Principais métodos de ensaios não destrutivos utilizados para análise de pontes de concreto armado em ambientes marinhos / Main non-destructive testing methods used for the analysis of reinforced concrete bridges in marine environments

Jéssica César Nunes, Karen de Castro Damasceno, Leonardo Amorim do Amaral, José Roberto Moreira Ribeiro Gonçalves, Fabiano Battemarco da Silva Martins

Abstract


As estruturas de concreto armado, mais especificamente as pontes de concreto armado em ambientes marinhos, apresentam uma pré-disposição natural à deterioração principalmente por corrosão das armaduras devido ao elevado nível de concentração de sais na água do mar, que tornam o ambiente em que se encontra extremamente agressivo, e também por diversas outras ações, tais como: abrasão, erosão e cavitação no concreto.A avaliação técnica periódica destas estruturas é de extrema importância para a prevenção, identificação de patologias e prováveis manutenções necessárias nas estruturas em si. Os métodos de ensaios não destrutivos aparecem como grandes aliados nestas análises, já que os métodos tradicionais de inspeção quando aplicados de forma isolada mostram-se limitados. O principal objetivo deste artigo é apresentar de forma breve o que é e para que serve um ensaio não destrutivo, e com base em um estudo bibliográfico, apresentar mais detalhadamente dois dos principais ensaios não destrutivos utilizados para estruturas de concreto armado e a importância destes para uma análise mais eficaz dessas estruturas.


Keywords


Concreto Armado, Patologias, Ambiente Marinho, Ensaios não Destrutivos, Avaliação Técnica.

References


CÁNOVAS, Manoel F. Patologia e terapia do concreto armado. São Paulo, PINI. 1988

CHOQUEPUMA SAHUINCO, Melquiades Hermógenes. Utilização de métodos não destrutivos e semi destrutivos na avaliação de pontes de concreto. São Paulo. 2011. Disponível em: Acesso em 18 de novembro de 2019.

COSTA, Josiane Moraes; ET AL. Análise Patológica através do ensaio não destrutivo utilizando resistividade elétrica superficial de concreto. 2017. Disponível em: Acesso em 18 de novembro de 2019.

EDUCAÇÃO UOL. Urbanização do brasil: consequências e características das cidades. Disponível em: Acesso em 18 de novembro de 2019.

EQUIPE TÉCNICA SGS. Ensaios não destrutivos. O que é preciso Saber? Abril 2018. Disponível em: Acesso em 18 de novembro de 2019.

ESTADÃO INTERNACIONAL. Os acidentes com pontes com mais mortes nos últimos 20 anos. Disponível em: Acesso em 18 de novembro de 2019.

FACIR PISOS.Controle tecnológico de materiais/serviços. Disponível em: Acesso em 23 de março de 2020.

FERREIRA, Gucindo. Estudo sobre fatores influentes nos resultados de ensaios não destrutivos em concreto endurecido. Uberlândia. 2011. Disponível em: Acesso em 18 de novembro de 2019.

FOLHA. 1 em 5 pontes ou viadutos precisa de reforma. Disponível em: Acesso em 18 de novembro de 2019.

HELENE, Paulo. R. L.Corrosão em armaduras para concreto armado. São Paulo, PINI. 1986

IBGE. Panorâma – Rio de Janeiro. Disponível em: Acesso em 18 de novembro de 2019.

KOPSCH, Wilson. Durabilidade de estruturas de concreto armado em ambiente marinho. 2001. Disponível em: Acesso em 18 de novembro de 2019.

K.S,Ayswarya; Johnson, Ann Maria; Chaithanya; Prasad,Devika;Krishnan R., Dhanya; N.J.,RadhikaNair.Evoluationof Bridge Performance Using Non – DestructiveTesting – A Review.2016. Disponível em: Acesso em 23 de março de 2020.

MARCHETTI, Osvaldemar. Pontes de concreto armado 1ª ed. São Paulo, Blucher. 2007

MAZER, Wellington. Inspeção e ensaios em estrutura de concreto. 2012. Disponível em: Acesso em 18 de novembro de 2019.

NEVILLE, A. M. Propriedades do concreto. 5ª ed. Porto Alegre, Bookman. 2016

SOUZA, Diego Jesus; TORRE, Eduardo Muñoz de La; KOSLOSKI, Flávia; SILVESTRO, Laura; LEME, Lucas Budel Paes; MEDEIROS, Marcelo Henrique Farias.Obtenção da resistência à compressão do concreto de viadutos localizados na região de Curitiba por métodos de ensaios não destrutíveis: Esclerometria e Ultrassom. 2015. Disponível em: Acesso em 23 de março de 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.29787

Refbacks

  • There are currently no refbacks.