Controls at the starting point for preventing accidents in the road transport of dangerous products / Controles no ponto de partida para prevenção de acidentes no transporte rodoviário de produtos perigosos

Ana Beatriz Paes Barretto Cabral, Marcelo Roberto Ventura Dias de Mattos Bezerra, Jean Marcel de Faria Novo

Abstract


This article discusses activities related to the prevention of road accidents with dangerous products that precede trips by tank truck drivers. The Brazilian normative framework (laws, decrees, and norms), the Haddon Matrix as a systemic prevention model, and the premises of the Olho Vivo nas Estradas Program of the Brazilian Chemical Industry Association constitute the conceptual bases of the research. The empirical approach consists of semi-structured interviews with drivers of a fuel distributor who travel along the BR-116. The results indicate that the company has training practices and disclosure of recent accidents. The workgroup dominates the normative knowledge and preventive procedures, being the main concern of the interviewees with the carelessness practiced by drivers who travel the roads in all types of vehicles (trucks, automobiles, motorcycles).


Keywords


Road transport, dangerous products, pre-accident.

Full Text:

PDF

References


ABIQUIM (2003). Associação Brasileira da Indústria Química. Manual para atendimento de emergências com produtos perigosos. São Paulo.

ABNT (2015). NBR 14064 - Associação Brasileira de Normas Técnicas. Transporte rodoviário de produtos perigosos — Diretrizes do atendimento à emergência.

ANTT (2004). Agência Nacional de Transportes Terrestres. Resolução nº 420, 2004. Aprova as Instruções Complementares ao Regulamento do Transporte Terrestre de Produtos Perigosos.

Araújo, G. M. (2001). Regulamentação do transporte terrestre de produtos perigosos. Comentada. 1º Ed. Rio de Janeiro, 2001.

Blau, G.; Champman, S.; Boyey, E.D.; Flanagan, R.; Lam, T.; Monos, C. (2011). Correlates of Safety Outcomes During Patient Ambulance Transport: a partial test of the Haddon Matrix. Journal of Allied Health, 41(3): p. 69-72.

BRASIL (2011). Resolução nº 3.665, de 04 de maio de 2011 da ANTT - Agência Nacional de Transportes Terrestres. Regulamento para o Transporte Rodoviário de Produtos Perigosos.

BRASIL (2015). Lei nº 13.103, de 02 de março de 2015. Dispõe sobre o exercício da profissão de motorista; altera a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e as Leis n º 9.503, de 23 de setembro de 1997 - Código de Trânsito Brasileiro, e 11.442, de 5 de janeiro de 2007 (empresas e transportadores autônomos de carga), para disciplinar a jornada de trabalho e o tempo de direção do motorista profissional; altera a Lei nº 7.408, de 25 de novembro de 1985; revoga dispositivos da Lei nº 12.619, de 30 de abril de 2012; e dá outras providências.

Cabral, A. B. P. B. (2019). Segurança no transporte rodoviário de produtos perigosos entre as cidades do Rio de Janeiro e São Paulo. Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana e Ambiental do Departamento de Engenharia Civil e Ambiental da PUC-Rio.

CNT (2017). Confederação Nacional de Transportes. Transporte Rodoviário. Desempenho do Setor, Infraestrutura e Investimentos.

CNT (2018). Confederação Nacional de Transportes. Dados do Anuário CNT do Transporte mostram baixa oferta de infraestrutura para o transporte rodoviário e crescimento acelerado da frota.

CNT (2019a). Confederação Nacional de Transportes. Acidentes Rodoviários. Painel CNT de Consultas Dinâmicas dos Acidentes Rodoviários.

CNT (2019b). Confederação Nacional de Transportes. Acidentes Rodoviário. Estatísticas Envolvendo Caminhões. Brasília, p. 42.

Dawson D, Fletcher A, Hussey F. (2000). Beyond the midnight oil: Parliamentary enquiry into managing fatigue in transport. Adelaide Centre for Sleep Research, University of South Australia.

Falcão, B. (2012). Trabalho de segurança no trânsito. Programa “Olho Vivo na Estrada”. Prevenção de comportamentos inseguros nas estradas.

Ferreira, J. P. (2014). FIOCRUZ – Fundação Oswaldo Cruz. Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães – CPqAM. Mestrado Acadêmico em saúde Pública. Modelo conceitual de um sistema de informações para vigilância epidemiológica de lesões e traumas por acidentes de transporte terrestre. Recife.

Fragoso Jr., A.; Garcia, E. G. (2018). Transporte rodoviário de carga: acidentes de trabalho fatais e fiscalização trabalhista. Road freight transport: fatal work accidents and labor inspection. RBSO Revista Brasileira de Saúde Ocupacional.

Haddon, W. (1968). The changing approach to the epi-demiology, prevention, and amelioration of trauma: the transition to approaches etiologically rather than descriptively based. American Journal of Public Health, 1968, 58:1431–1438.

Haddon, W. (1980). Advances in the epidemiology of injuries as a basis for public policy. Public Health Report, 95:411-421.

HSE (1993). Health and Safety Executive. Successful Health and Safety Management, Sudbury. (HSG65). 1st ed. Health and safety series book let, 1993.

IBGE (2017) – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Banco de dados SIDRA.

Murhlrad, N., Lassarre, S. (2005). Systems approach to injury control. In: Tiwari, G.; Mohan, D.; Muhlrad, N. eds. The way forward: transportation planning and road safety. New Delhi, Macmillan India Ltd., p. 52-73.

OMS (2012) – Organização Mundial de Saúde e Organização Pan-Americana da Saúde. Relatório Mundial sobre prevenção de lesões causadas pelo trânsito. Brasília.

ONU (2013). Organização das Nações Unidas. Recomendation the transport of dangerous good.

Pedragosa, J. L. (2015). Artigo Prevención Integral. Cuandola Prevención Fracasa. Willian Haddon: La Metodología invstigadora y preventiva. Universitat Politècnica de Catalunya. Espanha.

Prado Filho, H. R. (2017). O transporte terrestre de produtos perigosos sem riscos.

PRF (2018). Polícia Rodoviária Federal. Balanço de Acidentabilidade, 2017 e 2018.

Queiroz, M. T. A.; Silva, A. R.; Florêncio, I. S.; Silva, R. R.; Perpétuo, T. M. C. (2017). Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia. Acidentes no Transporte de Cargas ou produtos Perigosos no Colar Metropolitano do Vale do Aço, Minas Gerais.

Silva, L. G. (2011). O trabalho dos motoristas de caminhão: a relação entre atividade, vínculo empregatício e acidentes de trabalho. Dissertação de Mestrado. São Paulo: Universidade de São Paulo.

Vieira, L. (2019). CCR Nova Dutra. Jornal Aqui. Rio Grande do Sul, 21/01/2019 Barra Mansa, Rio de Janeiro.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-154

Refbacks

  • There are currently no refbacks.