Gênero e divisão sexual no trabalho em saúde / Gender and sexual division in health work

Josefa Lusitânia de J Borges, Maria Helena Santana Cruz

Abstract


O objetivo desta investigação consistiu em avaliar a configuração de gênero e influência sobre a organização do trabalho de médicas/os, comparando as peculiaridades das respectivas trajetórias no Brasil e em Portugal. A abordagem dialética mostrou-se coerente, por meio do estudo de multicasos, para desvendar as representações sociais de dezoito 18 entrevistados atuantes na ESF de Aracaju (SE) e nas unidades de saúde familiar (USFs) da Zona Norte de Portugal (Porto e Vila Nova de Gaia) e na região Centro de Portugal (Coimbra). Outras fontes de informação não menos importantes, a exemplo de documentos e estatísticas da Demografia Médica no Brasil (2013); e, em Portugal, o relatório final do Estudo de Evolução Prospectiva de Médicos no Sistema Nacional de Saúde (2013) constituíram a base de análise referente à produção do conhecimento sobre o objeto. Os dados revelam diferenças de gênero e, especificamente, do modo como o fenômeno global da feminização da Medicina vem incidindo na particularidade do contexto brasileiro e português.


Keywords


Trabalho Médico. Prática Profissional. Divisão sexual do trabalho.

References


BASSETTE, Fernanda. MANDELLI, Mariana. Plano prevê abertura de 2,5 mil vagas de Medicina para reduzir desigualdade. O Estado de São Paulo. (19 jul. 2011) Disponível em: Acesso em 10 nov. 2011.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CES Nº 4, de 7 de novembro de 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Diário Oficial da União, 9 de novembro de 2001. Seção 1, p. 38. 2001. Brasília, DF, 2001.

CRUZ, Maria Helena Santana. Trabalho, gênero e cidadania: Tradição e modernidade. São Cristóvão: Editora UFS, Aracaju: Fundação Oviedo Teixeira, 2005.

CRUZ, Maria Helena Santana. Mapeando diferenças de gênero no ensino superior da Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão: Editora UFS, 2012, 370p.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA, Número de médicos cresce em ritmo mais acelerado que a população. (13/04/2011). Disponível em: Acesso: 10 nov. 2011.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA, O médico e o seu trabalho: aspectos metodológicos e resultados do Brasil. Brasília: Conselho Federal de Medicina, 2009.

HIRATA, Helena; KERGOAT, Daniele. Novas configurações da divisão sexual do trabalho. Cadernos de pesquisa, v. 37, n. 132, set/dez. 2007, p. 595-609. Disponível em: http://scielo.br/pdf/cp/v37n132/a0537132. Acesso em: 26/04/2021.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍTICA (IBGE). Pesquisa de Assistência Pág.11/13 Médico-Sanitária 2009–AMS 2009. Disponível em: www. ibge.gov.br / home/estatistica/populacao/.../ams/2009/ams2009.pdf‎. Acesso em: 12 mai. 2013.

MACHADO, Helena. Os médicos e sua prática profissional: as metamorfoses de uma profissão. (1996). Tese. (Doutorado em Ciências Humanas e Sociologia). Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa do Rio de Janeiro, 1996.

MACHADO. Helena. Os médicos no Brasil: um retrato da realidade (Coord.). Rio de janeiro: FIOCRUZ, 1997.

MACHADO, Maria Helena. Trabalho e emprego em saúde. In: GIOVANELLA, (org.) Políticas e sistemas de saúde no Brasil. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2008.

MACIEL FILHO, Rômulo. Estratégias para a distribuição e fixação de médicos em sistemas nacionais de saúde: o caso brasileiro. 2007, 262f. Tese (Doutorado em Medicina) Universidade Estadual do Rio de janeiro – UERJ. Rio de Janeiro, 2007. Disponível em: . Acesso em 04 nov. 2019.

MEDICI, A. C; MACHADO, M. H.; NOGUEIRA, R. P. et al. El mercado de trabajoensalud: aspectos teóricos, conceptuales y metodologicos. Educación Medica y Salud, v. 25, n. 1, p. 1¬14, 1991.

MINAYO, M.C.S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo/Rio de Janeiro: Hucitec/Abrasco, 1994.

PEREIRA NETO, André de Faria. Ser médico no Brasil: o presente no passado. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2001.

SCOTT, W Joan. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 16, n.2, jul./dez, 1990.

SCHEFFER, Mário. (Coordenador) Demografia Médica no Brasil, v. 2. Equipe de pesquisa: Alex Cassenote, Aureliano Biancarelli.São Paulo: Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo: Conselho Federal de Medicina, 2020.

UNIVERSIDADE DE COIMBRA. Estudo de evolução prospectiva de médicos no Sistema Nacional de Saúde – Relatório Final, junho de 2013. Universidade de Coimbra. Disponível em: www. norteHYPERLINK "http:// www. nortemedico.pt/download.php ?...20130918162117_Estudo_Evoluca"medicoHYPERLINK "http:// www. nortemedico.pt/download.php ? ...20130918162117_Estudo_Evoluca".pt/download.php ? ...HYPERLINK . Acesso em: 10 dez. 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.30306

Refbacks

  • There are currently no refbacks.