A educação universitária e o sofrimento psíquico de acadêmicos / University education and the psychic suffering of academics

Débora Maria Biesek, Giseli Monteiro Gagliotto

Abstract


Frustração, angústia, confusão, medo e culpa são alguns sentimentos vivenciados por acadêmicos do ensino superior causando-lhes sofrimento psíquico. Há contradição do discurso da educação com as ações educativas. O discurso aponta que a função da educação é a emancipação dos sujeitos, mas o que verificamos, nos atendimentos psicológicos aos acadêmicos é uma educação que aliena e que proporciona dificuldades psíquicas e sociais, ou seja, sofrimento psíquico. Para este trabalho, foram utilizados dados da revisão bibliográfica, obras psicanalíticas e consulta aos prontuários dos acadêmicos que, através de um projeto de extensão, receberam atendimento psicológico, em uma universidade pública paranaense. A angústia é considerada um afeto, bastante desagradável, desprazeroso, interligada à inibição; é a materialização do sofrimento psíquico no corpo. A inibição é uma limitação funcional do Eu, que renuncia e evita novas repressões e conflitos com as outras duas instâncias psíquicas: o Id e o Super-eu. Muitos acadêmicos atendidos, através da nossa escuta, sentiam-se pressionados, a darem tudo de si, por estarem ocupando uma vaga, em uma universidade pública. Alguns deles relataram que estavam num curso de graduação incompatível com o seu próprio desejo; o que contribuía para aumentar o seu sofrimento. Os sintomas eram manifestados, a partir de ideação suicida, transtornos de ansiedade, problemas para adaptarem-se aos estudos no ensino superior e a dificuldade em residir longe da família. Situações muito angustiantes, que prejudicam as funções do Eu, e consequentemente, o desempenho acadêmico desses sujeitos. Verificamos a necessária alteração da rotina e/ou de outros meios para evitar a monotonia e a metodologia repetitiva do ensino. Salientamos que a empatia dos professores para com os acadêmicos é mister. O compartilhamento de responsabilidades também são elementos que auxiliam na diminuição do sofrimento psíquico dos acadêmicos. Muitas vezes, os alunos que apresentam resultados insuficientes nas avaliações e que comportam-se, de forma inibida e distante, apresentam tais sintomas por estarem passando por um período de grande sofrimento. A universidade pública, em sua gestão administrativa, precisa implantar programas de suporte psicológico e/ou multiprofissional para atendimento aos acadêmicos e incentivar o uso das artes e produções culturais integradas ao ensino. E se levarmos em consideração a ideologia política a que estamos submetidos, a tendência é que se não houver um espaço de acolhimento e de serviço em saúde mental para os estudantes, a subjetividade estará cada vez mais em risco de continuar adoecendo.


Keywords


Educação, Psicanálise, Sofrimento Psíquico, Acadêmicos.

References


ACCORSI, M; P. Atenção Psicossocial no Ambiente Universitário: Um estudo sobre a realidade dos estudantes de graduação da Universidade Federal de Santa Catarina. 2015. Dissertação (Mestrado em Saúde Mental e Atenção Psicossocial) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2015.

BASAGLIA, F. A Instituição negada: relato de um hospital psiquiátrico. Rio de Janeiro: Edições Graal LTDA, 1985.

BISPO, A. C. K. A. HELAL, D. H. A dialética do prazer e sofrimento de acadêmicos: um estudo com mestrandos em administração. Rev. Faces, p.120-136, Belo Horizonte, 2013.

BUENO, S. Minidicionário da Língua Portuguesa. São Paulo: FTD, 2001.

DAMETTO, J. Globalização e subjetividade: apontamento sobre os modos de subjetivação na atualidade e suas implicações educacionais. Rev. Espaço acadêmico, p. 104-112, 2011.

DICIONÁRIO ONLINE DE PORTUGUÊS. Alienismo. Disponível em: https://www.dicio.com.br/alienismo/#:~:text=substantivo%20masculino%20Dist%C3%BArbio%20mental%20caracterizado,(origem%20da%20palavra%20alienismo). Acesso em: 14 abril 2021.

DUNKER, C. I. L. Formas de apresentação do sofrimento psíquico: alguns tipos clínicos no Brasil contemporâneo. Rev. Mal-Estar e Subjetividade. Fortaleza, 2004, p. 94-111.

DUNKER, C, I, L. Mal-estar, sofrimento e sintoma: uma psicopatologia do Brasil entre muros. 1 ed. São Paulo: Boitempo, 2015.

FELTES, D. L. HOCH, V. A. Saúde, p. Mental: (re) conhecendo a pessoa em sofrimento psíquico em suas potencialidades. Trabalho de conclusão de Pós-graduação (Graduação em Saúde Mental e Coletiva) – Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC), Santa Catarina, [entre 2008 e 2018].

FERREIRA, A. V. S. BORGES, L. M. WILLECKE, T. G. Internacionalização do ensino superior e os impactos da imigração na saúde mental de estudantes internacionais. Rev. Avaliação, p. 594-614, São Paulo, 2019,

FREUD, S. O mal-estar na civilização, novas conferências introdutórias à psicanálise e outros textos (1930-1936). São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

______. Inibição, sintoma e angústia, o futuro de uma ilusão e outros textos (1926-1929). São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

GIGLIO, J; S. Bem estar emocional em estudantes universitários. 1976. Tese (Doutorado em Ciências Médicas) - Faculdade de Ciências Médicas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1976.

GOMES, C. CAMONIAN, J. O. ARAÚJO, C. L. Sofrimento Psíquico na Universidade: uma análise dos sentidos configurados por acadêmicos. Rev. Psicologia, Diversidade e Saúde. Salvador, 2018, p. 255-266.

GRANER, K. M. CERQUEIRA, A. T. A. R. Revisão integrativa: sofrimento psíquico em estudantes universitários e fatores associados. Rev. Ciência & Saúde Coletiva. São Paulo, 2019, p. 1327-1346.

LEITE, S. Angústia. Rio de Janeiro: Zahar, 2011.

LUFT, C, P. Minidicionário Luft. São Paulo: Ática, 2000.

NETO, A. F. P. Foucault, Derrida e a História da Loucura: notas sobre uma polêmica. Rev. Caderno de Saúde Pública. Rio de Janeiro, 1998, p. 637-641.

OLIVEIRA, M. M. Como Fazer Pesquisa Qualitativa. 7 ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2016.

PISETTA, M. A. M. BESSET, V. L. Alienação e separação: elementos para discussão de um caso clínico. Rev. Psicologia em estudo, p. 317-324, Maringá, 2011.

RIBEIRO, A. G. CRUZ, L. P. MARCHI, K. C. TIRAPELLI, C. R. MIASSO, A. I. Antidepressivos: uso, adesão e conhecimento entre estudantes de medicina. Rev. Ciências e saúde coletiva, p. 1825-1833, São Paulo, 2013.

ROCHA, F. H. ATEM, E. Jovens e formação técnica no IF-CE: dilemas contemporâneos no processo de escolha profissional. Rev. ETD-Educação temática digital, p. 64-82, Campinas, 2010.

SILVA, M. A. M. TAVARES, R. ARAÚJO, M. G. RIBEIRO, M. M. F. Percepção dos professores de medicina de uma Escola Pública Brasileira em relação ao sofrimento psíquico de seus alunos. Rev. Brasileira de Educação Médica, p. 432-441, Minas Gerais, 2017.

SILVEIRA, R. P. STELET, B. P. PINHEIRO, R. Crise na educação médica? Um ensaio sobre o referencial arendtiano. Rev. Interface, p. 115-126, Rio de Janeiro, 2014.

TEIXEIRA, M.O.L. RAMOS, F,A,C. As origens do alienismo no Brasil: dois artigos pioneiros sobre o Hospício Pedro II. Rev. Latinoamericana Psicopat. Fund., p.364-381. São Paulo, 2012.

YASUI, S. Rupturas e encontros: desafios da Reforma Psiquiátrica Brasileira. 2006. Tese (Doutorado em Ciências na área de saúde) – Escoça Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, 2006.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.29431

Refbacks

  • There are currently no refbacks.