A evolução do modelo de negócios da Native Orgânicos sob o ponto de vista do processo de diversificação/ The evolution of the Native Orgânicos business model from the point of view of the process of diversification

Paolo Edoardo Coti- Zelati, Dimária Silva e Meirelles, Davi Lucas Arruda de Araújo, Mauricio Jucá de Queiroz

Abstract


A marca Native Orgânicos foi lançada em março de 2000 e rapidamente se tornou referência no mercado de orgânicos. Presente em 60 países, em todos os continentes, a empresa dispõe de toda a infraestrutura necessária para atender aos mercados nacional e internacional com produtos orgânicos de qualidade elevada. O objetivo deste estudo foi verificar a evolução do modelo de negócios da marca Native Orgânicos a partir do processo de diversificação. Para tanto, realizou-se uma pesquisa descritiva de natureza qualitativa com dois colaboradores da Native Orgânicos que atuam diretamente com diversificação e venda de produtos orgânicos. Os dados, obtidos através de entrevistas em profundidade, foram analisados para que se identificassem padrões recorrentes ou pontos comuns nos mesmos. Observou-se que o modelo de negócio da Native evoluiu frente à diversificação de produtos buscando atender as mais específicas demandas do mercado de produtos orgânicos. A marca passou a adquirir o processamento de produtos orgânicos através de uma plataforma própria de administração da produção. A Native conseguiu ampliar a gama de produtos que levam sua marca mantendo (e muitas vezes elevando) o valor percebido pelo consumidor.


Keywords


Modelo de negócios, Diversificação, Produtos orgânicos, Native.

References


AMIT, R.; ZOTT, C. Value creation in e-business. Strategic Management Journal, v. 22, p. 493-520, 2001.

ANSOFF, Igor. Estrategia empresarial. São Paulo: Atlas, 1977.

ARAÚJO, M. M. Empreendedorismo Comunicacional no Brasil: da teoria à sobrevivência. Brazilian Journal of Development, v. 7, n. 3, p. 33104-33115, 2021

AREND, R. J. The business model: present and future: beyond a skeumorph. Strategic Organization, v. 11, n. 4, p. 390-402, 2013.

BESANKO, D.; DRAVONE, D.; SHANLEY, M.; SCHAEFER, S. Economics of strategy. 6.ed. Hoboken: John Wiley & Sons, 2013.

BONAZZI, F. L. Z. Evolução de modelo de negócio e o processo de criação de valor no setor de serviço de valor agregado móvel: uma análise a partir das dimensões do capital intelectual. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas), São Paulo, Universidade Presbiteriana Mackenzie, 2014.

BONAZZI, F. L. Z.; ZILBER, M. A. Inovação e modelo de negócio: um estudo de caso sobre a integração do funil de inovação e o Modelo Canvas. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, São Paulo, v. 16, n. 53, p. 616-637, 2014.

BOWMAN, C.; AMBROSINI, V. Value creation versus value capture. British Journal of

Management, v. 11, p. 1-15, 2000.

BRONZERI, M. S.; BULGACOV, S. Estratégias na cadeia produtiva do café no norte pioneiro do Paraná: competição, colaboração e conteúdo estratégico. Organizações Rurais & Agroindustriais, Lavras, v. 16, n. 1, p. 77-91, 2014.

CAMISÓN, C., VILLAR-LÓPEZ, A. Business models in Spanish industry: a taxonomy-based efficacy analysis. M@n@gement, v. 13, n. 4, p. 298-317, 2010.

CARVALHO, André Pereira de. Rótulos ambientais orgânicos: como ferramenta de acesso a mercados de países desenvolvidos. Dissertação (Mestrado em Administração de Empresas), São Paulo, Fundação Getulio Vargas, 2007.

CARVALHO, André Pereira de. Gestão sustentável de cadeias de suprimentos: análise da indução e implementação de práticas socioambientais por uma empresa brasileira do setor de cosméticos. Tese (Doutorado em Administração de Empresas), São Paulo, Fundação Getulio Vargas, 2011.

COSTA, E. R. P. Desenvolvimento de um modelo de negócios para uma indústria diversificada atuando em mercados fragmentados. Dissertação (Mestrado em Administração), Porto Alegre, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2003.

DOSI, G.; TEECE, D.; WINTER, S. Toward a theory of corporate coherence: preliminary remarks. In: DOSI, G.; GIANNETTI, R.; TONINELLI, P. M. (Eds.). Technology and enterprise in a historical perspective. New York: Clarendon Press Oxford, 1992.

FROEHLICH, C.; BITENCOURT, C. C. Desenvolvimento organizacional com base em estratégias de diversificação. Revista de Administração da UFSM, Santa Maria, v. 1, n. 2, p. 241-262, 2008.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GODOI, C. K.; BALSINI, C. P. V. A pesquisa qualitativa nos estudos organizacionais brasileiros: uma análise bibliométrica. In: GODOI, C. K.; BANDEIRA-DE-MELLO, R.; SILVA; A. B. Pesquisa qualitativa em estudos organizacionais: paradigmas, estratégias e métodos. São Paulo: Saraiva, 2006.

GUEDES, A. A.; MEIRELLES, Dimária Silva e; COTI-ZELATI, P.E. Projeto de habitação popular no Brasil e mudanças nos modelos de negócio da construção civil. Caderno Profissional de Administração, Piracicaba, v. 5, n. 2, p. 63-83, 2015.

HUMPHREYA, J.; SCHMITZA, H. How does insertion in global value chains affect upgrading in industrial clusters? Regional Studies, v. 36, n. 9, p. 1017-1027, 2002.

I-UMA. Instituto Universal de Marketing em Agribusiness. Mercado orgânico brasileiro fatura R$ 1,5 bilhão em 2012, apresentando crescimento. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2021.

KON, A. Economia industrial. São Paulo: Nobel, 1999.

LECOCQ, X.; DEMIL, B.; VENTURA, J. Business models as a research program in strategic management: an appraisal based on Lakatos. M@n@gement, v. 13 n. 4, p. 214-225, 2010.

LEPAK, D. P.; SMITH, K. G.; TAYLOR, M. S. Value creation and value capture: a multilevel perspective. Academy of Management Review, v. 32, n.1, p. 180-194, 2007.

MAGRETTA, J. Why business models matter. Harvard Business Review, v. 80, n. 5, p. 86-92, 2002.

MAKADOK, R.; COFF, R. The theory of value and the value of theory: breaking new ground versus reinventing the wheel. Academy of Management Review, v. 27, p. 10-13, 2002.

MEIRELLES, Dimária Silva e. Modelo de negócio: definições, controvérsias e uma proposta de fundamentação teórica e metodológica. In: XXXIX Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração (EnANPAD), Belo Horizonte: ANPAD, 2015.

MERRIAM, Sharan B. Qualitative research in practice: examples for discussion and analysis. San Francisco: Jossey-Bass, 2002.

MINIUSSI, Adriana; COTI-ZELATI, P. E.; ARAÚJO, D. L. A. The role of innovation in the competitiveness of Brazilian organic products. Independent Journal of Management & Production, v. 6, n. 3, p. 758-772, 2015.

MINTZBERG, H. A organização diversificada. In: MINTZBERG, H.; QUINN, J. B. O processo da estratégia. 3.ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.

MORRIS, M.; SCHINDEHUTTE, M.; ALLEN, J. The entrepreneur’s business model: toward a unified perspective. Journal of Business Research, v. 58, n. 6, p. 726-735, 2005.

NATIVE. Na vanguarda dos produtos orgânicos. Disponível em: . Acesso em: 29 mar. 2021a.

NATIVE. Perfil de sustentabilidade: sustainability profile. Disponível em: . Acesso em: 20 mar. 2021b.

NIELSEN, C.; LUND, M. (Eds.). Business model: networking, innovating and globalizing. Frederiksberg: Ventus Publishing, 2012.

OSTERWALDER, A.; PIGNEUR, Y. Business model generation. New Jersey: John Wiley and Sons, 2010.

PISANO, G. Profiting from innovation and the intellectual property revolution. Research Policy, v. 35, n. 8, p. 1122-1130, 2006.

PENROSE, Edith. The theory of the growth of the firm. New York: John Wiley and Sons, 1959.

PITELIS, C. N. The co-evolution of organizational value capture, value creation and sustainable advantage. Organization Studies, v. 30, n. 10, p. 1115–1139, 2009.

PORTER, M. E. Competitive advantage: creating and sustaining superior performance. New York: Free Press, 1985.

RAMANUJAM, V.; VARADARAJAN, P. Research on corporate diversification: a syntheses. Strategic Management Journal, v. 10, p. 523-551, 1989.

RICHARDSON, Roberto Jarry. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1999.

STABELL, C. B.; FJELDSTAD, O. D. Configuring value for competitive advantage: on chains, shops and networks. Strategic Management Journal, Nova York, v. 19, p. 413-437, 1998.

SOUZA, A. P. O.; ALCÂNTARA, R. L. C. Alimentos orgânicos: estratégias para o desenvolvimento do mercado. In: NEVES, M. F.; CASTRO, L. T. (Orgs.). Marketing e estratégia em agronegócios e alimentos. São Paulo: Atlas, 2011.

SOUZA, F. F. A.; ALENCAR, C. T. As Influências das estratégias de diversificação e dos modelos de negócios no desempenho das empresas brasileiras de Real Estate residencial no período 2005-2010. In: Anais da XI Conferência Internacional da LARES, São Paulo: EPUSP, 2011.

TEECE, D. Business models, business strategy and innovation. Long Range Planning, v. 43, p. 172-194, 2010.

VOLBERDA, H. W. Toward the flexible form: how to remain vital in hypercompetitive environments. Organization Science, v. 7, n. 4, p. 359-374, 1996.

WINTER, S. G.; SZULANSKI, G. Replication as strategy. Organization Science, Hanover, v. 12, n. 6, p. 730-743, 2001.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre, RS: Bookman, 2003.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n5-006

Refbacks

  • There are currently no refbacks.