Avaliação do trabalho em centros cirúrgicos e intervencionistas acerca de proteção radiológica: uma revisão integrativa da literatura/ Evaluation of the work in surgical and interventional centers regarding radiological protection: an integrative literature review

Lucas Costa de Gois, Jâmeson Ferreira da Silva

Abstract


INTRODUÇÃO: Diversas unidades hospitalares, mas em especial os Centros Cirúrgicos (CC) e Centros Intervencionistas (CI), convivem com equipamentos que emitem radiação e expõem as equipes médicas, de Enfermagem e os técnicos/tecnólogos em radiologia aos riscos a ela associados. Em unidades de CC e CI, os equipamentos que utilizam esta radiação nociva à saúde são os arcos cirúrgicos e os equipamentos de raios-x móveis, necessários às intervenções ortopédicas, às cirurgias vasculares e cardíacas e às neurocirurgias. Por uma alta demanda nos CC e CI da utilização de raios-x as taxas de exposição à radiação ionizante no qual os profissionais da saúde que trabalham nos processos realizados nos centros, podem ser consideradas elevadas em alguns pontos quando associadas com o valor de limite máximo permissível por ano. OBJETIVO: Avaliar os aspectos do trabalho dos profissionais dos CC e CI acerca de proteção radiológica, bem como verificar os métodos de radioproteção que devem ser adotados durante a obtenção das radiografias, desde do uso de equipamentos de proteção individual, até as práticas utilizadas para a autoproteção pré-estabelecidas pelos profissionais. METODO: O desenho do estudo trata-se de uma revisão da literatura com coleta de dados realizada a partir de fontes secundárias, por meio de levantamento bibliográfico. Sendo este estudo uma revisão de literatura integrativa, que através das bases de dados foram pesquisados artigos, publicados, referentes aos aspectos do trabalho dos profissionais dos CC e CI acerca de proteção radiológica. RESULTADOS: As exposições a radiação durante os procedimentos nos CC e CI é significativamente maior para os cirurgiões primários e assistentes do que para a equipe de apoio, incluindo os instrumentadores e o operador do equipamento. Desse modo, vale salientar que é possível reduzir de forma significativa a dose dos cirurgiões nos casos em que eles forem capazes de se afastar 1,8 metros de distância da fonte geradora dos raios-x durante 50% das execuções das tomadas radiográficas. CONCLUSÃO: Os principais meios utilizados pelos profissionais com a finalidade de proteção contra os raios x, foram, em primeiro lugar: aventais de chumbo, em todas os estudos averiguados nessa pesquisa tiveram os aventais de chumbo presentes durante os procedimentos. Em segundo lugar: protetor de tireoide, grande parte dos procedimentos tiveram seu uso, mas um número significativo de pessoas foi visto sem utilizar o mesmo. Em terceiro lugar: Óculos plumbífero, sendo este o acessório de proteção mais desprezado, pois foi observado em diversas pesquisas a sua inutilização durante as intervenções.


Keywords


Exposição Ocupacional, Proteção Radiológica, Hospital do Centro de Cirurgia.

References


AZEVEDO, A. C. P. Radioproteção em serviços de saúde. Fiocruz, Rio de janeiro, 2013. Disponível em: http://www.fiocruz.br/biossegurancahospitalar/dados/material10.pdf. Acesso em: 10 Nov. 2020.

ALVES, W. A. et al. Proteção radiológica: conhecimento e métodos dos cirurgiões-dentistas. Arquivos em Odontologia, Belo horizonte, v. 52, n. 3, p. 130-135, jul./set. 2016.

BRANCO, I. S. L. Avaliação da taxa de exposição em exames radiológicos realizados em procedimentos cirúrgicos: Minimização dos riscos em indivíduos ocupacionalmente expostos. Unesp: Botucatu, 2013.

FLÔR, R. C.; GELBCKE F. L. Tecnologias emissoras de radiação ionizante e a necessidade de educação permanente para uma práxis segura da enfermagem radiológica. Rev Bras Enferm, Brasília, v. 62, n. 5, p. 766-70, set./out. 2009.

SILVA, L. P. et al. Estudo exploratório de conhecimento dos circulantes de sala de operação sobre radioproteção em centro cirúrgico: subsídio para elaboração de recomendações práticas. Radiol Bras, São Paulo, v. 41, n. 5, p. 319-323, set./out. 2008.

Brasil. Ministério da Saúde. Resolução RDC nº 330. Brasília, 2019.

MEDEIROS, R. F. et al. Exposição à radiação na sala de hemodinâmica. Rev Bras Cardiol Invasiva, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 316-20, 2010.

LESYUK, O. et al. Estudo da radiação espalhada em fluoroscopia durante procedimentos cirúrgicos no quadril. Radiol Bras, São Paulo, v. 49, n. 4, p. 234/240, jul./ago. 2016.

EUFRÁSIO, S. et al. Risco da exposição à radiação ionizante durante procedimentos endovasculares. Angiol Cir Vasc, Lisboa, v. 9, n. 3, p. 84-89, abr./jul. 2013.

VALONE, L. C. et al. Breast radiation exposure in female orthopaedic surgeons. J Bone Joint Surg Am, Massachusetts, v. 98, n. 21, p. 1808-13, 2016.

SANTOS, J. S. et al. Radiation doses to staff in a hybrid operating room: An anthropomorphic phantom study with active electronic dosimeters. Eur J Vasc Endovasc Surg, Londres, v. 59, p. 654-660, 2020.

SAILER, A. M. et al. Real-time patient and staff radiation dose monitoring in IR practice. Cardiovasc Intervent Radiol, Heidelberg, v. 40, p. 421-429, 2017.

SAILER, A. M. et al. Personalized feedback on staff dose in fluoroscopy-guided interventions: A new era in radiation dose monitoring. Cardiovasc Intervent Radiol, Heidelberg, v. 40, n. 11, p. 1756-1762, 2017.

BORDOLI, S. J. et al. Radiation safety education in vascular surgery training. J Vasc Surg, Rosemont, v. 59, n. 3, p. 860-864, 2014.

KENDRICK, D. E. et al. Comparative occupational radiation exposure between fixed and mobile imaging systems. J Vasc Surg, Rosemont, v. 63, n. 1, p. 190-7, 2016.

MAGHSOUDI, B. et al. Evaluation of radiation exposure pattern and radiation absorbed dose resulting from occupational exposure of anesthesiologists to ionizing radiation. J Biomed Phys Eng, Shiraz, v. 7, n. 3, p. 271-278, 2017.

MADDER, R. D. et al. Radiation exposure among scrub technologists and nurse circulators during cardiac catheterization. Cardiovascular Interventions, Waltham, v. 11, n. 2, 206-12, 2018.

MOHAPATRA, A. B. A. et al. Radiation exposure to operating room personnel and patients during endovascular procedures. J Vasc Surg, Rosemont, v. 58, n. 3, p. 702-709, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.29385

Refbacks

  • There are currently no refbacks.