Qualificação profissional e mercado de trabalho em Santa Catarina/ Professional qualification and labor market in Santa Catarina

Patricia Bonini, Carolina Custódio, Abner Silvestre

Abstract


Este trabalho busca apresentar o projeto de extensão Qualificação Profissional e Mercado de Trabalho em Santa Catarina, da Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). O objetivo é a produção e divulgação de um material informativo sobre as carreiras universitárias e formas de atuação no mercado de trabalho associadas às respectivas carreiras, no estado. O público-alvo são estudantes de ensino médio no estado com o objetivo de dar suporte a esses estudantes ao processo de tomada de decisão sobre seu futuro profissional e destacar as carreiras ligadas à aplicação direta de ciência e tecnologia. A metodologia consistiu em levantar e organizar dados sobre ensino universitário e mercado de trabalho, de maneira compreensível e atraente ao público-alvo. Utilizou-se dados primários da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI) e UDESC, e secundários do censo universitário Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), todos de 2015, para quantificar e qualificar os cursos de graduação. Para a força de trabalho, foram acessados os microdados da Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), disponibilizados pelo Ministério da Economia (ME). Para fazer a correspondência com o grupo laboral denominado STEM – Science, Technology, Engineering and Mathmatics – consultou-se a Classificação Brasileira de Ocupações (CBO), onde foram identificados 164 códigos de suporte profissional e técnico nos campos de ciências da computação, matemática, engenharias, ciências físicas e da terra. Os resultados indicam que a força de trabalho desse setor consiste em cerca de 0,8% do total em Santa Catarina, embora a população universitária nessas carreiras seja bem maior. Isso pode ocorrer porque muitos egressos dessas carreiras universitárias devem trabalhar em atividades de ensino e saúde. A média salarial das ocupações destacadas como STEM é maior do que das demais e a desvantagem salarial feminina é menor dentre essas ocupações, embora as mulheres apresentem reduzida participação nesse setor do mercado de trabalho, assim como na população universitária dessas carreiras.

 


Keywords


ensino médio, ensino superior, salários, ciência e tecnologia.

References


BEEDE, D. et al. Women in STEM: a Gender Gap to Innovation. Executive Summary. US Department of Commerce, Economics and Statistics Administration (ESA), Issue Brief, Agosto de 2011.

BONINI, P.; CUSTODIO, C.; SILVA, F. Quanto temos de trabalho STEM em Santa

Catarina? In: XIII Encontro de Economia Catarinense. Criciúma, Brasil: [s.n.], 2019. p.

–365

CBO. Classificação Brasileira de Ocupações. Ministério da Economia. Disponível em:

FEGGAZETTE, Regional Business & Economics Newspaper Getting to the Root of STEM. The Federal Reserve Bank of Mineapolis. Abril de 2014.

INEP. Censo da Educação Superior. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. 2015. Disponível em:

LANGDON, D.et al. STEM: Good Jobs Now and for the Future. US Department of Commerce, Economics and Statistics Administration (ESA), Issue Brief, Julho 2011.

OECD. Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Education at a Glance 2019. [S.l.]: OECD Indicators Paris, Organisation foR Economic Co-operation and Development, 2019.

RAIS. Relação Anual de Informação Social. Ministério da Economia. Disponível em .

ROTHWELL, J. The hidden STEM economy. Metropolitan Policy Program at

Brookings, 2013.

SEEMANN, M. W. e BONINI, P. Trabalho STEM no Brasil de acordo com a CBO. 27º. Seminário de Iniciação Científica da UDESC, September, 2017. Anais eletrônicos. Retrieved from: https://www.udesc.br/arquivos/udesc/id_cpmenu/6217/TRABALHO_-STEM_NO_BRASIL_DE_ACORDO_COM_A_CBO_15033981416899_6217.pdf




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.29394

Refbacks

  • There are currently no refbacks.