Influências do yoga na flexibilidade e equilíbrio de idosos / Influences of yoga on flexibility and balance in the elderly

Leonardo Monteiro Nesello, Lucas Tartarotti

Abstract


A prática do yoga possui um envolvimento contínuo e adequado com a atividade física e que, através de sua prática, é capaz de promover o bem-estar físico, psicológico e social do idoso, melhorando sua saúde e qualidade de vida. O presente estudo de caráter experimental teve como objetivo verificar os níveis de flexibilidade e equilíbrio em um grupo de idosos através da prática do yoga. A amostra foi composta por 26 idosos com faixa etária de 62 a 83 anos de idade, sendo oito do sexo masculino e 18 do sexo feminino, que praticavam yoga no mínimo duas vezes por semana. Tais idosos participam do projeto Maturidade Ativa, que ocorre no Centro Esportivo do SESI, onde são oferecidas atividades físicas do yoga. Os instrumentos utilizados para coleta de dados foi o Flexiteste (1952) e a Escala de Equilíbrio de Berg (1992). As atividades foram feitas no Centro Esportivo do SESI, localizado na de Caxias do Sul-RS, num período de 15 semanas. Através dos resultados identificamos aumento no score bruto de ambos os instrumentos, tanto para o sexo masculino, quanto para o sexo feminino. Desta forma, foi possível verificar que a prática do yoga promoveu uma melhora da flexibilidade e do equilíbrio para esse público de idosos. Concluiu-se, então, que o yoga pode ser considerado uma prática que promove a saúde para idosos.


Keywords


Yoga, Idosos, Flexibilidade, Equilíbrio.

References


ALVES, M. I., 1997. Evolução da Mortalidade da População Idosa no Município do Rio de Janeiro. Dissertação de Mestrado, Rio de Janeiro: Instituto de Medicina Social, Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

ARAUJO C. G. S. Medida e avaliação da flexibilidade: da teoria a prática. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro: UFRJ, 1987.

ARAÚJO C. G. S., HADDAD, P. C.. S. Efeitos do aquecimento muscular ativo sobre a flexibilidade. Comunidade Desportiva 1985,35: 12-1 7.

ARAÚJO C. G. S., PAVEL, R. C, GOMES P. C. Comparison of somatotype and speed in competitive swimming at different phases of training. In: TERALTDS J, BEDINGFIELD EW, eds. Swimming 11 1. Baltimore: Uiiiversity Park Press, 1979.

ARAÚJO CGS. Flexitest: an innovative flexibility assessment method. Champaign: Human Kinetics; 2003. 205 p.

ARAÚJO, C. G. S Comparação de três métodos de avaliação da mobilidade articular em indivíduos sadios. X Congresso Brasileiro de Medicina Desportiva. [Abstracts]. Rio de Janeiro: SMBD, 199 1. p. 12.

ARAÚJO, C. G. S. Flexiteste - uma nova versão dos mapas de avaliação. Kinesis 1986,2(2)- 23 1-57.

BAPTISTA, M.R. O Yoga Adaptado para a Terceira Idade. 2ed. Rio de Janeiro, Shape, cap. VIII, p.168-188, 2003.

BEIGHTON P, Solomon I, Soskolne CL. Articular mobility in an African population. Ann Rheum Dis. 1973; 32: 413-8.

BERG KO, Norman KE. Functional assessment of balance and gait. Clinics in Geriatricsmedicine. V. 12 (4), p. 705-723, 1996.

CUMMINGS, M. S., WILSON, V. E., BIRD, E. I. Flexibility developement in sprii-iters using EMG biofeedback and relaxiotion training. Biofdeeback and self regulation 1984; 9:395-405.

DANTAS, E.H. O Yoga no Controle do Stress. Fitness & Performance Journal, v.01/01, p. 12-19, 2002.

DANTAS, E.H.M. Flexibilidade, Alongamento e Flexionamento, 5 ed. Rio de Janeiro, Shape, 2005.

De VRIES, H. Evaluation of static stretching procedures for improvement of flexibility. Res Quart 1962; 33(2):235-239.

Feuerstein G. A tradição do Yoga: história, literatura, filosofia e prática. 5º Edição. São Paulo: Pensamento; 2006.

FLEGNER, Attila J. & DIAS, João Carlos. Pesquisa & metodologia. Manual completo de pesquisa e redação. Rio de Janeiro: Ministério do Exército. 1995.

FRIES, J. F., 1980. Aging, natural death and the compression of mortality. New England Journal of Medicine, 303:130-135.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2007.

GRIMBY, G. Use of a Kin-Com dynamometer to study the stretch-shortening cycle during plantar flexion. Eur. J. Appl. Physiol., v. 62, pp. 415-419, 1991.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Projeção da população do Brasil por sexo e idade para o período 1980-2050: revisão 2004. Rio de Janeiro: IBGE - Depis. Disponível em: . Acesso em: 18 fev. 2016.

JOHNSON BL, NELSON JK. Practical measurements for evaluation in physical education. Minnesota: Burgess Publishing Company, 1979.

MANID, M.J. & MICHEL, J.P. Atividade Física a Adultos com mais de 55 Anos. São Paulo, Manole, 2001.

MAZO, G. Z. Análise longitudinal da força de membros superiores de pessoas da terceira idade. Rev. Dig, E.F. de esportes. 2008; 13(125). Acesso em 06 de outubro de 2015.

Neri et al. (Eds.). Tratado de geriatria e gerontologia. V.2, p. 79-84, 2000.

PEREIRA, R. M., GONÇALVES, D. Experiências e relatos de idosos sobre a autopercepção. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 4, p. 35927-35944, 2021.

PINA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2006.

RAMOS, L. R., 1993. A explosão demográfica da terceira idade no Brasil: Uma questão de saúde pública. Gerontologia, 1:3-8.

REINKING, H., KOHL, M. Effects of various forms of relaxation training on physiological self report measures of relaxation. J Couns Clin Psychol 1978; 43: 595-600.

Rocha PECP. Medidas de avaliação em ciências do esporte. 4. ed. Rio de Janeiro: Sprint; 2000.

SADY, S. P., WORTMAN, M., BLANYE, D. Flexibility training: ballistic, static or PNF? Arch Phys Med Rehabil 1982; 63:261-263.

SILVESTRE, J.; KALACHE, A.; RAMOS, L. R. & VERAS, R. P., 1998. Population ageing in Brazil and the health care sector. Bold: Quarterly Journal of The International Institute of Ageing, 7:4-12.

Steven J. Fleck. Fundamentos do Treinamento de Força Muscular. 3º Edição Artmed 2006.

VERAS, R. P. Terceira Idade: Gestão Contemporânea em Saúde. Rio de Janeiro: Relume-Dumará. 2002.

Wells, Dillon B. Avaliação Física - José Fernandes Filho. p. 58, 1952.

WILSON. V.. B1RD.E. I. Effects of relaxation and/or biofeedback training upon hip flexion'in gymnastics. Biofeedback and self-regulation 198c 6:25-44.

WONG, L. L. R.; CARVALHO, J. A. O rápido processo de envelhecimento populacional do Brasil: sérios desafios para as políticas públicas. Rev. Bras. Estud. Popul., v.23, n.1, p. 5-26, 2006.

ZIMERMAN, GUITE. Velhice: Aspectos Biopsicossociais. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 2000.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.29469

Refbacks

  • There are currently no refbacks.