Aplicação da radiografia e ressonância magnética em cardiomiopatia e megaesôfago na doença de chagas crônica: uma revisão voltada ao Brasil / Application of radiography and magnetic resonance in cardiomyopathy and megaesophagus in chronic chagas disease: a review on Brazil

Jacqueline Prado Silva, Francielly Nunes do Amaral, Allana da Silva Macedo, Ruth Cardoso Mendes Carolina, Samara Rodrigues Campos, Karine Rezende de Oliveira, Sibeli Bonafé Santos Cembranelli, Sandra Maria Alkmim Oliveira, Poliana Lucena Nunes

Abstract


A Doença de Chagas (DC) é endêmica nas Américas Central e do Sul atingindo 12 milhões de pessoas em todo o mundo. No Brasil são estimados entre 1,9 a 4,6 milhões de casos com cerca de 12 mil óbitos por ano. O objetivo deste estudo foi definir as principais alterações morfológicas do megaesôfago e cardiomiopatia chagásica em radiografia e ressonância magnética. Foi realizada uma revisão narrativa a partir de livros, anais, congressos e artigos científicos de livre acesso, publicados em língua portuguesa entre 2010 e 2020 no SciELO, LILACS e BIREME/OPAS/OMS. A busca se deu a partir dos descritores: doença de Chagas AND cardiomiopatia OR megaesôfago AND radiografia OR ressonância magnética. Foram avaliados 39 artigos. Sobre o megaesôfago, o esofagograma baritado permitiu classificar em quatro graus o acometimento desse órgão, permitindo delimitar o estadiamento da DC. A ressonância magnética permitiu diferenciar com excelente resolução a fibrose miocárdica focal, multifocal e difusa por Trypanosoma cruzi, e favoreceu o rastreamento precoce de lesão cardíaca na forma indeterminada. Concluiu-se que os exames de imagem constituem importantes ferramentas não invasivas e indolores no prognóstico da DC crônica sintomática e indeterminada.


Keywords


Cardiomiopatia Chagásica. Doenças Negligenciadas. Tripanossomíase Americana.

References


ABUD, T. G. et al. Alterações radiológicas encontradas no megaesôfago chagásico em radiografias simples de tórax e esofagogramas. Radiologia Brasileira, v. 49, n. 6, p. 358–362, 2016.

ALVES, D. F. et al. Métodos de diagnóstico para a doença de Chagas: uma atualização. Revista Brasileira de Análises Clínicas, v. 50, n. 4, p. 330–333, 2018.

ANDRADE, B. L. A. DE; ROCHA, D. G. Doenças negligenciadas e bioética: diálogo de um velho problema com uma nova área do conhecimento. Revista Bioética, v. 23, n. 1, p. 105–113, 2015.

ANDRADE, J. P. DE et al. I Diretriz Latino-Americana para o diagnóstico e tratamento da cardiopatia chagásica: resumo executivo. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 96, n. 6, p. 434–442, 2011.

BACAL, F. et al. 3a Diretriz Brasileira de Transplante Cardíaco. Arquivos brasileiros de cardiologia, v. 111, n. 2, p. 230–289, 2018.

BESTETTI, R. B.; RESTINI, C. B. A.; COUTO, L. B. Descobertas de Carlos Chagas como Pano de Fundo para a Construção Científica da Cardiopatia Chagásica Crônica. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 107, n. 1, p. 63–70, 2016.

CARVALHO, G. L. B. et al. Doença e Chagas: Sua transmissão através do consumo de açaí. Acta de Ciências e Saúde, v. 1, n. 1, p. 1–13, 2018.

CASTRO, C. et al. Estudo radiológico do megacólon em área endêmica de doença de Chagas. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 43, n. 5, p. 562–566, 2010.

DA SILVA JUNIOR, R. et al. Blastocrithidia triatomae, Trypanosoma cruzi e Trypanosoma rangeli: tripanosomatídeos de triatomíneos. Revista Ciência & Saberes-UniFacema, p. 965–969, 2018.

DE SOUSA LIMA, R. Doença de Chagas: uma atualização bibliográfica. RBAC, v. 51, n. 2, p. 103–106, 2019.

DIAS, J. C. P. et al. II Consenso Brasileiro em doença de Chagas, 2015. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 25, p. 7–86, 2016.

DIAS, J. C. P.; AMATO NETO, V. Prevenção referente às modalidades alternativas de transmissão do Trypanosoma cruzi no Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 44, p. 68–72, 2011.

DIAS, M. A. et al. Mediastinite pós-esofagectomia por megaesôfago chagásico: relato de caso/Post esophagectomy mediastinitis due to chagasic megaesophagus: a case report. Arquivos Médicos dos Hospitais e da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, v. 58, n. 1, p. 42–45, 2018.

FERREIRA, A. M. et al. Avaliação do conhecimento acerca do manejo clínico de portadores da doença de Chagas em região endêmica no Brasil. Revista de APS, v. 21, n. 3, 2018.

GARCIA, L. P.; DUARTE, E. A contribuição do Consenso brasileiro em doença de Chagas no contexto epidemiológico nacional. SciELO Public Health, , 2016.

GRALA, A. P. P. et al. NativeMedicinal plants from the pampa biome with potential anti-Trypanosoma cruzi. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 4, p. 35071-35082, 2021.

GULLO, C. E. et al. Formas digestivas da doença de Chagas e carcinogênese: um estudo de associação. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, v. 39, n. 2, p. 146–150, 2012.

LIMA, F. J. B. et al. CONTRIBUÇÃO DO SEGUNDO CONSENSO DE DOENÇA DE CHAGAS PARA O ENFRENTAMENTO DA DOENÇA. Mostra Interdisciplinar do curso de Enfermagem, v. 3, n. 1, 2019.

MARCHIORI, E. Doença de Chagas: uma infecção tropical de interesse para o radiologista. Radiologia Brasileira, v. 49, n. 6, p. V–VI, 2016.

MARQUES, J. et al. As manifestações de ECG do maior surto da doença de Chagas devido a infecção oral na América Latina. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 101, n. 3, p. 249–254, 2013.

MARTINS-MELO, F. R. et al. Prevalence of Chagas disease in Brazil: a systematic review and meta-analysis. Acta tropica, v. 130, p. 167–174, 2014.

OLIVEIRA, M. T. DE et al. Recomendações para análise multimodalidade de imagem cardíaca em pacientes con Doenla de Chagas: relatório da American Society of Echocardiography, com colaboração da Asociación de Ecocardiografía e Imagem Cardiovascular de la Sociedade Interamericana de ABC. Imagem cardiovasc, 2018.

ROCHA, A. F. N. L. et al. Doença de Chagas e a transmissão por alimentos contaminados. Revista Brasileira de Educação e Saúde, v. 10, n. 1, p. 130–135, 2020.

SALVADORI, K. S. et al. Hérnia diafragmática pós-esofagectomia em portador de megacólon e megaesôfago chagásico: relato de caso/Diaphragmatic hernia after esophagectomy in patient with chagasic megacolon and megaesophagus: case report. Arquivos Médicos dos Hospitais e da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, v. 57, n. 2, p. 85–87, 2018.

SANTOS, C. M. DOS; CASSIANI, R. DE A.; DANTAS, R. O. Avaliação clínica da deglutição na doença de Chagas. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, v. 16, n. 2, p. 215–220, 2011.

SARA, L. et al. II Diretriz de ressonância magnética e tomografia computadorizada cardiovascular da Sociedade Brasileira de Cardiologia e do Colégio Brasileiro de Radiologia. Arquivos brasileiros de cardiologia, v. 103, n. 6, p. 1–86, 2014.

SEDLACEK, E. C. et al. Alterações ao Doppler tecidual em pacientes com a forma aguda da doença de chagas. ABC., imagem cardiovasc, v. 29, n. 4, p. 112–117, 2016.

SILVA, C. DE M. et al. Cardiomiotomia com fundoplicatura videolaparoscópica no tratamento do megaesôfago não avançado. ABCD. Arquivos Brasileiros de Cirurgia Digestiva (São Paulo), v. 24, n. 3, p. 195–199, 2011.

SIMÕES, M. V. et al. Cardiomiopatia da doença de Chagas. International Journal of Cardiovascular Sciences, v. 31, n. 2, p. 173–189, 2018.

TAKAMIYA, N. T. et al. Investigação da doença de Chagas em um mesmo núcleo familiar: estudo de caso. J Bras Patol Med Lab, v. 55, n. 6, p. 693–704, 2019.

UELLENDAHL, M. et al. Fibrose Miocárdica Definida por Ressonância Magnética Cardíaca em Doença de Chagas: Correlações Clínicas e Estratificação de Risco. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 107, n. 5, p. 460–466, 2016.

VITORINO, R. R.; NACIF, M. S. Ressonância magnética cardíaca na cardiomiopatia dilatada: atualidades. Rev Bras Clin Med. São Paulo, v. 9, n. 3, p. 225–233, 2011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv.v7i5.29268

Refbacks

  • There are currently no refbacks.