A influência da propaganda de medicamentos na prática da automedicação: um problema de saúde pública/ The influence of drug advertising in the practice of self-medication: a public health problem

Isabella Silva Ferreira, Ciro José Sousa de Carvalho

Abstract


Introdução:Relatar um problema de saúde pública mundial e as seus principais motivos. Revisar outros referencias teóricos de como a propaganda de medicamentos por meio dos meios de comunicação influencia na pratica de automedicação. Revisão Bibliográfica: Foi realizada uma revisão bibliográfica sobre o tema A propaganda de medicamentos e como a prática da automedicação causa um problema de saúde pública, na qual foram feitas buscas em artigos científicos, utilizando as bases de dados Google Acadêmico, Scientific Eletronic Library Online (SciELO), revistas e jornais onlines, Biblioteca Virtual em Saúde do Ministério da Saúde, site do Ministério da Saúde, Conselho Federal de Farmácia. A automedicação pode ser compreendida como o ato de consumir medicamentos sem prescrição médica, no objetivo de tratar doenças auto diagnosticadas ou aliviar sintomas. Considerada como problema de saúde pública mundial, a automedicação está enraizada na população desde o tempo das sociedades primitivas. Discussão: A automedicação pode ser compreendida como o ato de consumir medicamentos sem prescrição médica, no objetivo de tratar doenças auto diagnosticadas ou aliviar sintomas. Considerada como problema de saúde pública mundial, a automedicação está enraizada na população desde o tempo das sociedades primitivas. Considerações finais: Acabar com a automedicação é impossível, todavia é possível diminuir e minimizar as consequências da automedicação.


Keywords


Medicamentos, Automedicação, Marketing, Farmácia.

References


ALEXANDRI AM, FOPPA AA, WELTER AC, CAMPOS CMT, CUNHA HP, SCHERER MLS, et al. Propaganda de medicamentos: um desafio para todas as profissões. Rev. Bras. Farm. 2011.92(2): 66 - 70.

ALVARO, NASCIMENTO. Propaganda de medicamentos: como conciliar uso racional e a permanente necessidade de expandir mercados? Venâncio/Fiocruz, v. 5, n. 2, p. 189-215, 2015. Disponível em: Acessado em 22 janeiro 2021.

ANVISA (Brasil). Resolução da Diretoria Colegiada (RDC) n° 102/2000. Dispõe sobre propagandas, mensagens publicitárias e promocionais e outras práticas cujo objeto seja a divulgação, promoção e/ou comercialização de medicamentos, de produção nacional ou importados, quaisquer que sejam suas formas e meios de veiculação incluindo as transmitidas no decorrer da programação normal das emissoras de rádio e televisão Disponível em: . Acessadoem 08 março de 2021.

ARRAIS P, Coelho HLL, Batista MCDS et al. Perfil da automedicação no Brasil. Rev. Saúde Pública. 2012. Disponível em: . Acessado em 22 de janeiro de 2021.

AQUINO, D. S. Por que o uso racional de medicamentos deve ser uma prioridade? Ciência & Saúde Coletiva, v.13, p.733–736, 2008. Disponível em: . Acessadoem 08 março de 2021.

BRASIL, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Vendendo Saúde: A história da Propaganda de Medicamentos no Brasil/ Eduardo Bueno. Brasília: ANVISA, 2008. Disponível em: . Acessadoem 13fevereiro de 2021.

.

BATISTA AM, CARVALHO MCRD. Avaliação da propaganda de medicamentos veiculada em emissoras de rádio. Ciênc. Saúde Coletiva 2013.18(2): 553 - 561. Disponível em: .Acessado em 08 março de 2021.

BRASIL. CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. Resolução nº. 586 de 29 de agosto DE 2013. Regulamenta a prescriçãofarmacêutica e dáoutrasprovidências. 1 – 12.

BRASIL. Ministério da Saúde. Fundação Oswaldo Cruz. Sistema Nacional de Informações Tóxico-Farmacológicas - SINITOX. Centro de Informação Científica e Tecnológicas. Casos, Óbitos e Letalidade de Intoxicação Humana por Região e Centro. 2007 – 2009.

CARVALHO, L. V. O Uso Inadequado de Drogas e Fármacos que Causam Dependência. 2012. Disponível em: . Acessado em 19 de fevereiro de 2021.

CONSELHO FEDERAL DE FARMÁCIA. Lei nº 6360, de 23 de setembro de 1976. Disponível em: . Acessadoem 24 de janeiro de 2021.

DOMINGUES, P. H. F. et al. Prevalence of self medication in the adult population of Brazil: a systematicreview. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v.49, n. 36, 2015. Disponível em: . Acessadoem 13 fevereiro de 2021.

FERNANDES WS, CEMBRANELLI JC. Automedicação e o uso irracional de medicamentos: o papel do profissional farmacêutico no combate a essas práticas. RevistaUnivap. 2015.21(37): 2237 - 1753.3

FILHO, A. I. L. et al. Prevalência e fatores associados à automedicação: resultados do projeto Bambuí. Revista de Saúde Pública, v. 36, n. 1, p. 55–62, 2015.

GALATO, D. et al. A dispensação de medicamentos: uma reflexão sobre o processo para prevenção, identificação e resolução de problemas relacionados a farmacoterapia. Rev. bras.ciênc. farm., São Paulo, v. 44, p. 465-475, jul./set. 2012.

LYRA JP DP, NEVES AS,CERQUEIRA KS, MARCELLINI PS, MARQUESTC, BARROS JAC. Influência da propaganda na utilização de medicamentos em um grupo de idosos atendidos em uma unidade básica de saúde em Aracaju (SE, Brasil). Ciênc. SaúdeColetiva. 2010.15(Supl. 3): 3497 - 3505.

NASCIMENTO, AC. Propaganda de medicamentos para grande público: parâmetros conceituais de uma prática produtora de risco. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 15(supl.3) p.3423-3431, 2010.

OLIVEIRA, ANDREZZA BEATRIZ et al. Obstáculos da atenção farmacêutica no Brasil. In: Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, vol. 41, n. 4, out./dez., 2012. p. 409-413.

OPAS/OMS. Segurança dos medicamentos: um guia para detectar e notificar reações adversas a medicamentos. Por que os profissionais de saúde precisam entrar em ação. Anvisa, p. 18, Brasília, 2005. Disponível em: . Acessadoem 28 de fevereiro de 2021.

PACHELLI, C. A. A propaganda de medicamentos e a prática de automedicação no Brasil. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, Mar/Abr. 2013. Disponivel em: . Acessadoem 28 fevereiro de 2021.

PEREIRA, J. R et al. Riscos da automedicação: tratando o problema com conhecimento. UNIVILLE - Universidade da Região de Joinville, 2012. Disponível em: . Acessadoem 19 fevereiro 2021.

POSSAMAI, F. P.; DACOREGGIO, M. S. A habilidade de comunicação com o paciente no processo de atenção farmacêutica. Trab. educ. saúde, Rio de Janeiro, v. 5, p. 473-490, 2011.

SILVA RCG, OLIVEIRA TM, CASIMIRO TS, VIREIRA KAM, TARDIVO MT, FARIA Jr M. et al. Automedicaçãoemacadêmicos de medicina. Revistas USP. 2012.45(1): 5 - 11.

SINITOX – Sistema Nacional de Informações Tóxico Farmacológicas. Casos registrados de intoxicação humana por agente tóxico e faixa etária. Brasil, 2012. Disponível em: . Acessadoem 05 de março de 2021.

SOUZA, L. A. F. et al. Prevalência e caracterização da prática de automedicação para alívio da dor entre estudantes universitários de enfermagem. Rev. Latino-am. Enfermagem, Ribeirão Preto, v. 19, n. 2, p. 245-251, abr. 2011.

TORRES LV. Influência da propaganda de medicamentos sobre o consumo em uma comunidade universitária de João Pessoa- PB. Monografia da biblioteca UFPB. 2016. 15-51.

VARALLO, F. R. Internações hospitalares por Reações Adversas a Medicamentos (RAM) em um hospital de ensino. 2010. Disponível em: .




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.29676

Refbacks

  • There are currently no refbacks.