Detecção da espécie exótica invasora Hovenia dulcis por meio de classificação supervisionada / Detection of invasive alien species Hovenia dulcis by supervised classification

Carla Luciane Lima, Francisco Henrique de Oliveira, Camile Sothe, Felipe Echenique Alves, Marcos Benedito Schimalski, Gabriela Oliveira Silva, Veraldo Liesenberg

Abstract


O meio natural vem passando ao longo do tempo por alterações resultantes de um modelo de desenvolvimento praticado pelo homem. Os impactos dessas alterações, como a disseminação de espécies exóticas invasoras, embora já estudados, ainda carecem de muita pesquisa e geração de conhecimento. Diante disto, surge a crescente preocupação com invasões em áreas naturais protegidas, em especial as unidades de conservação (UCs), e nesse contexto, o uso do sensoriamento remoto combinado ao processamento digital de imagens permite uma sistematização e análise dos padrões, podendo alcançar adequado índice de confiança. O presente trabalho teve como objetivo a detecção remota da espécie exótica invasora Hovenia dulcis no Parque Estadual Fritz Plaumann, utilizando imagens aéreas de alta resolução espacial obtidas com uso de veículo aéreo não tripulado modelo DJI Phanton Pro 4, equipado com sensor RGB, aplicando o método de classificação supervisionada de imagens. Para a detecção da espécie Hovenia dulcis, realizou-se a segmentação do ortomosaico utilizando o algoritmo Multiresolution Segmentation. Após a segmentação, foram selecionadas 7 classes de interesse e efetuada a amostragem das classes, seguido da classificação por meio do algoritmo Nearest Neighbor. Após a classificação, foi realizada a análise de acurácia através dos índices de Acurácia Geral (OA) e Kappa, os quais apresentaram valores de 0,97 e 0,95, respectivamente, considerado um resultado adequado de acordo com o índice Kappa. Desta forma, a classificação supervisionada configura-se como uma ferramenta para geração de informações e subsídios para medidas de prevenção e controle de espécies exóticas invasoras e ainda oferece potencial para auxiliar na formação e composição de cadastros temáticos.


Keywords


Parque Estadual Fritz Plaumann; classificação supervisionada; Nearest Neighbor; índice Kappa.

References


ALVAREZ-TABOADA, F. et al. Mapping of the invasive species Hakea sericea using unmanned aerial vehicle (UAV) and WorldView-2 imagery and an object-oriented approach. Remote Sensing, v. 9, n. 9, p. 913, 2017.

AITKENHEAD, M. & AALDERS, I., Automating land cover mapping of Scotland using expert system and knowledge integration methods. Remote Sens. Environ. v. 115, n. 5, p. 1285–1295. 2011.

ANDRADE, A. C. et al. Desempenho de classificadores paramétrico e não paramétrico na classificação da fisionomia vegetal. In: XVII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. Anais...João Pessoa, PB. 2015.

BROOKS, M. L. et al. Effects of invasive alien plants on fire regimes. Bioscience, v. 54, p. 677-688, 2004.

CARVALHO, P. E. R. Ecologia, silvicultura e usos da Uva-do-Japão. Circular Técnica, 23. Colombo: EMBRAPA-CNPF, 1994. 24p.

CBD Guiding Principles. Annexed to Decision VI/23 (Alien species that threaten ecosystems, habitats or species) of the Conference of the Parties to the Convention on Biological Diversity. 2002.

COHEN, J. A coefficient of agreement for nominal scales. Educational and psychological measurement, v. 20, n. 1, p. 37-46, 1960.

CONGALTON, R. G. & GREEN, K. Assessing the accuracy of remotely sensed data: principles and practices. New York: Lewis Publishers, 1999.

COZZO, D. Resultados de lasplantaciones florestais com Hovenia dulcis em la region Argentina subtropical y húmedade Missiones. Revista Florestal Argentina, v. 4, n. 4, p. 107-117, 1960.

DECHOUM, M. S. Invasão por Hovenia dulcis Thumb. (Rhamnaceae) nas florestas do rio Uruguai (SC): aspectos ecológicos e diretrizes para o manejo. 2015. 148f. Tese (Doutorado em Ecologia). Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, SC. 2015a.

DECHOUM, M. S. et al. Community structure, succession and invasibility in a seasonal deciduous forest in southern Brazil. Biological Invasions, p. 1573-1464, 2014.

DECHOUM, M. S. et al. Invasions across secondary forest successional stages: effects of local plant community, soil, litter, and herbivory on Hovenia dulcis seed germination and seedling establishment. Plant Ecology. 2015c.

DECHOUM, M. S. et al. Limited Seed Dispersal May Explain Differences in Forest Colonization by the Japanese Raisin Tree (Thunb.), an Invasive Alien Tree in Southern Brazil. Tropical Conservation Science, v. 8, p. 610-622, 2015b.

DORIGO, W., et al. Mapping invasive Fallopia japônica by combined spectral, spatial, and temporal analysis of digital orthophotos. Int. J. Appl. Earth Obs. Geoinf. v. 19, 185–195. 2012.

DUDEK, K.B. et al. Increased spatial and temporal consistency of leafy spurge maps from multidate AVIRIS imagery: a hybrid linear spectral mixture analysis/mixture-tuned matched filtering approach. In: Thirteenth JPL Airborne Earth Science Workshop. (Pasadena, CA: NASA Jet Propulsion Laboratory), Proceedings… Pasadena, CA: NASA Jet Propulsion Laboratory, 2004.

FLORENZANO, T. G. Iniciação em sensoriamento remoto. 3 ed. São Paulo, Oficina de Textos, 2011.

GÓMEZ-CASERO, M.T. et al. Spectral discrimination of wild oat and canary grass in wheat fields for less herbicide application. Agron. Sustain. v. 30, n. 3, p. 689–699. 2010.

HENDGES, C. D. et al. Consumption of the invasive alien species Hovenia dulcis Thumb. (Rhamnaceae) by Sapajus nigritus Kerr, 1792 in a protected area in Southern Brazil. Revista Brasileira de Zoociências. v. 14, n. 1,2,3. 2012.

HERMES-SILVA. E. As transformações do território a partir dos processos de criação e planejamento do Parque Estadual Fritz Plaumann (Concórdia/SC). [Dissertação de mestrado]. Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis. 2008.

HUMMEL, R. B. Invasão Biológica por Ligustrum lucidum W. T. Aiton no Parque Estadual Quarta Colônia, RS. [Dissertação de Mestrado]. Universidade de Santa Maria. Brasil. 2015.

IBGE. Manual Técnico da Vegetação Brasileira. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 271p. 2012.

INSTITUTO HÓRUS DE DESENVOLVIMENTO E CONSERVAÇÃO AMBIENTAL - I3N BRASIL. Base de dados nacional de espécies exóticas invasoras. Florianópolis – SC. Disponível em: http://i3n.institutohorus.org.br/www. Acesso em 10 de fevereiro de 2019.

KATTENBORN, T. et al. UAV data as alternative to field sampling to map woody invasive species based on combined Sentinel-1 and Sentinel-2 data. Remote Sensing of Environment, v. 227, p. 61-73, 2019.

LEÃO, T.C.C. et. al. Espécies exóticas invasoras no nordeste do Brasil: contextualização, manejo e políticas públicas. CEPAN e Instituto Hórus. 99p. 2011.

LILLESAND, T. M. et al. Remote sensing and image interpretation. New York: John Wiley and Sons, 2004.

LIMA, D. R. M. et al. Detecção de espécie invasora na floresta ombrófila mista por meio de classificação orientada ao objeto. In: Anais do XIX Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 2019, Santos. Anais... Campinas, GALOÁ, 2019. Disponível em: Acesso em: 01 junho de 2019.

LIMA, R. E. M. et. al. Native seed dispersers may promote the spread of the invasive Japanese raisin tree (Hovenia dulcis Thunb.) in seasonal deciduous forest in southern Brazil Tropical Conservation Science. v. 8 Issue 3, p. 846-862. 2015.

LIU, X. et al. Appling the One-Class Classification Method of Maxent to Detect an Invasive Plant Spartina alterniflora with Time-Series Analysis. Remote Sensing, v. 9, n. 11, p. 1120, 2017.

LORENZI, H. et al. Árvores exóticas no Brasil: madeireiras, ornamentais e aromáticas. Nova Odessa, São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora. 2003.

MACK, R. N. et al. Biological invasions: causes, epidemiology, global consequences and control. Ecological Applications. V. 10, p. 689-710. 2000.

MASON, T. J. & FRENCH, K. Impacts of a woody invader vary in different vegetation communities. Diversity and Distribuitions, v.14, p. 829-838, 2008.

NOVO, E. M. L. M. Sensoriamento Remoto: princípios e aplicações. 3 ed. São Paulo: Edgard Blücher, 2008.

PARANÁ. Portaria IAP n° 125, em 07 de agosto de 2009. Disponível em: . Acesso em 01 de jun. de 2017.

PAZ-KAGAN, T. et al. Multispectral Approach for Identifying Invasive Plant Species Based on Flowering Phenology Characteristics. Remote Sensing, v. 11, n. 8, p. 953, 2019.

PONZONI, F. J. et al. Sensoriamento Remoto da Vegetação. 2. ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2012.

PYSEK, P. et al. A global assessment of invasive plant impacts on resident species, communities and ecosystems: the interaction of impact measures, invading species’ traits and environment. Global Change Biology, v. 18, p. 1725–1737, 2012.

PYSEK, P. et al. Alien plants in checklists and floras: towards better communication between taxonomists and ecologists. Taxon, v. 53, n. 1, p. 131-143. 2004.

RICHARDSON, D. M. et al. Naturalization and invasion of alien plants: concepts and definitions. Diversity and Distributions, v. 6, p. 93-107, 2000b.

RICHARDSON, D. M. et al. Plant invasions: the role of mutualisms. Biological Reviews, v. 75, n. 1, p. 65-93, 2000a.

RICHARDSON, D. M.; REJMÁNEK, M. Trees and shrubs as invasive alien species a global review. Diversity and Distributions. v. 17, p. 788-809. 2011.

RIO GRANDE DO SUL. Portaria SEMA n° 79, em 31 de outubro de 2013. Diário Oficial do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, p. 44, 2013.

RUSCHEL, A. D. et al. Evolução do uso e valorização das espécies madeiráveis da Floresta Estacional Decidual do Alto-Uruguai, SC. Ciência Florestal v.13, p. 153-166. 2003.

SAMPAIO, A. B. & SCHMIDT, I. B. Espécies exóticas invasoras em unidades de conservação federais do Brasil. Biodiversidade Brasileira, n. 2, p. 32-49, 2013.

SANTA CATARINA. Fundação do Meio Ambiente – FATMA. Lista comentada de espécies exóticas invasoras no estado de Santa Catarina: espécies que ameaçam a diversidade biológica. Sílvia R. Ziller (consultora). Florianópolis: FATMA, 2016.

SANTA CATARINA. Resolução CONSEMA n. 08, de 14 de setembro de 2012. Reconhece a Lista Oficial de Espécies Exóticas Invasoras no Estado de Santa Catarina e dá outras providências. Diário Oficial do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, SC, n. 19429, 02 out. 2012.

SELLE, G. L. Guias de densidade e índices de sítios para Hovenia dulcis Thunberg na região central do estado do Rio Grande do Sul, Brasil. [Tese de doutorado]. Universidade Federal de Santa Maria, Brasil. 2009.

SHINE, C. Ferramentas para desenvolver estruturas legais e institucionais para espécies exóticas invasoras. Global Invasive Species Programme, Nairobi. 2008. Disponível em: < http://www.issg.org/pdf/publications/GISP/Guidelines_Toolkits_BestPractice/Shine_2008_PO.pdf>. Acesso em 19 de março de 2019.

SOTHE, C. et al. Tree Species Classification in a Highly Diverse Subtropical Forest Integrating UAV-Based Photogrammetric Point Cloud and Hyperspectral Data. Remote Sensing, v. 11, n. 11, p. 1338, 2019.

SOUSA, A. M. O. et al. Detecção de vegetação arbórea através de segmentação e classificação orientada a objecto de imagens multiespectrais de alta resolução (Quickbird). In: VI Congresso Ibérico de Agro-Engenharia. Annals... Portugal, 2011.

STICKSEL, E. et al. Diurnal Variation in Hyperspectral Vegetation Indices Related to Winter Wheat Biomass Formation. Precision Agriculture, v. 5, n. 5, p. 509–520. 2004.

TRIMBLE; eCognition® Developer - Reference Book, Trimble Documentation, München, 2019. Disponível em: < https://docs.ecognition.com/v9.5.0/eCognition_documentation/User%20Guide%20Developer/4%20Basic%20Rule%20Set%20Editing.htm>. Acesso em 20 de janeiro de 2020.

VAN KLEUNEN, M. et al. Global exchange and accumulation of non-native plants. Nature. v. 525, p. 100-103. 2015. Disponível em: < https://www.nature.com/articles/nature14910>. Acesso em 22 de maio de 2019.

ZENNI, R.D. & ZILLER, S.R. An overview of invasive plants in Brazil. Brazilian Journal of Botany, v. 34, n. 3, p. 431-446, 2011.

ZILLER, S. R. & ZALBA, S. Propostas de ação para prevenção e controle de espécies exóticas invasoras. Natureza & Conservação, vol. 5, n. 2, p. 8-15. 2007.

ZILLER, S. R. Os processos de degradação ambiental originados por plantas exóticas invasoras. Ciência Hoje, São Paulo, v. 30, n. 178, p. 77-79, 2001.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n5-028

Refbacks

  • There are currently no refbacks.