Violência obstétrica: a percepção das mulheres a partir da vivência do parto / Obstetric violence: women's perception from the experience of childbirth

Lucia Regina de Azevedo Nicida, Luiz Antonio da Silva Teixeira, Thais Carneiro Leão Lima, Diogo Eiras Pontes, Luiz Antonio da Silva Teixeira

Abstract


O objetivo deste artigo é analisar os sentidos do termo violência obstétrica a partir de narrativas de mulheres. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, baseada em entrevistas semiestruturadas realizadas com sete mulheres domiciliadas no município do Rio de Janeiro, com partos realizados nos três últimos anos. Partindo do relato sobre a experiência de parto vivida pelas entrevistadas, foram captados quatro grandes sentidos de VO, quais sejam: violência verbal, desrespeito a vontades e direitos das mulheres, impedimento da presença do acompanhante de livre escolha da mulher, uso e não uso de intervenções e cuidados. As mulheres relataram experiências de cuidados que se aproximam desses sentidos, mas a maioria afirmou não terem sido vítimas de violência obstétrica e priorizaram o fato de terem tido um desfecho positivo de seus partos. O conceito de violência obstétrica apareceu como parte do universo de conhecimento das mulheres, mas em certa medida elas apresentaram insegurança quanto à validade dos mesmos. A discussão sobre VO foi associada a questões sobre autonomia e protagonismo das mulheres frente à relação com os profissionais que prestam cuidados. A presença do acompanhante de livre escolha lhe conferiu maior confiança em viver a experiência do parto.


Keywords


Parto, Assistência ao parto, Violência Obstétrica, Obstetrícia, Saúde da Mulher.

References


BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria no 1.459, DE 24 DE JUNHO DE 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS - a Rede Cegonha. 2011. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt1459_24_06_2011.html. Acesso em: 10 out. 2016.

BRASIL. Ministério da Saúde. Resolução n.o 466 de 12 de dezembro de 2012. Aprova diretriz e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Conselho Nacional de Saúde, 2012. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf. Acesso em: 20 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Humanização do parto e do nascimento. Caderno Humaniza SUS. Brasília: Ministério da Saúde. Universidad Estadual do Ceará, 2014. Disponível em: http://www.redehumanizasus.net/sites/default/files/caderno_humanizasus_v4_humanizacao_parto.pdf. Acesso em: 20 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de atenção primária à saúde. Ofício de 07 de junho de 2019. 2019a. Disponível em: http://www.mpf.mp.br/sp/sala-de-imprensa/docs/oficio-ms. Acesso em: 23 set. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de atenção à saúde. Despacho de 03 de maio de 2019. 2019b. Disponível em: https://sei.saude.gov.br/sei/controlador_externo.php?acao=documento_conferir&codigo_verificador=9087621&codigo_crc=1A6F34C4&hash_download=c4c55cd95ede706d0b729845a5d6481d07e735f33d87d40984dd1b39a32d870fe89dcf1014bc76a32d2a28d8f0a2c5ab928ff165c67d8219e35be. Acesso em: 20 jun. 2020.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Parecer 32/2018. 2018. Disponível em: http://old.cremerj.org.br/downloads/835.PDF. Acesso em: 20 jun. 2020.

DINIZ, C. S. G. et al. Implementação da presença de acompanhantes durante a internação para o parto: dados da pesquisa nacional Nascer no Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 30, n. supl. 1, p. p.S140-153, 2014.

DINIZ, S. G. Gênero, saúde materna e o paradoxo perinatal. Rev. Bras. Crescimento e Desenvolvimento Hum, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 313–326, 2009.

DINIZ, S. G. O renascimento do parto, e o que o SUS tem a ver com isso. Interface, Botucatu, v. 18, n. 48, p. 217–220, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832014000100217&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 5 mar. 2020.

DINIZ, S. G.; D’OLIVEIRA, A. F. P. L.; LANSKY, S. Equity and women’s health services for contraception, abortion and childbirth in Brazil. Reprod Health Matters, v. 20, n. 40, p. 94–101, 2012, Doi: 10.1016/S0968-8080(12)40657-7

DINIZ, S. G. et al. Violência obstétrica como questão para a saúde pública no Brasil: origens, definições, tipologia, impactos sobre a saúde materna, e propostas para a sua prevenção. J. Hum. Growth and Dev., São Paulo, v. 25, n. 3, p. 377–376, 2015, DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.106080

DOMINGUES, R. M. S. M. et al. Factors associated with maternal near miss in childbirth and the postpartum period: findings from the birth in Brazil National Survey, 2011–2012. Reproductive Health, v. 13, S3, n. 115, p. 187–197, 2016. Disponível em: https://reproductive-health-journal.biomedcentral.com/track/pdf/10.1186/s12978-016-0232-y?site=reproductive-health-journal.biomedcentral.com. Acesso em: 15 jan. 2018.

FEBRASGO. Nota de apoio da Febrasgo ao despacho do Ministério da Saúde sobre a utilização da expressão “violência obstétrica”. FEBRASGO, 13 mai. 2019. Disponível em: https://www.febrasgo.org.br/pt/noticias/item/799-nota-de-apoio-da-febrasgo-ao-despacho-do-ministerio-da-saude-sobre-a-utilizacao-da-expressao-violencia-obstetrica. Acesso em: 20 jun. 2020.

MINISTÉRIO da Saúde reconhece legitimidade do uso do termo “violência obstétrica”. G1, 10 jun 2019; Ciência e Saúde. Disponível em: https://g1.globo.com/ciencia-e-saude/noticia/2019/06/10/ministerio-da-saude-reconhece-legitimidade-do-uso-do-termo-violencia-obstetrica.ghtml. Acesso em: 23 set. 2020.

GUIMARÃES, L. B. E.; JONAS, E.; DO AMARAL, L. R. O. G.. Violência obstétrica em maternidades públicas do estado do Tocantins. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 26, n. 1, p. 1–11, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/ref/v26n1/1806-9584-ref-26-01-e43278.pdf.. Acesso em: 23 set. 2020.

LANSKY, S. et al. Violência obstétrica: influência da Exposição Sentidos do Nascer na vivência das gestantes. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 24, n. 8, p. 2811–2824, ago 2019. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232019000802811. Acesso em: 2 nov. 2020.

LEAL, M. C. et al. Prevalence and risk factors related to preterm birth in Brazil. Reproductive Health, v.13, supl.3, 127, 2016. Disponível em: https://reproductive-health-journal.biomedcentral.com/track/pdf/10.1186/s12978-016-0230-0?site=reproductive-health-journal.biomedcentral.com. Acesso em: 15 jan. 2018.

LEAL, M. C. et al. Intervenções obstétricas durante o trabalho de parto e parto em mulheres brasileiras de risco habitual. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 30, supl. 1, p. p.S17-S32, 2014. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v30s1/0102-311X-csp-30-s1-0017.pdf. Acesso em: 10 out. 2014.

MENDONÇA, S. S.; HIRSCH, O. N. Violência obstétrica e outros significados atribuídos à assistência ao parto. Le Monde diplomatique Brasil, 30 out. 2020; Feminismos Transnacionais. Disponível em: https://diplomatique.org.br/violencia-obstetrica-e-outros-significados-atribuidos-a-assistencia-ao-parto/. Acesso em: 2 nov. 2020.

MPF e OAB cobram que Ministério da Saúde volte atrás na decisão de abolir termo “violência obstétrica”. O Globo, 2019. Disponível em: https://oglobo.globo.com/sociedade/celina/mpf-oab-cobram-que-ministerio-da-saude-volte-atras-na-decisao-de-abolir-termo-violencia-obstetrica-23652278. Acesso em: 9 maio. 2019.

PULHEZ, M. M.. “Parem a Violência obstétrica”: a construção das noções de ‘violência’ e ‘vítima” nas experiências de parto. RBSE - Revista Brasileira de Sociologia da Emoção, v.12, n.35, pp. 544-564, 2013. Disponível em: http://www.cchla.ufpb.br/rbse/PulhezArt%20Copy.pdf. Acesso em: 09 abr. 2021.

TORRES, Jacqueline Alves et al. Evaluation of a quality improvement intervention for labour and birth care in Brazilian private hospitals: a protocol. Reprod Health, [S. l.], v. 15, n. 194, p. 1–11, 2018. DOI: https://doi.org/10.1186/s12978-018-0636-y. Disponível em: https://doi.org/10.1186/s12978-018-0636-y.

ZANARDO, G. L. P. et al. Violência obstétrica no Brasil: uma revisão narrativa. Psicol. Soc., Belo Horizonte, v. 29, e155043. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822017000100218&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 20 jun. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n5-044

Refbacks

  • There are currently no refbacks.