O papel do farmacêutico na gestão dos gases medicinais/ The role of the pharmacist in the management of medicinal gases

Márcia Moraes Paulino da Silva, Kezia Rayane Paulino da Silva, Annie Elisandra Mesquita de Oliveira, Marcos Valério Santos da Silva

Abstract


Introdução: Em se tratando de uma terapêutica medicamentosa os gases medicinais desde 2008, com a Resolução nº 470 do Conselho Federal de Farmácia e com as Resoluções da Diretoria Colegiada nº 69 e nº 70 da Anvisa, os gases medicinais são reconhecidos e regulados oficialmente como medicamentos e, portanto, são atribuições do profissional farmacêutico. Objetivo: Sintetizar as possíveis intervenções farmacêuticas na gestão dos gases medicinais de uso terapêutico para promoção de uma gestão eficiente e racional. Métodos: Revisão Integrativa. Resultados: a discussão em torno do tema exposto evidencia a pouca literatura disponível abordando o tema em questão, gestão farmacêutica de gases medicinais. Foram encontrados 20 estudos tratando da temática, porém apenas 4 (quatro) estudos puderam responder à questão norteadora desta pesquisa. Os estudos explorados, evidenciam a evolução da gestão em termos organizacionais e economia farmacêutica do medicamento em forma de gases, contudo, são escassos os estudos voltados para avaliar a eficácia destes gases medicinais no tratamento terapêutico dos pacientes. No campo da gestão da saúde, as organizações de saúde extremamente complexas, por sua estrutura e organização, operam em um ambiente de negócios em constante mudança, e tal situação implica e exige uma gestão complexa e exigente, como no caso da administração de gases medicinais na gestão farmacêutica das organizações. Conclusão: Há a necessidade de disponibilidade de conhecimento aos profissionais de farmácia sobre o manuseio e gerenciamento de gases medicinais, bem como a necessidade de domínio do concreto. As competências gerenciais foram reconhecidas na maioria dos artigos avaliados como as principais prioridades, exigindo melhorias e atualizações adicionais.


Keywords


abastecimento farmacêutico, uso terapêutico, gases medicinais, assistência farmacêutica.

References


CARVALHO, Clara Isabel Almeida Madeira Matos et al. Os Farmacêuticos nas Unidades de Cuidados Continuados Integrados. 2019. Tese de Doutorado. Universidade de Coimbra. Disponível em: https://eg.uc.pt/handle/10316/89881. Acesso em 12 jun. 2020.

PEDRO, Débora Sofia Monteiro da Costa. Serviços Farmacêuticos Hospitalares: O Papel do Farmacêutico. 2017. Tese de Doutorado. Universidade de Coimbra. Disponível em: https://estudogeral.sib.uc.pt/handle/10316/83786. Acesso em 12 jun. 2020.

SOUSA, Joana Gabriella Carneiro. Gases medicinais na terapêutica farmacológica. 2014. Tese de Doutorado. Disponível em: https://ubibliorum.ubi.pt/handle/10400.6/5019. Acesso em 12 jun. 2020.

SILVA, Clayton Duarte. Análise de fornecimento de ar medicinal por meio da destilação criogênica em uma instituição hospitalar. 2017. 63 f. Monografia (Graduação Eng. Mecânica) - Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2017. Disponível em: http://repositorio.ufc.br/handle/riufc/29275. Acesso em 12 jun. 2020.

SILVA, Carine Viana. Guia Prático de Prescrição Farmacêutica. Editora Appris, 2020. Disponível em: https://books.google.com.br/books?hl=pt-BR&lr=&id=ayfgDwAAQBAJ&oi=fnd&pg=PT6&dq=SILVA,+Carine+Viana.+Guia+Pr%C3%A1tico+de+Prescri%C3%A7%C3%A3o+Farmac%C3%AAutica.+Editora+Appris,+2020&ots=OZSJH4dD9E&sig=WPPZ3ZPIVF-keVnVIShdrcQb618. Acesso em 12 jun. 2020.

LAHOUD, Mateus Humber; CAMPOS, Ranieri. Aspectos teóricos relacionados à reologia farmacêutica. Visão Acadêmica, v. 11, n. 1, 2020. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/academica/article/view/21356. Acesso em 12 jun. 2020.

GALÁN, Patrícia Jamal. Estudo do Mercado Ibérico dos Laboratórios Consumidores de Gases Especiais. 2019. Tese de Doutorado. Disponível em: https://run.unl.pt/handle/10362/89138 Acesso em 12 jun. 2020.

DINIS, Elisa; CAPOULAS, Miriam; NEVES, Vasco. Manual de Gases Medicinais. Ordem dos Farmacêuticos–Conselho do Colégio de Especialidade de Farmácia Hospitalar, 2012. Disponível em: https://www.ordemfarmaceuticos.pt/fotos/publicacoes/manual_gases_15882259235941258aebe83.pdf Acesso em 12 jun. 2020.

BRASIL. Conselho Federal de Farmácia – CFF. Resolução CFF n° 470, de 2008. Disponível em: https://www.cff.org.br/pagina.php?id=256. Acesso em 12 jun. 2020.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Resolução RDC nº 69, de 2008. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2008/rdc0069_01_10_2008.html. Acesso em 12 jun. 2020.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Resolução RDC nº 70, de 2008. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33880/2568070/res0070_01_10_2008.pdf/d1d3f4ac-549b-4a42-956d-59a63dd4febc. Acesso em 12 jun. 2020.

BRASIL. Conselho Federal de Farmácia – CFF. Resolução CFF nº 454, de 2006. Disponível em: https://www.cff.org.br/pagina.php?id=256. Acesso em 12 jun. 2020.

SOUZA, Marcela Tavares de; SILVA, MICHELLY Dias da; CARVALHO, Rachel de. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein (São Paulo), v. 8, n. 1, p. 102-106, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/eins/v8n1/pt_1679-4508-eins-8-1-0102. Acesso em 12 jun. 2020.

BOTELHO, Louise Lira Roedel; DE ALMEIDA CUNHA, Cristiano Castro; MACEDO, Marcelo. O método da revisão integrativa nos estudos organizacionais. Gestão e sociedade, v. 5, n. 11, p. 121-136, 2011. Disponível em: http://www.gestaoesociedade.org/gestaoesociedade/article/view/1220. Acesso em 12 jun. 2020.

ERCOLE, Flávia Falci; MELO, Laís Samara de; ALCOFORADO, Carla Lúcia Goulart Constant. Revisão integrativa versus revisão sistemática. Revista Mineira de Enfermagem, v. 18, n. 1, p. 9-12, 2014. Disponível em: http://www.reme.org.br/artigo/detalhes/904. Acesso em 12 jun. 2020.

NILSSON, Catharina; ÅKERLINDH, Katrin; ERNBLAD, Anders. (2014). Regulations governing gas used in pharmaceutical production. 24. 88-98. Disponível em: http://www.gmp1st.com/index.php/ci_id/14608/la_id/2.htm. Acesso em 12 jun. 2020.

SONI, Navdha; MAHESHWARI, Dilip G. Overview of regulatory requirements for medical gases and pharmaceutical gases. Int J Research in Pharmacy and Pharmaceutical Sciences2017, v. 2, p. 61-64, 2017. Disponível em: http://www.pharmacyjournal.in/download/120/2-6-20-100.pdf. Acesso em 12 jun. 2020.

ZAPOL, Warren M.; BLOCH, Kenneth D. Treatment of thrombosis and vascular restenosis with inhaled nitric oxide. Disponível em: https://patentscope.wipo.int/search/en/detail.jsf?docId=WO1996025184. Acesso em 12 jun. 2020.

BACH, Fritz; OTTERBEIN, Leo. Uso farmacêutico de óxido nítrico, heme oxigenase-1 e produtos de degradação do heme. Pedido de Patente dos EUA n. 10 / 600,182, 8 de julho. 2004. Disponível em: https://patents.google.com/patent/US20040131703A1/en. Acesso em 12 jun. 2020.

OTTERBEIN, Leo E. et al. Métodos de tratamento de doenças vasculares. Patente dos EUA n. 7.364.757, 29 abr. 2008. Disponível em: https://patents.google.com/patent/US20080171021A1/en. Acesso em 12 jun. 2020.

MONTGOMERY, Frederick J.; BATHE, Ducan P. System e método de administração de um gás farmacêutico a um paciente. Patente dos EUA n. 8.720.440, 13 de maio de 2014. Disponível em: https://patents.google.com/patent/US8720440B2/en. Acesso em 12 jun. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.29531

Refbacks

  • There are currently no refbacks.