Os desafios enfrentados pelas mulheres negras empreendedoras na cidade de Rio Grande-RS / The challenges faced by black women entrepreneurs in Rio Grande-RS

Simone Silva Porto Machado, Ketlle Duarte Paes

Abstract


Partindo de um contexto histórico, se pode observar que a luta das mulheres por igualdade de direitos com os homens ficou conhecido como feminismo. Esse movimento em seus primórdios não englobavam as mulheres negras que viram seus interesses serem levados em consideração somente quando o movimento feminista negro ganhou proeminência em meados do século XX. (PINTO, 2010). Outra pauta de luta das mulheres diz respeito a maior participação e mais direitos no mercado de trabalho, onde as mulheres buscam, entre outras coisas, equiparar seus salários aos dos homens. Em sua luta pela sobrevivência e em tempos de crise financeira, o empreendedorismo pode ser uma saída para o sustento de muitas famílias. A pesquisa visa contribuir para a compreensão dos desafios enfrentados pela mulher negra na economia de Rio Grande, bem como busca dar visibilidade a essa parcela da população historicamente excluída das políticas públicas. Nessa pesquisa, verificou-se que as mulheres aqui entrevistadas enfrentam diversas dificuldades para abris e manter seus negócios. Dificuldades tais como: falta de recursos financeiros para investir, ter que abrir mão de acompanhar o crescimento dos filhos em função do excesso de trabalho, sofrer preconceito dos clientes em função dos estereótipos a que estão sujeitas na sociedade, etc.

 


Keywords


Mulheres Negras, Empreendedorismo, Desafios Sociais e econômicos

References


ALBERTI, V.; PEREIRA, A. A. Movimento negro e "democracia social" no Brasil: entrevistas com lideranças do movimento negro. Rio de Janeiro : CPDOC, 2005. 15f.

ARMAN, Ana Paula. Empreendedorismo entre mulheres negras na cidade de São Paulo. Revista de Administração do Unisal, v. 5, n. 8, 2015.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BUTLER, Judith. Fundamentos contingentes: o feminismo e a questão do “pós-modernismo”. cadernos pagu, n. 11, p. 11-42, 2013.

BUTLER, Judith. Regulações de Gênero. Cadernos Pagu, n. 42, p. 249-274, 2014.

CASTRO, Carla Appollinario; NUNES, Tiago de García. Crítica à razão empreendedora; a função ideológica do empreendedorismo no capitalismo contemporâneo. Tese de doutorado do PPGSD, UFF, 2013.

CONCEIÇÃO, E. B. A negação da raça nos estudos organizacionais. EnANPAD, São Paulo, set. 2009.

COSTA, Joaze Bernardino. Life control, interseccionality and politics of empowerment: female domestic workers' political organizations in Brazil. Estudos Históricos (Rio de Janeiro), v. 26, n. 52, p. 471-489, 2013.

CERQUEIRA, P. R.; SOUZA, E. M. Laclau, sexualidades e os corpos: Análise das subjetivações ursinas. Psicologia e Sociedade, v. 27, n. 2, p. 267–279, 2015.

CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista estudos feministas, v. 10, n. 1, 2002.

DA COSTA, Alessandra Mello; BARROS, Denise Franca; CARVALHO, José Luis Felicio. A Dimensão Histórica dos Discursos acerca do Empreendedor e do Empreendedorismo/The Historical Dimension of the Discourses Concerning the Entrepreneur and Entrepreneurship. Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 2, p. 179, 2011.

DA SILVA, José Humberto et al. Juventude trabalhadora brasileira: percursos laborais, trabalhos precários e futuros (in) certos.Campinas.Unicamp.2012

DAVIS, Angela.1944. MULHERES, RAÇA E CLASSE/Angela Davis; tradução: Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016. 246 p.

DE ANDRADE FERNANDES, Danubia. O gênero negro: apontamentos sobre gênero sobre gênero, feminismo e, feminismo e negritude.

DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. (org) O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DOMINGUES, Petrônio. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos. Tempo, v. 12, n. 23, 2007.

DRUCK, Graça; OLIVEIRA, Luis Paulo. A condição “provisória permanente” dos trabalhadores informais: o caso dos trabalhadores de rua da cidade de Salvador. Revista VeraCidade. Salvador. Ano, 2008.

DUARTE, Filipe Vincensi. Gestão de si e empreendedorismo: o microempreendedor individual e as novas formas de inserção no mercado de trabalho. LUMEUFGRS. 2011.

FLICK, Owe. INTRODUÇÃO À PESQUISA QUALITATIVA. 3ª ed. Porto Alegre: Bookman,2009. 404 pág..

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo social v. 26, n. 1, p. 61-73, 2014.

HIRISH, Robert D.; PETERS,Michael P. Empreendedorismo. 5ª ed. Porto Alegre: Bookman.594 pg.

IBGE- Instituto Brasileiro de Geografía e Estadística. Disponível em: . Acesso em: 27 de Junho de 2017.

Instituto Adolfh Bauer-IAB. Disponível em:< http://www.institutoiab.org.br/projeto-brasil-afroempreendedor/>. Acesso em: 21 de Junho de 2017.

Jucisrs- Junta Comercial , Industrial e Serviços do Rio Grande do Sul. Disponível em: .Acesso em 27 de junho de 2017.

LAKATOS, E. M.; MARCONI, M. A. Técnicas de Pesquisa: Planejamento e execução de pesquisas, Amostragens e técnicas de pesquisa, Elaboração, analise e interpretação de dados. 7ª ed. São Paulo: Editora Atlas, 2015. 277 p.

LOURO, Guacira L. Gênero, sexualidade e educação: Uma perspectiva pós estruturalista. 1 ed. Petrópolis :Editora Vozes, 1997. 179 p.

MACHADO, S.S.P. Os desafios sociais das mulheres negras empreendedoras na cidade de Rio Grande/Los desafíos sociales de las mujeres negras emprendedoras en la ciudad de Rio Grande. III Encontro Humanístico Multidisciplinar e II Congresso Latino-Americano de Estudos Humanísticos Multidisciplinares.2017. Jaguarão-RS. Anais.

MARTES, Ana Cristina Braga. Weber e Schumpeter: a ação econômica do empreendedor. Revista de Economia Política, v. 30, n. 2, p. 254-270, 2010.

NUNES, Charaó. DESCONTRUINDO A MÃE PRETA: AMAMENTAÇÃO E OS CUIDADOS DAS MULHERES NEGRAS.

NUNES, Antonio De Assis Cruz et al. O mito da democracia racial no contexto do sistema de cotas para estudantes negros: tudo continua como dantes no quartel de abrantes. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 4, p. 33842-33858, 2021.

OLIVEIRA, Josiane Silva; PEREIRA, Jaiane Aparecida; DE SOUZA, Márcia Cristina David. Empreendedorismo, cultura e diversidade: a participação dos empreendedores negros nas atividades empreendedoras no Brasil no período de 1990 a 2008. Contextus-Revista Contemporânea de Economia e Gestão (B1), v. 11, n. 2, p. 7-30, 2014.

OLIVEIRA, Luiz Paulo Jesus de. A condição “provisória-permanente” dos trabalhadores informais: o caso dos trabalhadores de rua na cidade de Salvador. Salvador: Dissertação de Mestrado em Sociologia, FFCH/UFBA, 2005.

PINTO, Céli Regina Jardim. Feminismo, história e poder. Rev. Sociol. Polit., Curitiba , v. 18, n. 36, p. 15-23, June 2010 .

RIBEIRO, Matilde. MULHERES NEGRAS: UMA TRAJETÓRIA DE CRIATIVIDADE, DETERMINAÇÃO E ORGANIZAÇÃO. Estudos Feministas, v. 16, n. 3, p. 987, 2008.

ROSA, Graziele dos Santos da. Movimento negro no Brasil nas décadas de 1980-1990: rompendo correntes e conquistando direitos. 2012.

SIEDE, Mario Ale. O trabalho informal: o estudo dos camelôs de Porto Alegre. 1994.(Dissertação).LUMEUFRGS.

SPINDOLA, T.; Santos, R.S. SPINDOLA, T.; Santos, R.S. Trabalhando com história de vida: percalços de uma pesquisa (dora?). Revista de Enfermagem USP. v. 37, n. 2, p. 119-126, 2003. VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em administração. 2.ed., São Paulo, Editora Atlas, 2006.

TEIXEIRA, J. C. et al. Práticas de segregação e resistência nas organizações: uma análise discursiva sobre os “rolezinhos” na cidade de Belo Horizonte (MG). RAM, Revista de Administração Mackenzie, v. 17, n. 1, p. 55–81, 2016.

TEIXEIRA, J. C.; SARAIVA, L. A. S.; CARRIERI, A. DE P. Os Lugares das Empregadas Domésticas. Organizações & Sociedade, v. 22, n. 72, p. 161–178, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.29437

Refbacks

  • There are currently no refbacks.