Representação de proteínas para o ensino no nível médio e superior / Representation of proteins for teaching at the high school and college level

Nicéia de Carvalho Betim, Débora Ayame Higuchi

Abstract


As proteínas são macromoléculas formadas por polímeros de aminoácidos constituídas por carbono, hidrogênio e oxigênio e ligados entre si através de ligações peptídicas, podendo ser de origem animal ou vegetal. Sua estrutura determina diversos fatores, tornando-as responsáveis por funções vitais para os seres vivos, pois fornecem material tanto para a construção como para a manutenção dos nossos órgãos e tecidos. Sendo assim, é indispensável compreender seus aspectos estruturais e os mesmos atrelados, principalmente, a sua função. De acordo com o Currículo Do Estado De São Paulo Ciências da Natureza e Suas Tecnologias, o estudo das proteínas é abordado no segundo ano do ensino médio. Além do mais, também é estudo em níveis superiores de formação. Por serem estruturas complexas, ao abordar tal assunto, métodos didáticos podem colaborar no entendimento de forma prática e ilustrativa os fenômenos que as envolvem.

Com base nesses dados, este trabalho traz propostas de representação de proteínas para o nível médio e superior com materiais acessíveis e de baixo custo envolvendo representação de sua estrutura e função com experimentos práticos. Buscando com que o aluno relacione a prática com o teórico e amplifique sua capacidade de compreensão do conteúdo de forma lúdica, tornando o processo de construção de conhecimento científico mais atraente, tendo em vista que a química é uma matéria de difícil aprendizagem devido a sua complexidade e a abstração de determinados conceitos.


Keywords


Proteína, Estrutura, Representação.

References


ALBERTS, B. et al. Biologia molecular da célula. Tradução de Ana Latícia Souza Vanz. Et al. 5 ed. Porto Alegre: Artmed, 2010.

BALBINOT, F. P., RODRIGUES, B. B., DE OLIVEIRA, C. R. M., CHAVES, A. L. S., DO AMARANTE, L., & DE OLIVEIRA, D. D. S. C. A aplicabilidade do projeto “Coleção Cadernos de Bioquímica”. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 1,p.4711-4718jan. 2020.

BRASIL, R. B. NICOLAU, E. S.CABRAL, J. F. SILVA, M. A. P. Estrutura e estabilidade das micelas de caseína do leite bovino. Ciência Animal 25 (2): 71-80, 2015. Disponível em:

. Acesso em: 20 de nov. 2018.

CAMPBELL, M.K.; FARRELL, S.O. Bioquímica, Combo, 5ª ed., São Paulo: Ed. Cengage Learning, 2007.

HARVEY, R.A.; FERRIER, D.R. Bioquímica Ilustrada, 5ª ed.,Porto Alegre: Artmed, 2012.

MORAES, C. da S. et al. Métodos experimentais no estudo de proteínas. Rio de Janeiro: Instituto Oswaldo Cruz, 2013.

NELSON, D. L.; COX, M. M. Princípios de bioquímica de Lehninger. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2011.

SANTOS, A. França ; R. S. Alves; N. S. Leite ; R. P. M. Fernandes, Estudos bioquímicos da enzima bromelina do Ananas comosus (abacaxi), vol.5 n.º 11, 2009. Laboratório de Enzimologia. Departamento de Fisiologia, Universidade Federal de Sergipe, 49100-000, São Cristóvão-SE, Brasil). Disponível em: http://www.scientiaplena.org.br/ojs/index.php/sp/article/viewFile/749/402. Acessado em 05/11/2018.

SGARBIERI, V.C.; Revisão: Propriedades Estruturais e Físico-Químicas das Proteínas do Leite, v.8, n.1, 2005 p. 43-56, Brazilian Journal of Food Technology.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-122

Refbacks

  • There are currently no refbacks.