Análise comparativa de acidentes do trabalho fatais entre funcionários próprios e terceirizados no setor elétrico brasileiro / Comparative analysis of fatal work accidents between own and outsourced employees in the Brazilian electricity sector

Paulo Sérgio dos Santos de Brito, Cresencio Silvio Segura Salas, Lúcio de Medeiros

Abstract


Este artigo trata do problema das terceirizações no setor elétrico brasileiro (SEB) e do elevado número de acidentes fatais laborais envolvendo esse perfil de trabalhador entre os anos de 2006 e 2013. Trata-se de de uma pesquisa quantitativa e tranversal, com dados coletados de relatórios de estatística do SEB produzidos pela Fundação Coge entre anos selecionados. Os dados foram categorizados em setor elétrico, região, causa do acidente e categorizados entre trabalhadores próprios das empresas ou terceirizados. No período examinado, ocorreram 590 fatalidades no trabalho, sendo que destas, 83% com empregados terceirizados e apenas 17% com empregados proprios. O setor de distribuição de energia foi o que apresentou o maior número de óbitos, sendo responsável por 541 mortes do total. Quanto aos tipos de acidentes, o contato acidental com eletricidade foi o que mais vitimou trabalhadores. No cálculo da taxa de mortalidade específica por acidente de trabalho, as empresas terceirizadas do setor eletrico apresentaram indices de mortes maiores que as médias nacionais de todos os segurados do Ministerio da Previdencia Social. Os maiores índices foram encontrados nas regiões Norte e Centro-Oeste, mesmo apresentando menos empresas que outras regiões. As concessionárias com poucos acidentes fatais no trabalho possuíam, em sua maioria, poucos trabalhadores, e a diferença entre a quantidade entre os funcionários próprios e terceirizados era bem reduzida. Concluiu-se que o número de empregados influência na quantidade de acidentes fatais nos dois grupos de funcionários estudados, embora esta relação é mais direta para os trabalhadores terceirizados.


Keywords


privatização, terceirização, acidente fatal, setor elétrico.

References


ANEEL. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2021

ANEEL. Atlas de energia elétrica do Brasil. Agência Nacional de Energia Elétrica. 3. ed. Brasília: Aneel, 2008.

ANTUNES, R.; DRUCK, G. A terceirização como regra? Revista do Tribunal Superior do Trabalho. v. 79, n. 04, p. 214-231, 2013.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 14280: Cadastro de acidente de trabalho - Procedimentos e classificação. Rio de Janeiro, 2001.

ATLAS. Segurança e Medicina do Trabalho. 75a. ed. São Paulo: Equipe Atlas (Ed.). Editora Atlas S.A., 2015. 868p. (Manuais de legislação Atlas).

BATRA, P. E.; IOANNIDES, M. G. Electric Accidents in the Production, Transmission, and Distribution of Electric Energy: A Review of the Literature. International Journal of Occupational Safety and Ergonomics, v. 7, n. 3, p. 285–307, 2001.

BATRA, P. E.; IOANNIDES, M. G. Assessment of electric accidents in power industry. Human Factors and Ergonomics In Manufacturing, v. 12, n. 2, p. 151–169, 2002.

BORGES, Â.; DRUCK, M. DA G. Crise global, terceirização e a exclusão no mundo. Caderno CRH, v. 6, p. 1–24, 1993.

BRASIL. Consolidação das Leis do Trabalho. Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943. Aprova a consolidação das leis do trabalho. 104. ed. São Paulo: Atlas, 2000. Coletânea de Legislação.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Norma Regulamentadora n. 10. Brasília, DF: Portaria Dsst-SITMTE, 2004.

CHIAVENATO, I. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Elsevier, 2004.

COTRIM, A. A. M. Instalações elétricas. 4. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2003.

DIEESE. O processo de terceirização e seus efeitos sobre os trabalhadores no Brasil. Relatório Técnico, p. 101, 2007. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2021.

DIEESE. Terceirização e morte no trabalho: um olhar sobre o setor elétrico brasileiro. p. 1–18, 2010.

DRUCK, G.; FRANCO, T. A terceirização no Brasil: velho e novo fenômeno. LaboReal, v. 4, n. 2, p. 83–94, 2008. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2021.

FUNCOGE, Fundação Coge. Estatísticas de acidentes no setor elétrico brasileiro. Relatório 2013. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2021.

FUNCOGE, Fundação Coge. Histórico. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2021.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. Ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GRIDIS. Estatísticas de acidentes do trabalho: setor de energia elétrica: 1989. Grupo de Intercâmbio e Difusão de Informações sobre Engenharia de Segurança e Medicina do Trabalho. Rio de Janeiro, Eletrobrás, Secretaria Executiva do GRIDIS, 1990.

KYLE, U. G.; BOSAEUSB, I.; LORENZO, A. D.; DEURENBERG, P.; ELIA, M.; MELCHIOR, J. C.; PIRLICH, M.; SCHARFETTER, H.; SCHARFETTEN, A.; SCHOLS, M. W. J.; PICHARD, C. Bioelectrical Impedance analysis – Part II: utilization Clinical practice. Clinical Nutrition. Italy, n. 23, p. 1430-1453, 2004.

LORENZO, S. R.; SILVA, T. A. F.; SILVA FILHO, S. C. Um estudo sobre os efeitos da eletricidade no corpo humano sob a égide da saúde e segurança do trabalho. Exata, v. 5, n. 1, p. 135–143. Disponível em: < http://www.redalyc.org/html/810/81050114/ >. Acesso em: 28 jan. 2021.

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL; MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO; EMPRESA DE TECNOLOGIA E INFORMAÇÕES DA PREVIDÊNCIA SOCIAL; INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL. Anuário estatístico de acidentes do trabalho: AET 2014. v. 1, Brasília: MTE: MPS, 2014.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Estratégia nacional para redução dos acidentes do trabalho 2015-2016. Brasília, 2015.

REDE INTERAGENCIAL DE INFORMAÇÃO PARA A SAÚDE. Indicadores básicos para a saúde no Brasil: conceito e aplicações. 2. ed. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde, 2008.

RONDINELLI, A.; CAVIOLA, F.; RIBEIRO, L. F. Programa Comportamento pela Vida Elektro: desenvolvendo a cultura de segurança na organização a partir da valorização da vida e dos colaboradores. IEEE, 10 agosto de 2009. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2021.

SCOPINHO, R. A. Privatização, reestruturação e mudanças nas condições de trabalho: o caso do setor de energia elétrica. Cadernos de Psicologia Social do Trabalho, v. 5, p. 19–36, 2002. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2021.

TOLFO, S. DA R.; COUTINHO, M. C. Implicações de programas de enxugamento para ex-trabalhadores de empresas estatais. Psicologia e Sociedade, v. 19, n. 1998, p. 57–65, 2007.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.30064

Refbacks

  • There are currently no refbacks.