Radar Da Inovação Como Vantagem Competitiva: Um Estudo De Caso / Innovation Radar as a Competitive Advantage: A Case Study

Guilherme Martinasso Lima, Sandro Braz Silva, Wendell Soares da Silva, Marcelo Rabelo Henrique

Abstract


Através de treze dimensões estudadas pelo Radar da Inovação, o objetivo deste estudo foi identificar pontos fortes e fragilidades que poderão ser trabalhados afim de promover uma atuação com maior vantagem competitiva em uma empresa prestadora de serviços de cabelereiros. De natureza quantitativa e qualitativa, contou com a aplicação de um questionário diagnóstico do Projeto Agentes Locais de Inovação do SEBRAE junto ao proprietário de uma empresa prestadora de serviços para extrair o grau de inovação e o Radar da inovação, respectivamente. Analisando cada uma das treze dimensões foi possível compreender melhor acerca da atividade inovadora, em que preze os resultados verifica-se um escore muito baixo devido a empresa contar com onze dimensões fragilizadas, classificando a mesma como inovadora ocasional. O presente estudo se aplica a pequenos empreendedores que atuam no ramo da prestação de serviço em salões de cabelereiros para utilizarem a ferramenta gerencial Radar da Inovação na gestão. O estudo apresenta um setor ainda pouco explorado sob a ótica da atividade inovadora e, assim como em outros estudos, foi possível apresentar o Radar da Inovação como uma ferramenta prática de gestão neste aspecto.


Keywords


Inovação, Atividade inovadora, Inovação nos negócios, Diagnóstico do grau de inovação, Radar da Inovação.

References


ABIHPEC – Associação Brasileira da Indústria de Higiene pessoal, Perfumaria e Cosméticos (2016). 3ª Ed. Caderno de Tendências. Disponível em: . Acesso em Abr/2020.

BACHMANN, D. L; DESTEFANI, J. H. Metodologia para estimar o grau das inovações nas MPE. Curitiba: SEBRAE, 2008

CHIBÁS, F.O; PANTALEÓN, E.M; ROCHA, T.A (2013). Gestão da inovação e da criatividade hoje: Apontes e reflexões. Disponível em: < http://www2.ifrn.edu.br/ojs/in dex.php/HOLOS/article/viewFile/1082/678> Acesso em Dez/2019

DÓRIAN, L. Bachmann; DESTEFANI, J. Heverley. Metodologia para estimar o grau de inovação nas MPE. Disponível em: Acesso em Dez/2019.

FECOMERCIOSP – Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo. Consumo com salões de Beleza - 2015. Disponível em Acesso em Mar/2020.

IBGE - Coordenação de Serviços e Comércio. As Micro e pequenas empresas comerciais e de serviços no Brasil 2001. Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

JOHNSON, R. B; ONWUEGBUZIE, A. J.; TURNER, L. A. Toward a definition of mixed method research. Journal of Mixed Methods Research, v.1, n.2, p. 112-133, 2007

JUNIOR, J. C. M; SOUZA, E. J; MOREIRA, L. M; SIMÃO, A. S; SILVA, A. C; LEITE, C. G. Controladoria Estratégica e Gestão de Fornecedores. Brazilian Journal os Development, v. 7, n. 4, ISSN: 2525-8761, Curitiba, 2021.

LAPA, A. Planejamento, comunicação e cidade: reflexões acerca da formação do cidadão. Rio de Janeiro: UFRJ/ Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano e Regional, 1998. (Dissertação de Mestrado em Planejamento Urbano e Regional).

NETO, A. T. S; TEIXEIRA. R. M. Mensuração do Grau de Inovação de Micro e Pequenas Empresas: Estudo em Empresas da Caceia Têxtil-Confecção em Sergipe, 2014. Publicado em: Encontro da ANPAD.

OCDE - Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Manual de OSLO: diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. Rio de Janeiro: FINEP, 2005

OLIVEIRA, S. L. de. Tratado de metodologia científica: projetos de pesquisas, TGI, TCC, monografias, dissertações e teses. 2. ed. São Paulo: Pioneira, 1999. 320 p.

PAREDES, B. J. Burgos; SANTANA, G. Alves; FELL, A. F. Albuquerque. Um estudo de aplicação do radar da inovação: O grau de inovação organizacional em uma empresa de pequeno porte do setor metal-mecânico. Disponível em: Acesso em Dez/2019.

PERCIVAL, D.; SHELTON, R. Unleashing the Power of Innovation. PricewaterhouseCoopers 2013. Disponível em: . Acesso: 13 Abr 2020.

POSSAS, S. Concorrência e Inovação. In: PELAEZ, V.M.; SZMRECSÁNYI, T. Economia da Inovação Tecnológica. São Paulo: Hucite. Capítulo 1, 2006.

SAWHNEY. M; WOLCOTT, R; ARRONIZ, I. The 12 different ways for companies to innovate. MIT Sloan Management Review, Cambridge, v47, n3, p.75-81, Spring 2006.

SCHUMPETER, J. The Theory of Economic Development. Harvard University Press, Cambridge Massachusetts, 1934.

SEBRAE. Estudo de Mercado (Comércio e Serviços): Salões de beleza e estética Ed. 2017. Disponível em: . Acesso em Mar/2019.

SEBRAE. Gestão da Inovação – Inovar para Competir. Manual do Participante. Programa SEBRAE Mais. Brasília, 2010.

SEBRAE. Inovação e Competitividade nas MPEs Brasileiras. Setembro, 2009

SEBRAE. Cadernos de Inovação em Pequenos Negócios: Orientadores ALI. 3ª Ed. 2015. Disponível em: . Acesso em Mar/2019.

SEBRAE. Perfil das Microempresas e empresas de pequeno porte. Ed. 2018. Disponível em: https://www.sebrae.com.br/Sebrae/Portal%20Sebrae/UFs/RO/Anexos/ Perfil%20das%20ME%20e%20EPP%20-%2004%202018.pdf. Acesso em: Abril/2019.

SILVEIRA, Alina Signori. Aplicação do Radar da Inovação em uma malharia circular: Estudo de caso. Disponível em: . Acesso em Dez/19.

SIMANTOB, M.; LIPPI, R. Guia Valor Econômico de Inovação nas Empresas. São Paulo: Ed. Globo, 2003.

SLACK, N. Administração da Produção. Editora: Atlas. Ed: 1. 1997.

TORCHIA, C. S; SILVA, D.E.P; BARI, V.A. Mensuração da Inovação Através do Radar Da Inovação em Empresas de Transporte Rodoviário de Cargas. In: Innovation to inpire and Implement. Aracaju, 2016.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005. 212 p




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.29605

Refbacks

  • There are currently no refbacks.