Um Estudo Quantitativo Descritivo do Curso de Bacharelado em Engenharia de Alimentos: Permanência e Evasão / A quantitative descriptive study of the bachelor's degree in food engineering: permanence and evasion

Brenda Letícia de Sousa Pessoa, Gustavo de Almeida Santos, Adriana Crispim de Freitas

Abstract


Entre os anos de 2003 a 2011 houve um aumento de aproximadamente 111% no número de vagas ofertadas pelos cursos de graduação das Instituições Federais de Ensino Superior (IFES), acompanhado por uma expansão de 60% nas matrículas em cursos de graduação presenciais nas IFES. No entanto, a taxa de concluintes não acompanhou o crescente número de vagas ofertadas e matrículas efetivadas, tornando a evasão o principal objeto de estudo para explicar tal desconformidade. Diante do exposto, o objetivo desse estudo foi analisar as formas de entrada e saída de estudantes de um curso de Bacharelado em Engenharia de Alimentos de uma Instituição de Ensino Superior no estado do Maranhão. O estudo foi desenvolvido a partir da análise de dados de entrada e/ou saída de estudantes do curso de Bacharelado em Engenharia de Alimentos, dados coletados no Sistema Integrado de Gestão de Atividades Acadêmicas e referentes ao período de 2006 a 2018. Os resultados apontaram que alunos do sexo feminino são maioria no ingresso, e o grupo com menor evasão quando comparado com os homens. Dessa forma as mulheres apresentaram a maior taxa de conclusão do curso. De modo geral, apenas 12,57% dos alunos matriculados nesse período chegaram a concluir o curso. Entende-se que a evasão é um fenômeno preocupante e necessita da colaboração entre universidade e órgãos institucionais para contorná-la.


Keywords


Permanência. Evasão. Ensino Superior. Engenharia de Alimentos.

References


Almeida, J. A. S. et al. (2019). Gestão da vida acadêmica: uma proposta de intervenção para diminuir a evasão no ensino superior. RACE-Revista da Administração, 5, 289-313.

Araujo, S. A. L. et al. (2019). Efetividade da assistência estudantil para garantir a permanência discente no ensino superior público brasileiro. Avaliação (Campinas), 24 (3), 722-743.

Brasil (2017). Decreto n. 6.096, de 24 de abril de 2007. Institui o Programa de Apoio a Planos de Reestruturação e Expansão das Universidades Federais – Reuni. Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, Seção 1, p. 7, 25 de abril de 2007a.

Brasil (2020). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua trimestral. Recuperado em 06 maio de 2020, https://sidra.ibge.gov.br/tabela/6403.

Brasil (2019). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Agente IBGE Notícias. Pretos ou pardos estão mais escolarizados, mas desigualdade em relação aos brancos permanece. Recuperado em 06 de maio de 2020, https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/25989-pretos-ou-pardos-estao-mais-escolarizados-mas-desigualdade-em-relacao-aos-brancos-permanece.

Brasil (2012). Lei Nº 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Recuperado me 06 de maio de 2020, https://planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm.

Brasil (2012). Ministério da Educação. Análise sobre a expansão das Universidades Federais 2003 a 2012. Brasília, DF, 2012. Recuperado em 22 de maio de 2020, http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=12386-analise-expansao-universidade-federais-2003-2012-pdf&Itemid=30192.

Brasil (2018). Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP). Censo da Educação Superior 2017. Brasília, DF, set. 2018. Recuperado em 22 de maio de 2020, http://portal.mec.gov.br/docman/setembro-2018-pdf/97041-apresentac-a-o-censo-superior-u-ltimo/file.

Brasil (1996). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Superior. Associação Brasileira dos Reitores das Universidades Estaduais e Municipais. Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior. Comissão Especial de Estudos Sobre a Evasão nas Universidades Públicas Brasileiras. Brasília-DF, 1996. Recuperado em 24 de mio de 2020, http://www.andifes.org.br/wp-content/files_flutter/Diplomacao_Retencao_Evasao_Graduacao_em_IES_Publicas-1996.pdf.

Campos, L. C. et al., (2017). Cotas sociais, ações afirmativas e evasão na área de Negócios: análise empírica em uma universidade federal brasileira. Rev. contab. finanç., 28 (73), 27-42.

Cunha, U. F. C.; Miranda, C. M. M. & Rambo, M. K. D. (2020). Mulheres nas ciências exatas e tecnologias: um olhar para a Universidade Federal do Tocantins – UFT na perspectiva de gênero. Revista Humanidades e Inovação, 7 (2). 276-289.

Gomes, E. C., Soares, D. B., & Desidério, S. N. (2019). Evasão No Curso de Licenciatura em Física da Universidade Federal do Tocantins: diagnóstico e primeiros resultados de um projeto de intervenção. Revista Observatório, 5(5), 482-508.

Jucá, S. C. S. et al. (2019). Acesso, permanência e êxito no Ensino Superior: análise do desempenho acadêmico e da evasão de estudantes no IFCE. Revista Thema, 16(1), 115-128.

Lamers, J. M. S.; Santos, B. S. & Toassi, R. F. C. (2017). Retenção e evasão no ensino superior público: estudo de caso em um curso noturno de odontologia. Educação em Revista. 33.

Li, D. L. (2016). O novo Enem e a plataforma do Sisu: efeitos sobre a migração e evasão estudantil. Dissertação do Programa de Pós-graduação em Economia, Universidade de São Paulo.

Lima, F. S. & Zago, N. (2018). Desafios conceituais e tendências da evasão no ensino superior: a realidade de uma universidade comunitária. Revista Internacional de Educação Superior, 4 (2), 366–386.

MC Daniel, A. (2014). Women's Rising Share of Tertiary Enrollment: A Cross-National Analysis. FIRE: Forum for International Research in Education,1(2), 1-21.

Moura, M. Á. P.& Passos, G. O. (2019). A taxa de conclusão de curso da graduação nas universidades federais antes e depois do REUNI: as vicissitudes da implementação da política. Avaliação (Campinas), 24 (2), 513-525.

Neto, A. C. A. et al., (2018). Uma proposta de análise da evasão no ensino superior do IFBA. Ensino em Foco, 1 (1).

Paula, M. F. C. (2017). Políticas de democratização da educação superior brasileira: limites e desafios para a próxima década. Avaliação (Campinas), 22 (2), 301-315.

Souza, T. S. (2017). Estudo sobre a evasão em cursos de graduação presenciais na Universidade Federal de Goiás - UFG. 214 f. Dissertação Mestrado em Gestão Organizacional, Universidade Federal de Goiás, Catalão.

Silva Filho, R. L. L. (2017). A evasão no ensino superior brasileiro – novos dados. Instituto Lobo.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.29722

Refbacks

  • There are currently no refbacks.