Uma revisão narrativa sobre os principais aspectos que permeiam a hesitação vacinal e seus impactos no cenário epidemiológico mundial / A narrative review on the main aspects that permeate vaccine hesitancy and its impacts on the global epidemiological scenario

Amanda Carvalho Rodrigues, Aline Martins Lino, Andreza Carvalho Rodrigues, Ariana Samara Langa, Januária Ramos Pereira Wiese

Abstract


Introdução: A hesitação em vacinar integrou-se às 10 ameaças à saúde pública global por tratar-se de uma problemática multifatorial com repercussão em todo o setor de saúde. A vacinação constitui a melhor ferramenta custo-benefício na prevenção de doenças infecciosas potencialmente graves, mas a desinformação tem proporcionado aumento de ideias contrárias, culminando em movimentos antivacina, que expandem-se globalmente conforme o ativismo virtual ganha força, somado à autonomia de reclamar liberdade de escolha. Assim, compreender tal problemática não se restringe aos efeitos, mas também à ideologia e reverberações na sociedade.

Objetivo: Compreender os principais motivos da expansão do movimento anti-vacina, destacar possíveis consequências e importância da vacinação no cenário epidemiológico e de saúde.

Metodologia: Revisão narrativa realizada a partir de artigos nas bases de dados PubMed, Google-Acadêmico e SciELO que abordassem o tema “não adesão vacinal”, publicados nos últimos cinco anos. A seleção do material bibliográfico respeitou os critérios de inclusão: disponibilidade nos idiomas português, inglês ou espanhol; relação direta com o objeto de estudo e com a questão norteadora; ter sido publicado nos últimos cinco anos; não apresentar conflitos de interesse. Foram excluídos os artigos publicados anteriormente ao ano de 2015 e que não apresentassem relação direta com o tema.

Resultados: O ressurgimento de ideologias contra medidas de saúde têm aumentado e fomentado os movimentos antivacina. Dentre os principais motivos para a hesitação vacinal tem-se a não percepção dos benefícios trazidos, devido às doenças prevenidas terem mínima incidência. Ademais, medo das reações adversas aos aditivos e às toxinas, preocupação com a resposta imunológica e dificuldade no acesso a vacinas contribuem com tal hesitação. Os riscos resultantes dos crescentes movimentos antivacina variam desde surtos locais da doença até ressurgimento onde eram previamente extintas. A importância da vacinação não envolve apenas a proteção individual, mas também a coletiva, além de beneficiar o Estado, no sentido de  redução de gastos com tratamentos de doenças facilmente preveníveis.

Conclusões: O declínio da adesão às metas vacinais anuais tem sido motivo de preocupação, sobretudo por se tratar de um problema multifatorial e com repercussão em todo o setor da saúde. Diante disso, é dever dos profissionais de saúde envolver-se no processo de instrução da população acerca da importância, segurança e eficácia da vacinação, bem como a explicação dos riscos de doenças infecciosas potencialmente graves. Isso se torna um objetivo mais palpável através da participação de liderança da comunidade junto às instituições de saúde locais.


Keywords


Vacinação, Recusa de Vacinação, Saúde Pública

References


Aps L R de M M, Piantola M A F, Pereira S A, Castro J T de, Santos F A de O, & Ferreira L C D S (2018). Eventos adversos de vacinas e as consequências da não vacinação: uma análise crítica. Revista de Saúde Pública, 52, 40.

Dois Séculos de Vacina no Brasil. Revista da Vacina. Ministério da Saúde - Centro Cultural da Saúde [página da internet]. [acesso em 20 de julho de 2020]. Disponível em: http://www.ccms.saude.gov.br/revolta/ltempo.html

Bernabé E M. Aprender a comunicar para prevenir. Interface (Botucatu) [Internet]. 2020 [citado 2020 Jul 20] ; 24: e190592

Mizuta A H, Succi G de M, Montalli V A M, & Succi R C de M (2018). Percepções acerca da importância das vacinas e da recusa vacinal numa escola de medicina. Revista Paulista de Pediatria.

Di Pasquale A, Bonanni P, Garçon N, Stanberry LR, El-Hodhod M, & Tavares Da Silva F (2016). Avaliação de segurança de vacinas: aspectos práticos na avaliação de benefícios e riscos. Vaccine, 34 (52), 6672-6680.

Grzybowski A, Patryn RK, Sak J e Zagaja A (2017). Recusa de vacinação. Autonomia e coerção permitida. Patógenos e Saúde Global, 111 (4), 200–205.

Organização Mundial da Saúde [página na internet]. Dez questões de saúde que a OMS abordará este ano [acesso em 22 jul 2020]. 2019. Disponível em: https://www.who.int/news-room/feature-stories/ten-threats-to-global-health-in-2019

Succi RC de M (2018). Recusa de vacina - o que precisamos saber. Jornal de Pediatria.

Nações Unidas Brasil [página internet]. Transformando Nosso Mundo: A Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável [acesso em 20 de julho de 2020]. 2015. Disponível em: https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/

Larson H. The biggest pandemic risk? viral misinformation. 16 October, 2018. Available: https://www.nature.com/articles/ d41586-018-07034-4

Comissão Europeia. Proposta de Recomendação do Conselho sobre o reforço da cooperação contra as doenças que podem ser prevenidas por vacinação. Bruxelas: Comissão Europeia; 2018 [acesso 11 ago 2018]. Disponível em: https://eur-lex.europa.eu/legal-content/PT/TXT/PDF/?uri=CELEX:52018DC0244&from=PT

Shimizu N R. Movimento antivacina: a memória funcionando no/pelo (per)curso dos sentidos e dos sujeitos na ociedade e-urbana. Revista do Edicc, v. 5, n. 1, outubro de 2018. Disponível em: http://revistas.iel.unicamp.br/index.php/edicc/article/viewFile/5963/7310

McLaren RA, Stein JL e Minkoff H (2019). Sarampo: Não existe vacina contra a fobia vacinal. American Journal of Perinatology.

McClure CC, Cataldi JR e O'Leary ST (2017). Hesitância de vacinas: onde estamos e para onde vamos. Clinical Therapeutics, 39 (8), 1550-1562.

Salmon DA, Dudley MZ, Glanz JM e Omer SB (2015). Vaccine Hesitancy: Causes, Consequences, and a Call to Action American Journal of Preventive Medicine, 49 (6), S391 – S398.

Phadke, VK, Bednarczyk, RA, Salmão, DA e Omer, SB (2016). Associação entre recusa de vacinas e doenças imunopreveníveis nos Estados Unidos. JAMA, 315 (11), 1149.

World Health Organization [homepage na internet]. Ten threats to global health in, 2019. 2019. Available: https://www.who.int/emergencies/ten-threatsto-global-health-in-2019

Hussain A, Ali S, Ahmed M, & Hussain S (2018). The Anti-vaccination Movement: A Regression in Modern Medicine. Cureus.

Guimarães K. Vacinação em queda no Brasil preocupa autoridades por risco de surtos e epidemias de doenças fatais. BBC Brasil 2017; 29 aug.

Bedford H E, & Elliman D A C (2019). Fifteen-minute consultation: Vaccine-hesitant parents. Archives of Disease in Childhood - Education & Practice Edition, edpract–2019–316927.

World Health Organization [homepage na internet]. Immunization coverage. 2020. Available: https://www.who.int/en/news-room/fact-sheets/detail/immunization-coverage

Valéria S G C, Laís M G N. Hesitação vacinal: direito constitucional à autonomia individual ou um atentado à proteção coletiva? Prisma Jur., São Paulo, v. 18, n. 2, p. 224-240, jul./dez. 2019

World Health Organization [homepage na internet]. Why is vaccination important for addressing antibiotic resistance? 2016. Available: https://www.who.int/news-room/q-a-detail/why-is-vaccination-important-for-addressing-antibiotic-resistance

Jarrett, C., Wilson, R., O'Leary, M., Eckersberger, E., & Larson, HJ (2015). Estratégias para enfrentar a hesitação de vacinas - Uma revisão sistemática. Vaccine, 33 (34), 4180-4190.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.29734

Refbacks

  • There are currently no refbacks.