Capacitação em metodologia ativa para ensino e aprendizagem em saúde mental: conhecimento de médicos egressos que atuam na atenção básica de saúde / Training in active methodology for teaching and learning in mental health: knowledge of doctors who work in basic health care

Mauro Marcelo Furtado Real Junior, José Antônio Cordero da Silva

Abstract


O presente trabalho tem como objetivo avaliar a utilização das metodologias ativas empregadas como estratégia em saúde mental na prática do médico egresso. O percurso metodológico adotado na pesquisa, além de estar pautada em uma revisão bibliográfica, também está baseado em uma pesquisa observacional do tipo transversal de caráter descritivo. Os resultados demonstram que as metodologias ativas se mostram como estratégia pedagógica importante, viável e eficaz para discutir problemas reais encontrados por egressos referentes à pacientes com transtornos mentais, onde o profissional egresso tem que se mobilizar para compreendê-las, para tanto, necessita buscar elementos e soluções, o que contribuirá para o desenvolvimento de sua autonomia. Como conclusão, ressalta-se que as atividades de educação devem enfatizar, práticas de intervenção, envolvendo questões de saúde mental que por meio da APB, para que assim seja possível auxiliar o egresso nas dificuldades durante o acolhimento do paciente com transtorno mental.


Keywords


Saúde mental. Médico egresso. Metodologia ativa. Estratégia de Saúde da Família

References


ALMEIDA M. Diretrizes curriculares para os cursos universitários na área de saúde. Londrina: Rede Unida; 2003.

BALWAN, S. et al. Use of Team-Based Learning Pedagogy for Internal Medicine Ambulatory Resident Teaching. Journal of Graduate Medical Education, 2015.

BARBOSA, V; et al. O papel da atenção primária de saúde na construção das redes de cuidado em saúde mental. Revista de Pesquisa: Cuidado é Fundamental Online. v. 9, n. 3, p. 659-68, 2017.

BEHRENS MA. O paradigma emergente e a prática pedagógica. Petrópolis: Vozes; 2005.

BERBEL, N. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas. Interface Comum. Saúde Educ.,1998; 2:139-54.

BERBEL, N. As metodologias ativas e a promoção da autonomia dos estudantes. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 32, n. 1, p. 25-40, jan./jun. 2011.

BRANDÃO, C.F.S; COLLARES, C.F; MARIN, H.F. A simulação realística como ferramenta educacional para estudantes de medicina. Scientia Medica, v.24, n.2, p.187- 192, 2014.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução no 3, de 20 de junho de 2014. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 jun. 2014.

BRASIL. Lei no 12.871, de 22 de outubro de 2013. Institui o Programa Mais Médicos, altera as Leis no 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e no 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Poder Executivo, Brasília, DF, 23 out. 2013.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria Nº 2.488, DE 21 de outubro de 2011. Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS).

BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Resolução CNE/CES no 4, de 7 de novembro de 2001. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. 2001. Disponível em: . Acesso em: 24 abr. 2018.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes da Educação Nacional. Diário Oficial da União 1996; 23 dez.

BRASIL. Ministério da Saúde. Lei nº 10.216, Lei da Reforma Psiquiátrica de 06 de abril de 2001. Diário Oficial da União.

BRASIL. Ministério da Saúde. Ministério da Justiça. Reforma Psiquiátrica e Avaliação por triangulação de métodos: Abordagem de Programas Sociais. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2010. pp. 19-51.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde Mental em Dados – 12, ano 10, nº 12. Informativo eletrônico. Brasília: outubro de 2015.

BRASIL. Ministério da saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. DAPE. Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. OPAS. Brasília, novembro de 2005. Disponível em: http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/relatorio_15_anos_caracas.pdf.

CACHO, R. O.; BARONI, M. P.; RUARO, J. A.; LOPES, J. M. BRITTO, H. M. J. S.; FERREIRA, T. B. et al. Metodologias Ativas em Fisioterapia: estudo de confiabilidade interexaminador do Método Osce. Revista Brasileira de Educação Médica, v.40, n. 1, p. 128- 137, 2016.

CAMPOS, Francisco E.; AGUIAR, Raphael A. T.; BELISÁRIO, Soraya A. A formação superior dos profissionais de saúde. In: GIOVANELLA, L. (Org.). Políticas e sistema de saúde no Brasil. 2. ed. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2012.

CHNG E, YEW EH, SCHMIDT HG. Effects of tutor-related behaviours on the process of problem-based learning. Adv Health Sci Educ Theory Pract. 2011;16(4):491-503.

COTTA RMM, MENDES FF, MUNIZ JN. Descentralização das políticas públicas de saúde - do imaginário ao real. Viçosa: UFV- Cebes; 1998.

DIESEL, A., BALDEZ, A. L., & MARTINS, S. N. Os princípios das metodologias ativas de ensino. Fonte: Revista Thema, 2017. Disponível em: http://revistathema.ifsul.edu.br/index.php/thema/article/viewFile/404/295. Acesso em: 23 de mar. 2021.

DIMENSTEIN, M. et al. Demanda em saúde mental em unidades de saúde da família. Mental, v. 3, n. 5, 2005. p. 23-41.

DOCHY F, SEGERS M, VAN DEN BOSSCHE P, GIJBELS D. Effects of problembased learning: a meta-analysis. Learning and Instruction. 2003;13(5):533-68.

FERNANDES JD, FERREIRA SLA, OLIVA R, SANTOS S. Diretrizes estratégicas para a implantação de uma nova proposta pedagógica na Escola de Enfermagem da Universidade da Federal da Bahia. Rev. Enfermagem 2003;56(54):392-395.

FORTES S, VILLANO LAB, LOPES CS. Perfil nosológico e prevalência de transtornos mentais comuns em pacientes atendidos em unidades do Programa de Saúde da Família (PSF) em Petrópolis, Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Psiquiatria 2008;30(1):32-37.

FRANCO, Túlio Batista. Redes de cuidado: conexão e fluxos para o bom encontro com a saúde. In: ALMEIDA, Patty Fidelis; SANTOS, Adriano Maia; SOUZA, Mariluce Karla Bomfim. Atenção primaria à saúde na coordenação do cuidado em regiões de saúde. EDUFBA. Salvador. p. 309, 2015.

FREIRE P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 33ª ed. São Paulo: Paz e Terra; 2006.

GALATO, D.; ALANO, G. M.; FRANÇA, T. F.; VIEIRA, A. C. Exame Clínico Objetivo Estruturado (ECOE): uma experiência de ensino por meio de simulação do atendimento farmacêutico. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v.15, n. 36, p. 309-319, 2011.

GOLDBERG D, MANN A, TYLEE A. Psychiatry in primary care. In: Gelder MG, Lópes- Ibor JR JJ, Andreasen NC. New Oxford Textbook of Psychiatry. Oxford: Oxford University Press; 2000; 1579-89.

GONÇALVES DA, MARI JJ, BOWER P. Brazilian multicentre study of common mental disorders in primary care: rates and related social and demographic factors. Cad. Saúde pública. 2014 mar; 30(03):623-32.

GONTIJO, E. D.; ALVIM, C.; MEGALE, L.; MELO, J. R. C.; LIMA, M. E. GRANZOTTI RBG, S. K, DORNELAS R, DOMENIS DR. Metodologias Ativas e as Práticas de Ensino na Comunidade: sua importância na formação do Fonoaudiólogo. Distúrbios Comun, São Paulo, 27(2): 369-374, junho, 2015.

HATTIE, J. ; TIMPERLEY, H. The Power of Feedback. Review of Educational Research. v. 77, n. 1, p. 81–112, March 2007.

HERMIDA, P. M. V.; BARBOSA, S. S.; HEIDEMANN, I. T. S. B. Metodologia ativa de ensino na formação do enfermeiro: inovação na atenção básica. Revista de Enfermagem da UFSM, [S.l.], v. 5, n. 4, p. 683-691, dez. 2015.

HRYNCHAK, P; BATTY, H. The educational theory basis of team-based learning. Medical Teacher, v. 34, p.796-801, 2012.

ILLESCA, P.M; CABEZAS, G.M; ROMO, P.M.T; DIAZ, R.P. Opinión de estudiantes de enfermería sobre el examen clínico objetivo estructurado. Ciencia y Enfermeria, v.08, n.1, p.99-109, 2012.

JORGE, M. S. B. et al. Representações sociais das famílias e dos usuários sobre participação de pessoas com transtorno mental. Revista da Escola de Enfermagem da USP, São Paulo, v. 42, n. 1, p. 135-142, mar. 2014.

KIBLLE, J.D; BELLEW, C; ASMAR, A; BARKLEY, L. Team-based learning in large enrollment classes. The American Physiological Society, v.40, p.435-442, 2016.

KIRMAYER LJR, ROBBINS JMD, YAFFEE MJ. Somatization and Recognition of Depression and Anxiety in Primary Care. Am J Psychiatry 1993; 150:734-41.

LLOYD G. Psychiatric Syndromes with a Somatic Presentation – Jour Psychosomatic Research 1986; 30(2):113-20.

LOPES C.S. Eventos de Vida Produtores de Estresse e Transtornos Mentais Comuns: Resultados do Estudo Pró – Saúde. Cad. Saúde Pública 2003; 19 (6):1713-20.

MENDES, E. V. O cuidado das condições crônicas na Atenção Primária à Saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização PanAmericana da Saúde, 2012.

MITRE, S. M.; et al. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação profissional em saúde: debates atuais. Ciência e Saúde Coletiva, v. 13, n. Sup. 2, p. 2133-2144. 2008.

MORANGA, D; SOTO, J. TBL - Aprendizaje Basado en Equipos. Estudios Pedagógicos XLII, n.2, p.437-447, 2016.

OMS. Organização Mundial da Saúde. Genebra. MI-GAP Manual de Intervenções para transtornos mentais, neurológicos e por uso de álcool e outras drogas na rede de atenção básica à saúde. Disponível em: https://www.who.int/mental_health/publications/IG_portuguese.pdf

PERRENOUD, P.. Construir as competências desde a escola. Porto Alegre: Artmed,1999.

RICHARTZ, T. (2015). Metodologia ativa: a importância da pesquisa na formação de professores. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, v.13, n.1, p.296- 304, jul.

vRUIZ-CAMPO, S., SORIA-BARRETO, K. Y ZUÑIGA-JARA, S. Aprendizaje basado em equipos con IFAT: Impacto y percepción en estudiantes universitarios. Estudios Pedagógicos, XLII (1), 255-269. (2016).

SCHAURICH, D; CABRAL, F.B; ALMEIDA, M.A.; Metodologia da problematização no ensino em enfermagem: uma reflexão do vivido no profae / RSa. Escola Anna Nery. Revista Enfermagem. V.11, N.2, P.318–24. 2007.

SOTO-AGUILERA, C. A.; ROBLES-RIVERA, K.; FAJARDO-ORTIZ, G. SOUZA, M L. T.; TÓFOLI, L F. Apoio matricial na Estratégia Saúde da Família: atenção e cuidados psicossociais em saúde mental. Pesquisas e Práticas Psicossociais, São João del-Rei, v. 7, n. 2, jul.-dez. 2012.

WALL, M. L.; PRADO, M. L. do; CARRARO, T. E. The experience of undergoing a Teaching Internship applying active methodologies. Acta Paulista de Enfermagem, v.21, n. 3, p. 515-519, 2008.

XAVIER, L. N., Oliveira, G. L., Gomes, A. de A., Machado, M. de F. A. S., Eloia, S. M.C. (2014). Analisando as Metodologias Ativas na Formação dos Profissionais de Saúde: Uma Revisão Integrativa. S A N A R E, Sobral, V.13, n.1, 76-83.

ZOBOLI, E L. C. P. Educação médica: negócio da universidade, não da indústria farmacêutica. Interface Comunic. Saúde Educ., v. 4, Ed. Especial, p. 906-908, 2008.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.29725

Refbacks

  • There are currently no refbacks.