A medicina de família e comunidade na perspectiva dos discentes e docentes das universidades públicas do estado de Minas Gerais / Family and community medicine from the perspective of students and professors at public universities in the state of Minas Gerais

Simone de Pinho Barbosa, Patrícia Aparecida Baumgratz de Paula, Maria Marta Amancio Amorim, Ricardo Bezerra Cavalcante, Yan Oliveira, Júlia Jannotti Serejo, Lawrence Monteiro de Oliveira Pio

Abstract


A Medicina de Família e Comunidade visa ao atendimento integral das pessoas, famílias e comunidade por meio de ações preventivas e terapêuticas. O médico de família e comunidade é um especialista em Atenção Primária à Saúde, portanto, deve ter formação geral que lhe permita ser o primeiro contato do paciente, sempre que esse procure o serviço de saúde. No campo da formação médica, recorte ao qual se debruça esse estudo, a especialidade de Medicina de Família e Comunidade é a mais preparada para atuar na atenção primária à saúde frente às necessidades e aos desafios impostos diariamente aos profissionais e serviços de saúde. Assim o objetivo desse estudo é compreender e analisar a área de Medicina da Família e Comunidade na formação acadêmica dos discentes dos Cursos de Medicina de instituições de ensino superior públicas do estado de Minas Gerais. Trata-se de um estudo de casos múltiplos, escritivo-exploratório ao analisar os Projetos Pedagógico do Curso e a Matriz Curricular de 14 Cursos de Medicina de Universidades Públicas do estado de Minas Gerais, qualitativo ao analisar 16 entrevistas realizadas na plataforma SurveyMonkey®, com 42 discentes, docentes e coordenadores dos Cursos de Medicina. A quantidade de disciplinas relativas à Medicina de Família e Comunidade variou de 7 a 21 e as disciplinas totais do curso de 37 a 91. A carga horária total do Curso de Medicina variou de 7245 horas a 8820 horas, com média de 7.863 horas, conforme carga horária mínima de 7.200 horas, preconizada pelas Diretrizes Curriculares Nacionais. A carga horária referente às disciplinas e estágio em Medicina de Família e Comunidade variou de 810 a 2940 horas, com percentuais entre 10% a 34,60% em relação à carga horária total curricular. Dos sujeitos entrevistados dez são discentes, quatro docentes e dois coordenadores. Foi unânime a afirmação, tanto no grupo de discentes, quanto de docentes e coordenadores que os projetos pedagógicos dos Cursos de Medicina em que atuam objetivam a formação de um profissional generalista e humanista, o que coaduna com a análise documental dos projetos pedagógicos quanto ao perfil do egresso e os objetivos do curso.


Keywords


Sistema Único de Saúde, Atenção Primária a Saúde, Formação médica, Medicina de Família e Comunidade.

References


ANDERSON, M.I.P., DEMARZO, M.M.P., RODRIGUES, R.D. A Medicina de Família e Comunidade, a Atenção Primária à Saúde e o Ensino de Graduação: recomendações e potencialidades. Rev Bras Med Fam Comunidade, v. 3, n. 11, p. 157-72, 2007. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/334. Acesso em 01 maio de 2021.

BORGES, R.S.; BORGES, M.C. O ensino superior brasileiro Pós Constituição Federal de 1988. Brazilian Journal of Development, v.7, n.4, p.34343-34362, 2021

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes nacionais do curso de medicina. 2014. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15874-rces003-14&category_slug=junho-2014-pdf&Itemid=30192. Acesso em 01 maio de 2021

BRUYNE, P.; HERMAN, J.; SCHONTHEETE, M. D. Dinâmica da pesquisa em ciências sociais. 5.ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1991.

CAMPOS, C. E. A. Os princípios da medicina de família e comunidade. Revista APS, v.8, n.2, p. 181-190, 2005.

CALDEIRA, E. S. et al. Estudantes de Medicina nos Serviços de Atenção Primária: Percepção dos Profissionais. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 35, n. 4, p. 477-485; 2011.

CHAN, M. A importância crescente da medicina de família. Discurso proferido no 20º World Congress of the World Organization of Family Doctors - WONCA. Praga, República Tcheca, 26 de junho de 2013. Disponível em: . Data de acesso em 01 de maio de 2021.

DIAS, H.S.; LIMA, L.D.; TEIXEIRA, M.. A trajetória da política nacional de reorientação da formação profissional em saúde no SUS. Ciênc. saúde coletiva, v. 18, n. 6, p. 1613-1624, 2013 . Disponível em . Data de acesso 4 maio de 2021.

FERREIRA, M.J.M. et al . Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de Medicina: oportunidades para ressignificar a formação. Interface (Botucatu), v. 23, supl. 1, e170920, 2019. Disponível em . Acesso em 04 de maio 2021.

GÉRVAS, J. FERNÁNDEZ, M. P. Organização da atenção primária à saúde em outros países. In: GUSSO, G; LOPES, J. M. C. Tratado de Medicina de Família e comunidade: princípios, formação e prática. Porto Alegre: Artmed, 2012. 2v. p. 42-51.

ISSA, A. H. T. M. Percepções discentes sobre a Estratégia de Saúde da Família e a escolha pela especialidade de Medicina de Família e Comunidade. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Goiás. Faculdade de Medicina. 2013. Disponível em https://files.cercomp.ufg.br/weby/up/151/o/Disserta%C3%A7%C3%A3o_Afonso_Henrique_(Revisada_e_Formatada)).pdf. Data de acesso: 04 de maio de 2021.

JANAUDIS, M. A., GONZÁLEZ BLASCO, P., HAQ, C., FREEMAN, J., Formando médicos para a Medicina de Família e Comunidade. Revista Bioética, v. 15, n. 1, p. 27-36, 2007. Disponível em https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=361533245003. Acesso em 04 de abril de 2021.

MACEDO, A. R. et al . Educação superior no século XXI e a reforma universitária brasileira. Ensaio: aval.pol.públ.Educ., v. 13, n. 47, p. 127-148, Jan. 2005. Disponível em . Acesso em 04 de maio de 2021

MINAYO, M.C.S. (Org.) et al. Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. 32. ed. Petrópolis, RJ: Vozes; 2020.

MINAYO, M. C. S; SANCHES, O. Quantitativo-qualitativo: oposição ou complementaridade? Cadernos de Saúde Pública, v. 9, n.3, p 239-262, 1993.

NETO, G.C.C.; ANTUNES, V.H.; OLIVEIRA, A. A prática da medicina da família e comunidade no Brasil: contexto e perspectivas. Cadernos de Saúde Pública, v. 35, n. 1, e00170917, 2019.

LOPES JÚNIOR, A. Por que escolher a Medicina de Família e Comunidade? Rev Med, v. 91, ed. esp., p. 39-44, 2012.

RAWAF, S. Médico de família na saúde pública. In: GUSSO, G; LOPES, J. M. C. Tratado de Medicina de Família e Comunidade: princípios, formação e prática. Porto Alegre: Artmed, 2012. 2v. p. 19-27.

STARFIELD, B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Unesco, Ministério da Saúde, 2002. 726p.

STELLA, R.C.R.; PUCCINI, R. F. A formação profissional no contexto das Diretrizes Curriculares nacionais para o curso de medicina. In: PUCCINI, R.F., SAMPAIO, L.O., BATISTA, N.A. A formação médica na Unifesp: excelência e compromisso social. São Paulo: Unifesp, p. 53-69, 2008.

TRINDADE, T. G.; BATISTA, S. R. Medicina de Família e Comunidade: agora mais do que nunca!. Ciênc. saúde coletiva, v. 21, n. 9, p. 2667-2669 2016. Disponível em . Acesso em 04 de maio de 2021.

YIN, R.K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3ª ed. Porto Alegre: Ed. Bookman, 2005




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n5-471

Refbacks

  • There are currently no refbacks.