da sociedade Brasileira de Medicina tropical, vol. 38, São Paulo,7p

OLIVEIRA R, WEN F, SIFUENTES D. Epidemiologia dos acidentes por animais peçonhentos. In: Cardoso JLC, França FOS, Wen FH, organizadores. Animais peçonhentos no Brasil - biologia, clínica e terapêutica dos acidentes. 2. ed. São Paulo: Sarvier; 2009. p. 6–21.

Portal Saúde. NOTA INFORMATIVA: Informações da Coordenação-Geral de Doenças Transmissíveis (CGDT) referentes à nova abordagem ao tratamento em casos de acidentes por serpentes do grupo Bothrops ("jararacas") e por escorpiões, em situação de escassez de antivenenos. 2017. http://portalsaude.saude.gov.br (acesso 15/05/2017).

ROUQUAYROL, M.Z, ALMEIDA FILHO, N. Epidemiologia e saúde 6ª edição, Guanabara Koogan , Rio de Janeiro 2006.

SALOMAO; Maria da Graça; LUNA, Karla Patrícia de Oliveira; MACHADO, Claudio. Epidemiologia dos acidentes por animais peçonhentos e a distribuição de soros: estado de arte e a situação mundial. Rev. salud pública, Bogotá, v. 20, n. 4,

p. 523-529, agosto 2018. Disponível em

. Acesso em 22 set. 2020. http://dx.doi.org/10.15446/rsap.v20n4.70432.

SCHESKE, L. et al. Needs and availability of snake antivenoms: relevance and application of international guidelines. Int J Health Policy Manag. 2015; 4(7): 447- 457.

The Lancet. Envenenamento por picada de cobra: uma doença tropical prioritária e negligenciada. Lanceta.

; 390 (10089):




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.30343

Refbacks

  • There are currently no refbacks.