Enfermeiro na reabilitação visual: uma nova área de atuação / Nursing in visual rehabilitation: a new field of work

Tainara Sardeiro de Santana, Victor Augusto de Castro, Lorena Tassara Quirino Vieira, Kênia Alessandra de Araujo Celestino, Alessandra Thomé Rassi, Christina Souto Cavalcante Costa, Waldemar naves do amaral, Sara Oliveira Souza, Marcos Pereira Ávila

Abstract


Introdução: Pela visão pode-se conhecer e interagir com os objetos e as pessoas do ambiente e controlar tudo o que passa em volta. Se este canal de informação, fundamental para que se efetue o contato com o meio, estiver ausente ou prejudicado, a pessoa sofrerá restrições em sua vida social, em sua educação e na vida profissional. Objetivo: Descrever as funções do enfermeiro em reabilitação visual bem como seu papel na Sistematização da Assistência de Enfermagem (SAE), reconhecendo todo planejamento e execução de intervenções, a fim de promover melhorias na qualidade de vida. Método: Trata-se de um estudo de reflexão o qual se fundamentou em uma base teórica filosófica, sendo a deficiência visual e atuação do enfermeiro na reabilitação, habilitação e estimulação visual, além da percepção dos autores a respeito do assunto abordado.  Resultados: As causas de deficiência visual, tanto na população infantil quanto na população adulta são variáveis, de acordo com o desenvolvimento social e econômico de diferentes regiões mundiais. Entende-se por Serviço de Reabilitação Visual aquele que realiza diagnóstico terapêutico especializado, composto por equipe multiprofissional, para realizar estimulação, habilitação e reabilitação visual de pessoas com deficiência. Considerações Finais: A prática do profissional de enfermagem, por se tratar de um elemento essencial da equipe de saúde e primordial no cuidado ao usuário, deve promover uma assistência universal, equânime e integral aos indivíduos com deficiência visual baseada na humanização do cuidado, de modo holístico e acolhedor.


Keywords


Autocuidado, Pessoas com Deficiência Visual, Enfermagem.

References


Pagliuca LMF, Regis CG, França, ISX. Análise da comunicação entre cego e estudante de Enfermagem. Rev Bras Enferm. 2008; 61(3):296-301.

Malta J, Endriss D, Rached S, Moura T, Ventura L. Desempenho funcional de crianças com deficiência visual, atendidas no Departamento de Estimulação Visual da Fundação Altino Ventura. Arq Bras Oftalmol. 2006; 69(4):571-4.

Santos I, Sarat CNF. Modalidades de aplicação da teoria do autocuidado de Orem em comunicações científicas de enfermagem Brasileira. Rev Enferm UERJ. 2008; 16(3):313-8.

Caetano JA, Pagliuca LMF. Self-care and HIV/aids patients: nursing care systematization. Rev Latino-Am Enfermagem. 2006; 14(3):336-45.

Fricke TR, Tahhan N, Resnikoff S, Papas E, Burnett A, Ho SM, et al. Global Prevalence of Presbyopia and Vision Impairment from Uncorrected Presbyopia Systematic Review, Meta-analysis, and Modelling. Ophthalmology [Internet]. 2018 [cited 2019 Jan 17];125:1492–9.

Brasil. Lei nº13.146, de 6 de julho de 2015. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm

Brasil. Decreto n. 5296, de 2 de dez. de 2004. Normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida. Brasília, DF, dez 2014.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Censo 2010. Brasília; 2010 [citado 2021 abril 01]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br.

Rupert R A Bourne, Seth R Flaxman, Tasanee Braithwaite, Maria V Cicinelli, Aditi Das, Jost B Jonas, Jill Keeffe, John H Kempen, Janet Leasher, Hans Limburg, Kovin Naidoo, Konrad Pesudovs, Serge Resnikoff, Alex Silvester, Gretchen A Stevens, Nina Tahhan, Tien Y Wong, Hugh R Taylor, on behalf of the Vision Loss Expert Group. Magnitude, temporal trends, and projections of the global prevalence of blindness and distance and near vision impairment: a systematic review and meta-analysis. Lancet Glob Health 2017; 5: e888-97.

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM – DF. Parecer nº 04/2015 de 19 de outubro o qual versa sobre competência legal dos profissionais de enfermagem realizar exame em oftalmologia. Disponível em: http://www.coren-df.gov.br/site/parecer-tecnico-coren-df-042015/. Acesso em 01/04/2021.

Stevens G, White R, Flaxman SR, et al, for the Vision Loss Expert Group. Global prevalence of visual impairment and blindness: magnitude and temporal trends, 1990–2010. Ophthalmology 2013; 120: 2377–84.

Eckert KA, Carter MJ, Lansingh VC, et al. A simple method for estimating the economic cost of productivity loss due to blindness and moderate to severe visual impairment. Ophthalmic Epidemiol 2015; 22: 349–55.

Bourne R, Price H, Taylor H, et al, for the Global Burden of Disease Vision Loss Expert Group. New systematic review methodology for visual impairment and blindness for the 2010 Global Burden of Disease study. Ophthalmic Epidemiol 2013; 20: 33–39.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.29450

Refbacks

  • There are currently no refbacks.