A metodologia de espacialização de impactos ambientais como importante ferramenta na gestão dos serviços ambientais: Um Estudo de caso em Ambiente Amazônico sob forte influência de garimpo, pecuária, projeto de assentamento e comunidades indígenas/ The methodology of spatialization of environmental impacts as an important tool in the management of environmental services: A case study in an Amazonian environment under strong influence of mining, cattle ranching, settlement project and indigenous communities

Felipe Moraes Borges, Alceu Raposo Júnior, Lucas Antônio Lacerda Brasil

Abstract


Os impactos ambientais decorrentes de empreendimentos poluidores atingem cada vez mais notoriedade no âmbito do licenciamento ambiental desde a instrumentalização do mesmo. A espacialização de impactos como ferramenta na gestão dos serviços ambientais confirma a importância do tema e vem sendo aprimorada a cada dia com a concepção de novas metodologias e o fornecimento de novos resultados. A interpretação dos resultados obtidos com a espacialização traz mais confiabilidade aos estudos e permite entender como os impactos atuam sobre os influenciados e os serviços ambientais de uma determinada localidade. O presente artigo apresenta um estudo de caso com uma concepção metodológica inovadora de espacialização de impactos onde foi possível especializar, além dos impactos identificados os serviços ecossistêmicos. A partir de então foi possível desenhar o perfil dos afetados, no caso, assentados rurais, através do estabelecimento de uma análise de similaridade. Essa análise associada ao advento das tecnologias GIS permitiram prognosticar melhor a influência dos impactos ambientais de um empreendimento minerador nos temas físiográficos, biológicos e socioeconômicos ofertando uma resposta sistêmica e integrada da natureza e amplitude geográfica que os mesmos gerarão numa eventual remoção dos envolvidos.


Keywords


prognóstico ambiental, serviços ambientais, assentamentos rurais.

References


AB’SABER, A.N, 1977. Espaços ocupados pela expansão dos climas secos na América do Sul, por ocasião dos períodos glaciais quaternários. Paleoclimas. São Paulo - SP, v.3, p.1-19.

ARAÚJO, Cleber Oliveira, 2006. Relatório Desenvolvimento e uso Sustentável das Terras Indígenas Apyterewa e Ipixuna - FUNAI / Projeto Integrado Parakanã.

BRANDT, 2012. Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental Projeto Volta Grande, Belo Sun Mineração. Nova Lima - MG.

BRASIL, 1986 - CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 001 de 23 de janeiro de 1986. Estabelece as definições, as responsabilidades, os critérios básicos e as diretrizes gerais para uso e implementação da Avaliação de Impacto Ambiental como um dos instrumentos da Política Nacional do Meio Ambiente. Brasilia - DF.

BRASIL, 2002 - CONAMA - Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução nº 303 de 20 de março de 2002. Dispõe sobre as Áreas de Preservação Permanente. Brasilia - DF.

JOÃO, E., 2002. How scale affects environmental impact assessment. Environ. Impact Assess. Rev. 22, 289-310.

LANDSBERG, F.; TREWEEK, J.; STICKLER, M. M.; HENNINGER, N.; VENN, O, 2013. Weaving ecosystem services into impact assessment: a step-by-step method. Abbreviated version 1.0. Washington: World Resources Institute.

LEME ENGENHARIA, 2009. Estudo de Impacto Ambiental do Aproveitamento Hidrelétrico de Belo Monte. Altamira - PA.

LEME ENGENHARIA, 2010. Estudos Etnoecológicos do Diagnóstico Antrópico do EIA do AHE Belo Monte. Altamira - PA.

LIRA, E. M. de; WADT, P. G. S.; GALVÃO, A. de S.; RODRIGUES, G. S, 2006. Avaliação da capacidade de uso da terra e dos impactos ambientais em áreas de assentamento na Amazônia ocidental. Embrapa Meio Ambiente.

FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO E PROGRAMA DAS NAÇÕES UNIDAS PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL - PNUD, 2004. Atlas do Desenvolvimento Humano.

OLIVEIRA, Adélia Engrácia. Amazônia: Modificações sociais e culturais decorrentes do processo de ocupação humana (Séc. XVII ao Séc. XX), 1988. MCT/CNPQ/Museu Paraense Emílio Goeldi. Belém - PA.

OLIVEIRA, M. J., HENKES, J. A. 2016. R. gest. sust. ambient., Florianópolis - SC, v. 4, n. 2, p. 429 – 449.

IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis 2008. Instrução Normativa IBAMA nº 203, de 22 de outubro de 2008.

IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, 2008. Instrução Normativa IBAMA nº 204, de 22 de outubro de 2008.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2012. Manual técnico da vegetação brasileira. Manuais técnicos em geociências, 2ª edição, n. 1, Brasilia - DF

MCALEECE, N.; P.J.D. LAMBSHEAD; G.L.J. PATERSON & J.G. GAGE, 1997. Biodiversity professional. Beta-Version. London, The Natural History Museum and the Scottish Association for Marine Sciences.

RADAM-BRASIL, 1978. Levantamento de Recursos Naturais. Rio de Janeiro.

RODRIGUES, G. S. S. C, 2010. A análise interdisciplinar de processos de licenciamento ambiental no estado de Minas Gerais: conflitos entre velhos e novos paradigmas. Sociedade & Natureza (Online), v. 22, n. 2, p. 267-282.

RODRIGUES, G. S.; CAMPANHOLA, C. Sistema integrado de avaliação de impacto ambiental aplicado a atividades do Novo Rural, 2006. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, DF, v. 38, n. 4, p. 44-451

SÁNCHEZ, L. H, 2008. Avaliação de impactos ambientais: conceitos e métodos. São Paulo: Oficina de Textos. São Paulo - SP, 495 p.

TREENEPOHL & TREENEPOHL, 2013. Licenciamento Ambiental. Editora Impetus - Rio de Janeiro - RJ, 5ª edição, 304pp.

VELOSO, H. P, 1945. As comunidades e as estações botânicas de Teresópolis, estado do Rio de Janeiro. Boletim do Museu Nacional. Nova Série. Botânica, Rio de Janeiro - RJ, n. 3, p. 1-95.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.29776

Refbacks

  • There are currently no refbacks.