Índice de Sustentabilidade Empresarial da B3: uma análise da rentabilidade das empresas / B3 Business Sustainability Index: a companies’ profitability analysis

Valterlin da Silva Santos, Samara Nóbrega de Oliveira, Valdeir Gonçalves da Silva Filho, Cristiane Queiroz Reis

Abstract


Com as novas exigências da sociedade em relação à sustentabilidade e a responsabilidade social, as empresas têm buscado se adaptar a essa nova modalidade de mercado, visando tornarem-se mais competitivas e apresentarem um melhor desempenho financeiro. Assim, o objetivo desta pesquisa é analisar se ocorreram mudanças na rentabilidade das empresas pertencentes ao Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE) da B3 após o seu ingresso na carteira. Para tanto, foram analisados os indicadores de rentabilidade Retorno Sobre o Patrimônio Líquido (ROE), Retorno Sobre o Ativo (ROA) e Lucro Por Ações (LPA) através do teste de hipóteses não-paramétrico de Mann-Whitney, de uma amostra composta por 20 empresas que se mantiveram na carteira de maneira ininterrupta até o ano de 2018. Os resultados obtidos indicam que não é possível afirmar que a entrada das empresas no ISE irá acarretar aumento ou diminuição nos indicadores de rentabilidade, porém evidenciou-se uma melhor na variabilidade dos dados. Do mesmo modo, não é possível afirmar que haverá mudanças na rentabilidade das empresas após sua entrada no ISE. Constatou-se que a escolha do indicador de rentabilidade pode influenciar nos resultados em relação à mudança da rentabilidade da empresa após sua entrada na carteira ISE. Contanto deve-se analisar outros fatores, em conjunto com o ISE, que possam influenciar na rentabilidade das empresas.


Keywords


Responsabilidade Social. Stakeholders. Shareholders

References


Araújo, G. A., Cohen, M., & Silva, J. F. (2014). Avaliação do efeito das estratégias de gestão ambiental sobre o desempenho financeiro de empresas brasileiras. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 3(2), 16-38.

Brasil, Bolsa, Balcão. (2015). Metodologia do Índice De Sustentabilidade Empresarial (Ise). Recuperado em 26 abril, 2019, de http://www.b3.com.br/pt_br/market-data-e-indices/indices/indices-de-sustentabilidade/indice-de-sustentabilidade-empresarial-ise.htm

Barbieri, J. C., & Cajazeira, J. E. R. (2016). Responsabilidade social e empresarial e empresa sustentável: da teoria à prática. (3a Ed.). São Paulo: Editora Saraiva.

Banerjee, B. (2007). Corporate social responsibility: the good, the bad, and the ugly. Cheltenham: Edward Elgar Publishing Limited.

Boaventura, J. M. G., Cardoso, F. R., Silva, E. S., & Silva, R. S. (2009). Teoria dos Stakeholders e Teoria da Firma: um estudo sobre a hierarquização das funções-objetivo em empresas brasileiras. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 11(32), 289-307.

Borba, P. R. F. (2005). Relação entre desempenho social corporativo e desempenho financeiro de empresas no Brasil. Dissertação de mestrado em Administração, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Brealey, R. A., & Myers, S. C. (2000). Principles of corporate finance. (6th Ed.). Boston: The Irwin/McGraw-Hill.

Bruni, A. L. (2007). Estatística aplicada à gestão empresarial. São Paulo: Atlas.

Carvalho, M. F., Pimentel, M. S., & Bertino, R. M. J. (2018). Índice de Sustentabilidade Empresarial: uma análise acerca da evidenciação do passivo ambiental. Revista Ambiente Contábil, 10(1), 104-120.

Ceretta, P. S., Barba, F. G., Casarin, F., Kruel, M., & Milani, B. (2009). Desempenho financeiro e a questão dos investimentos sócio-ambientais. Revista de Gestão Social e Ambiental, 3(3), 72-84.

Domenico, D., Mazzioni, S., Gubiani, C. A., Kronbauer, N. B., & Vilani, L. (2015). Práticas de responsabilidade socioambiental nas empresas de capital aberto de Santa Catarina listadas na BM&FBOVESPA. Revista Catarinense da Ciência Contábil – CRCSC, 14(42), 70-84.

Forti, C. A. B., Peixoto, F. M., & Alves, D. L. E. (2015). Fatores determinantes do pagamento de dividendos no Brasil. Revista Contabilidade & Finanças, 26(68), 167-180.

Freeman, R. E. (1984). Strategic management: a stakeholder approach. Boston: Pitman.

Freeman, R. E., & Mcvea, J. (2001). A Stakeholder Approach to Strategic Management. Retrieved may 05, 2019, from https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=263511

Freund, J. E. (2007). Estatística aplicada: Economia, administração e contabilidade. (11a Ed.). São Paulo: Editora Bookman.

Friedman, M. (1962). Capitalism and freedom. (2nd Ed.). Chicago: University of Chicago Press.

Friedman, M. (1970). The Social Responsibility of Business is Increase Its Profits. New York Magazine, 33, 122-126.

Friedman, M. (2014). Capitalismo e Liberdade. (1a Ed.). Rio de Janeiro: LTC.

Gomes, F. P., & Tortato. U. (2011). Adoção de Práticas de Sustentabilidade como Vantagem Competitiva: Evidências Empíricas. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 5(2), 33-49.

Gomes, S. M. S., Sampaio, M. S., Azevedo, T. C., & Slomski, V. G. (2012). Proposta para o ensino da controladoria ambiental nos cursos de graduação de ciências contábeis nas IES brasileiras. Revista de Gestão Social e Ambiental, 6(1), 177-189.

Irigaray, H. A. R., Vergara, S. C., & Santos, M. C. F. (2013). Responsabilidade social corporativa: um duplo olhar sobre a Reduc. Revista de Administração Mackenzie, 14(6), 82-111.

Kruel, M. (2011). Reação do mercado ao ingresso (saída) do Índice de Sustentabilidade Empresarial (ISE): estudo de evento e análise da liquidez. Dissertação de mestrado em Administração, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil.

Lima, A. A. P., Mello, L. C. O., Pessoa, M. N. M., Cabral, A. C. A., Rebouças, S. M. D. P., & Santos, S. M. (2013, novembro). Investimentos Socioambientais e o Desempenho Econômico-Financeiro das Empresas: Estudo Empírico nas Companhias Abertas Listadas na BM&F Bovespa no Setor de Energia Elétrica. Apresentado no XX Congresso Brasileiro de Custos, Uberlândia, MG, Brasil.

Machado, M. A. V., Macedo, M. A. S., Machado, M. R., & Siqueira, J. R. M. (2012). Análise da relação entre investimentos socioambientais e a inclusão de empresas no índice de sustentabilidade empresarial (ISE) da BM&FBOVESPA. Revista de Ciências da Administração, 14(32), 141-156.

Malta, T. L., & Camargos, M. A. (2016). Variáveis da análise fundamentalista e dinâmica e o retorno acionário de empresas brasileiras entre 2007 e 2014. Revista de Gestão, 23(1), 52-62.

Marcondes, A. W., & Bacarji. C.D. (2010). ISE: Sustentabilidade no Mercado de Capitais. (1a Ed.). São Paulo: Report Editora.

Martins, E., Diniz, J. A., & Miranda, J. G. (2018). Análise avançada das demonstrações contábeis: uma abordagem crítica. (2a Ed.). São Paulo: Editora Atlas.

Melo, F. C., & Borges, L. J. (2017, novembro). Análise do desempenho econômico-financeiro pré e pós fusão através de indicadores de rentabilidade e endividamento: um estudo de caso na LATAM Airlines. Apresentado no XXIV Congresso Brasileiro de Custos, Florianópolis, SC, Brasil.

Monteiro, M. A. P., Brasil, M. V. O., Credídio, J. L. P., Cavalcante, D. S., & Rodrigues, M. J. (2017). Desempenho financeiro das empresas brasileiras de Ti: uma aplicação de análise Fatorial. Revista Gestão Organizacional, 15(2), 530-545.

Oliveira, M. T. C., Santos, E. J., & Magalhães, A. L (2019). Responsabilidade social empresarial: estudos e proposições para festivais de inverno do vale Paraíba Paulista. Brazilian Journal of Development, 5(10), 20237-20260.

Orellano, V. I. F., & Quiota, S. (2011). Análise do retorno dos investimentos socioambientais das empresas brasileiras. Revista de Administração de Empresas, 51(5), 471-484.

Ortega, R. P., Melo, P. L. R., Boaventura, J. M. G., & Mascena, K. M. C. (2016). Atendimento dos interesses do stakeholder franqueado e sua relação com o desempenho financeiro em redes de franquias. Revista de Administração da UFSM, 9(Ed. Especial Engema), 24-38.

Passos, L. C., Bezerra, A. N., & Coelho, A. C. (2016). Influências de Teorias Econômicas na Teoria Contábil: o caso da Função-Objetivo da Firma. REPeC – Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 10(4), 416-430.

Rezende, I. A. C., Nunes, J. G., & Portela, S. S. (2008). Um estudo sobre o desempenho financeiro do Índice Bovespa de Sustentabilidade Empresarial. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 2(1), 71-93.

Rossi, J. L., Jr. (2009). What is the value of corporate social responsibility? An answer from Brazilian sustainability index. Journal of International Business and Economics. Retrieved september 26, 2019, from https://papers.ssrn.com/sol3/papers.cfm?abstract_id=1338114.

Silva, A. A. (2019). Estrutura, análise e interpretação das demonstrações contábeis. (5a Ed.). São Paulo: Editora Atlas.

Silva, V. M., & Lucena, W. G. L. (2019). Contabilidade ambiental: análise da participação no índice de sustentabilidade empresarial (ISE) e a rentabilidade das empresas listadas na [B]3. Revista Gestão & Tecnologia, 19(2), 109-125.

Silveira, A. M., Yoshinaga, C. E., & Borba, P. da R. F. (2005). Crítica a teoria dos stakeholders como função-objetivo corporativa. REGE - Revista de Gestão, 12(1), 33-42.

Silveira, G. L. M., & Pfitscher, D. E. (2013). Responsabilidade Socioambiental: estudo comparativo entre empresas de energia elétrica da região sul do Brasil. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, 3(2), 177-195.

Svendsen, A. (2010). The Stakeholder Strategy: Profiting From Collaborative Business Relationships. Retrieved may 04, 2019, from https://www.bkconnection.com/static/The_Stakeholder_Strategy_EXCERPT.pdf

Tachizawa, T. (2015). Gestão Ambiental e Responsabilidade Social Corporativa: Estratégias de negócios focadas na realidade brasileira. (8a Ed.). São Paulo: Editora Atlas.

Teixeira, M. G. C., & Moraes, I. B. (2013). O diálogo com Stakeholders na teoria e na prática: análise da relação de uma empresa pública do setor industrial com seus stakeholders, para a construção de uma política de responsabilidade social. Revista de Administração da UFSM, 6(Edição Especial), 211-228.

Vellani, C. S. (2011). Contabilidade e Responsabilidade Social: Integrando desempenho econômico, social e ecológico. (1a Ed.). São Paulo: Editora Atlas.

Zanelato, F. A., Grando, T., Martins, V. Q., & Zanini, F. A. M. (2018). Gastos sociais internos e o desempenho das empresas do ISE. Revista Ambiente Contábil, 10(2), 384-403.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n5-046

Refbacks

  • There are currently no refbacks.