Análise da ingestão de açúcar e de colesterol por pacientes teleatendidos em consulta nutricional por clínica escola de Belo Horizonte - MG, durante o período de isolamento social devido à pandemia de COVID-19/ Analysis of sugar and cholesterol intake by patients attending a nutritional clinic in Belo Horizonte - MG, Brazil, during the period of social isolation due to the COVID-19 pandemic

Anaclara Marchezini Luciano, Douglas Victor Mota Guimarães, Marcia Fernanda da Silva Santos, Mariana Velloso Santos Villela, Mayla Vieira Barbosa Quirino, Stephanie Cristina Santos Joi de Abreu, Thaís Cristina do Carmo Cravo, Daniela Almeida do Amaral, Eric Liberato Gregório

Abstract


Fundamento: a enfermidade COVID-19 surgiu em dezembro de 2019, na China, causando infecções respiratórias com alta mortalidade.  Por se tratar de um vírus de fácil transmissão o isolamento social torna-se a forma mais adequada para diminuir a disseminação do vírus. Perante esse contesto o isolamento social no Brasil causou uma mudança dos hábitos alimentares. Objetivo: analisar a ingesta de açúcar e colesterol dos pacientes durante o isolamento social.  Método: recordatório alimentar de 24 horas de 244 pacientes de ambos os sexos com idade entre 20 e 30 anos teleatendidos em consulta nutricional da clínica escola de Belo Horizonte – MG, durante o período de isolamento social.  Resultado: em relação à ingesta diária de açúcar foi que 97 pacientes, que representam 40% da amostra, ultrapassaram 25g/dia. Em contrapartida, 147 pacientes, que representam 60% da amostra, não atingiram a ingestão limítrofe de 25g/dia, estando na normalidade em relação à ingesta. Em relação à ingesta diária de colesterol foi que 156 pacientes, que representam 64% da amostra, ultrapassaram a ingesta de 190mg/dia. Em contrapartida, 88 pacientes, que representam 36% da amostra, não atingiram a ingestão limítrofe de 190mg/dia. Conclusão: o período de isolamento social desencadeou mudanças nos hábitos alimentares relativos ao aumento no consumo de alimentos ricos em açúcar e em colesterol dietético, possivelmente secundário ao elevado consumo de produtos industrializados com baixo teor nutricional


Keywords


COVID-19, açúcar, colesterol.

References


American Heart Association: addedsugars. Pubmed, 2018. Disponível em:. Acesso em 25 de outubro de 2020.

APFELDORFER, G; ZERMATI, J.P. Cognitive restraint in obesity. History of ideas, clinical description. Pubmed, nov, 2001. Disponível em:< https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/11732464#>. Acesso em 09 de abril de 2020.

BENEDET, J. et al. Clustering of unhealthy food habits and its association with socioeconomic factors among Brazilian workers. Rev. Nutr. Campinas, v. 30, n. 6, p. 795-804, nov, 2017. Disponível em: . Acesso em 06 de abril de 2020.

BROSSEAU, L. COVID-19 transmission messages should hinge on science. CIDRAP - Center for Infectious Disease Research and Policy. Mar, 2020. Disponível em:< http://www.cidrap.umn.edu/newsperspective/2020/03/commentary-covid-19-transmission-messages-shouldhinge-science>. Acesso em: 10 de abril de 2020.

CRISPIM, G. S. et al. Transparência da prestação de contas dos gastos públicos nos governos municipais: um estudo de caso no Estado de Goiás. REVISTA AMBIENTE CONTÁBIL - Universidade Federal do Rio Grande do Norte - ISSN 2176-9036, v. 12, n. 2, p. 157-178,1 jul. 2020.

FERREIRA, F. Obesidade e coronavírus: pesquisa indica que pessoas acima do peso são mais propensas a desenvolver a forma grave da COVID-19. SEGS, 13 de agosto de 2020. Disponível em: . Acesso em 29 de novembro de 2020.

FREIRE, M.B.B. et al. Padrão do consumo alimentar e fatores associados em adultos. Revista Família, Ciclos de Vida e Saúde no Contexto Social - Universidade Federal do Triângulo Mineiro, Brasil - ISSN: 2318-8413, vol. 6, n. 4, 2018. Disponível em: . Acesso em 7 de maio de 2020.

GABE. K. T. et al. Práticas alimentares segundo o Guia alimentar para a população brasileira: fatores associados entre brasileiros adultos, 2018. Epidemiol. Serv. Saúde, v. 29, n. 1, Brasília, 2020. Disponível em: . Acesso em 6 de abr. 2020.

LEVY, R. B. et al. Disponibilidade de "açúcares de adição" no Brasil: distribuição, fontes alimentares e tendência temporal. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 15, p. 3-12, 2012.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Coronavírus (COVID-19). Disponível em: . Acesso em 4 de abril de 2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Disponível em: .

Acesso em: 20 de maio de 2020.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Guia Alimentar para a População Brasileira, Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

OTTEN, J. J. Dietary Reference Intakes: The Essential Guide to Nutrient Requirements. Institute of Medicine, 2006. Disponível em: . Acesso em 4 de abril de 2020.

ROSA, M. A. C. Abuso e dependência de açúcares extrínsecos não lácticos: desenvolvimento de um instrumento diagnóstico e verificação de dependência de uma amostra de obesos e não obesos da cidade de Porto Alegre. 2005. 183f. Dissertação (Mestrado em Odontologia na área de Saúde Bucal Coletiva) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

ROSA, M. A. C; SLAVUTZKY, S. M. B; PECHANSKY, F. Processo de desenvolvimento de um questionário para avaliação de abuso e dependência de açúcar. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 8, n. 24, p. 1869-1876, 2008.

SANTOS. G.M.G.C et. al. Barreiras percebidas para o consumo de frutas e de verduras ou legumes em adultos brasileiros. Ciênc. saúde coletiva. vol 24 no.7. Rio de Janeiro. 2019. Disponível em: . Acesso em 11 de maio de 2020.

SILVA, D.C.G. et al. Consumo de bebidas açucaradas e fatores associados em adultos. Ciência & Saúde Coletiva, v. 24, p. 899-906, 2019.

Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) alerta: controle do colesterol é fundamental para minimizar riscos de doenças cardiovasculares, 2019. Disponível em: . Acesso em: 29 de novembro de 2020.

Atualização da Diretriz de Prevenção Cardiovascular da Sociedade Brasileira de Cardiologia-2019.Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 113, n. 4, p. 787-891, 2019.

TEIXEIRA, M. G. et al. Reorganização da atenção primária à saúde para vigilância universal e contenção da COVID-19. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 29, p. e2020494, 2020.

UNICEF; ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE; ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE. Mensagens e ações importantes para a COVID-19 prevenção e controle em escolas. OPAS/BRA/Covid-19/20-015. Brazil. 2020. Disponível em: . Acesso em 4 de abril de 2020.

Vargues, A. L., Fernandes, P., Brazão, R., Dias, M. G. (2018). Monitorização do teor de Comportamentos 37 açúcar em alimentos disponíveis no mercado português: contributo para promover uma alimentação saudável. BoletimEpidemiológicoObservações, 7(22), 10-12.

WHO. Guideline: sugars intake for adults and children. Geneva, 2015. Disponível em: . Acesso em: 25 de outubro de 2020.

WHO. Modes of transmission of virus causing COVID-19: implications for IPC precaution recommendations, 2020. Disponível em: . Acesso em: 20 de junho de 2020.

WHO. Current recommendation, 2002. Disponível em : . Acesso em: 20 de junho de 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n5-019

Refbacks

  • There are currently no refbacks.