A seda como matéria prima sustentável na indústria têxtil e de vestuário/ Silk as a sustainable raw material in the textile and clothing industry

Regielem de Cacia Ruy Dias, Diane Belusso, Ronaldo Salvador Vasques

Abstract


Neste estudo, busca-se investigar de que forma a fibra da seda, usada como matéria prima no setor têxtil e de vestuário, contribui para o desenvolvimento sustentável. Para tanto, a investigação passa pela sericicultura, atividade responsável pela obtenção da seda e envolve a produção no campo e na indústria. Isto porque, ao longo de toda a cadeia produtiva da seda, são observados os pilares da sustentabilidade em suas dimensões social, ambiental e econômica. São abordados aspectos da dinâmica da indústria têxtil e de moda, bem como sua relação com a sustentabilidade e como esse mercado vem procurando alternativas para contribuir com o desenvolvimento sustentável. Por fim, foram expostos os aspectos da sericicultura e particularidades do tecido de seda e sua contribuição para a área. A metodologia adotada foi a pesquisa bibliográfica.  Dentre os principais autores utilizados para a base bibliográfica temos: Porto (2014), Pinto (2015), Giacomin (2018), Aveiro (2011), Brancalhão (2005), Soares Júnior, Almeida e Pádua (2018) quanto à sericicultura, Pezzolo (2007) e Chantaignier (2006) sobre tecidos, Manzini e Vezzoli (2016), Gwilt (2014) e Fletcher e Grose (2011) sobre desenvolvimento sustentável de vestuário. Os resultados indicam que a seda é socialmente justa, pois o trabalho de criação das lagartas até a obtenção dos casulos é feito nas propriedades rurais e gera renda para famílias de sericicultores; é ambientalmente responsável, já que as áreas rurais que desenvolvem a sericicultura são livres de agrotóxicos e os amoreirais são capazes de contribuir com a captura de gases que causam o efeito estufa; economicamente viável, visto que      movimenta a economia local e serve de matéria prima para a indústria têxtil na fabricação de vestuário.

Keywords


Seda, Indústria têxtil e de vestuário, Sustentabilidade.

References


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE INDÚSTRIA TÊXTIL – ABIT. Comércio Exterior. Disponível em: Acesso em: 17 nov. 2019.

AVEIRO, A. V. D. Sericicultura. Instituto de Tecnologia do Paraná - TECPAR, 13 mai. 2011. Disponível em: Acesso em: 20 jan. 2020.

BALTAR, C. S.; BALTAR, R. Caminhos da seda no Paraná: a convergência de diferentes processos migratórios na expansão da sericicultura de São Paulo até o Vale da Seda (PR). VII Congresso de la Asociación Latinoamericana de Población e XX Encontro Nacional de Estudos Populacionais, ABEP, Foz do Iguaçu (PR), out. 2016. 27 p., il. Disponível em: Acesso em: 06 jan. 2020.

BARCELOS, S. M. B. D.; FRANCISCO, A. C. Indicadores de sustentabilidade e a indústria do vestuário. Curitiba, PR: Editora Appris, 2015.

BAXTER, M. Projeto de produto: guia prático para o design de novos produtos. 3. ed. São Paulo: Blucher, 2011.

BRANCALHÃO, R. M. C. Bicho-da-seda. 2005. 60 p., il. Disponível em: Acesso em 28 jul 2019.

CARBON TRUST. Carbon footprinting guide. 2018. Disponível em: Acesso em: 06 ago. 2020.

CHANTAIGNIER, G. Fio a Fio: tecidos, moda e linguagem. São Paulo: Estação das Letras Editora, 2006.

CHRISTOPHER, M.; LOWSON, R.; PECK, H. Creating agile supply chains in the fashion industry. International Journal of Retail and Distribution Management, Vol. 32, 2004. Disponível em: Acesso em: 27 jul. 2020.

DESIRÉE, T. O meio ambiente sustentável da moda no Brasil e no mundo: o desenvolvimento sustentável e a responsabilidade social da indústria, mercado da moda brasileira e suas contribuições para mitigação de CO2 e enfrentamento das mudanças climáticas. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2019.

DOMICIANO, F. Pesquisa de novas tecnologias busca a redução de custos de produção do bicho-da-seda. 2019. Disponível em: Acesso em: 29 abr. 2020.

FASHION REVOLUTION. Como ser um revolucionário da moda. 2015. Disponível em: Acesso em: 04 ago. 2020.

FÉDÉRATION DE LA HAUTE COUTURE ET DE LA MODE. Vocation et missions de la Fédération. 2020. Disponível em: Acesso em: 27 jul. 2020.

GLOBAL FASHION AGENDA. CEO Agenda 2019. Disponível em: Acesso em: 31 jul. 2020.

FLETCHER, K.; GROSE, L. Moda & sustentabilidade: design para mudança. Tradução Janaína Marcoantonio. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2011.

GIACOMIN, A. M. Dinâmica da inovação da sericicultura no Brasil. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Programa de pós Graduação em Têxtil e Moda, Escola de artes, Ciências e Humanidades, Universidade de São Paulo, 2018. 58 p., il. Disponível em: Acesso em 05 mai. 2020.

GIACOMIN A. M. et al - Silk Industry and Carbon Footprint Mitigation. In: IOP

Conference Series: Materials Science and Engineering. IOP Publishing 17th AUTEX WORLD TEXTILE CONFERENCE. Corfu, Greece, 2017. Disponível em:

Acesso em: 15 ago. 2019.

GROWTH FROM KNOWLEDGE – GFK. Responsabilidade ambiental e compra ética. 2015. Disponível em: Acesso em: 14 jan. 2021.

GWILT, A. Moda sustentável: um guia prático. Tradução: Márcia Longarço. São Paulo: Gustavo Gilli, 2014.

HESPANHOL, A. N. Agricultura, desenvolvimento e sustentabilidade. In: MARAFON, G. J.; RUA, J.; RIBEIRO, M. A. (Org.). Abordagens teórico-metodológicas em geografia agrária. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2007. p. 179-198.

HSUAN-AN, T. Design: Conceitos e métodos. São Paulo: Blucher, 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Indicadores de desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: < https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv94254.pdf> Acesso em: 03 ago. 2020.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Pesquisa da Pecuária Municipal. 2018. 28, 31 p., il. Disponível em: Acesso em: 15 abr. 2019.

KUASNE, A. Fibras têxteis. Curso Têxtil em Malharia e Confecção 2º Módulo. Araranguá, 2008. Disponível em: Acesso em: 29 jul. 2020.

LAVER, J. A roupa e a moda: uma história concisa. Tradução Glória Maria de Mello Carvalho. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

LEE, M. Eco chic: o guia de moda ética para a consumidora consciente. Tradução Sheila Mazzolenis e Mario Ribeiro. São Paulo: Larousse do Brasil, 2009.

LIPOVETSKY, G. O império do efêmero: a moda e seu destino nas sociedades modernas. Tradução Maria Lucia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

MANZINI, E.; VEZZOLI, C. O Desenvolvimento de Produtos Sustentáveis: Os requisitos ambientais dos produtos industriais. 1ed. 4 reimpr. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2016.

MOON, P. Fungicida prejudica a produção de seda. 14 mai. 2018. Disponível em: Acesso em: 08 mai. 2020.

NICODEMU, D. et al. Pyraclostrobin Impairs Energetic Mitochondrial Metabolism and Productive Performance of Silkworm (Lepidoptera: Bombycidae) Caterpillars. Journal of Economic Entomology, Volume 111, Issue 3, June 2018, Pages 1369–1375. Disponível em: Acesso em: 08 mai. 2020.

OLIVEIRA, M. H. 1996. Seda, um tecido nobre. Disponível em Acesso em 29 jul. 2019.

OLIVEIRA, R. A.; SANTOS, J. A.; BOROVIECZ, S. Análise do custo de produção e do processo produtivo da sericicultura: um estudo de caso no Paraná. Redes - Santa Cruz do Sul: Universidade de Santa Cruz do Sul, v. 22, n. 1, janeiro- abril, 2017. Disponível em: Acesso em: 27 maio 2019.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS NO BRASIL – ONU BR. 17 objetivos para transformar nosso mundo. Traduzido pelo Centro de Informação das Nações Unidas para o Brasil (UNIC Rio). 13 out. 2015. Disponível em: Acesso em: 27 maio 2019.

PENNACCHIO, H.L. Casulo de seda. In:. Indicadores Agropecuários, Companhia Nacional de Abastecimento – CONAB. Brasília, Ano XXV, n. 10, out. 2016. Disponível em: Acesso em: 27 abr. 2020.

PEZZOLO, D. B. Tecidos: história, tramas, tipos e usos. 2 ed. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2007.

PINTO, N. F. O processo saúde-doença dos/as trabalhadores/as da sericicultura no Paraná. Dissertação (Mestrado em Biociências e Saúde) – Centro de ciências biológicas e da saúde, Universidade Estadual do Oeste do Paraná, 2015. Disponível em: Acesso em: 20 jan. 2020.

PORTO, A.J. Sericicultura no estado de São Paulo. Boletim Indústr. Anim., Nova

Odessa, volume 71, no.3, p.291-302, 2014. Disponível em: Acesso em 17 set. 2019.

REFOSCO, E. C. Estudo do ciclo de vida dos produtos têxteis: um contributo para a sustentabilidade na moda. Tese (mestrado em Design e Marketing), escola de Engenharia, Universidade do Minho. Guimarães/PT, p. 136, 2012. Disponível em: Acesso em: 27 nov. 2020.

SANTORUM, M. Avaliação da toxicidade do inseticida Novaluron em Bombix Mori (Lepidóptera: Bombycidae). Tese (doutorado em Biotecnologia) – Instituto de Biociências de Botucatu – Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Botucatu, 2019. Disponível em: Acesso em: 02 abr. 2020.

SENAI. Manual Técnico: têxtil e vestuário. N.1. 2015. Disponível em: Acesso em: 29 jul. 2020.

SOARES JÚNIOR, D.; ALMEIDA, E.L.D.; PÁDUA, O. S. Inovações na sericicultura do Paraná: tecnologias, manejo e rentabilidade. Londrina : ABRASEDA : IAPAR, 2018. Disponível em: Acesso em 15 set. 2019.

TECIDOTECA UEM. Bandeira Têxtil 039: tecido nãotecido, espessura pesada (manta), 100% polipropileno. 2018. 87 p., il. Disponível em: Acesso em: 29 jul. 2020.

TSUKAMOTO, R.Y. Assentamentos rurais e a sericicultura como alternativa de renda: uma reflexão. In: ENCONTRO NACIONAL DE GEOGRAFIA AGRÁRIA, 19., 2009, São Paulo. Anais... São Paulo, FFLCH-USP, 2009. p.1-16.

UDALE, J. Fundamentos de design e moda: tecidos e moda. Tradução: Edson Furmankiewicz. Porto Alegre: Bookman, 2009.

VASQUES, R. S. A indústria têxtil e a moda brasileira nos anos de 1960. Curitiba: Editora Appris, 2018.

ZANIRATO, S. H. Moda e sustentabilidade, um diálogo paradoxal? In: SIMILLI, I. G.; VASQUES, R. S. (Org.). Indumentária e moda: caminhos investigativos. Maringá: Eduem, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.29922

Refbacks

  • There are currently no refbacks.