Os desafios ao professor de estágio supervisionado em tempos de pandemia/ The challenges to the supervised internship teacher in times of pandemic

Telma Bonifácio dos Santos Reinaldo, Rafael de Jesus Pinheiro Privado

Abstract


 Nesse artigo destacamos as contribuições do governo federal e das parcerias com instituições privadas para disseminação das tecnologias da informação e comunicação feitas no Brasil há mais de uma década e de como a sociedade civil escolarizada se comportou mediante aqueles investimentos registrados em documentos oficiais e publicações como o Livro Verde. Analisamos a importância das tecnologias no contexto atual e a falta que estas nos fazem notadamente na formação de professores e nos estágios supervisionados para enfrentarmos aos desafios postos pela pandemia do Covid 19. Caracterizamos a atividade estágio supervisionado no curso de História - licenciatura da Universidade Federal do Maranhão no contexto da pandemia do Covid 19 e de como os professores supervisores de estágio utilizaram as tecnologias da informação e comunicação no contexto da pandemia para amenizar o impacto dessa realidade na vida dos alunos concludentes do curso de História. Concluímos que o estágio supervisionado oferecido de forma remota foi visto como um momento de superação destes desafios mediante ao atendimento da legislação vigente com a utilização das ferramentas que as tecnologias nos oferecem, podemos chegar a situações inovadoras e exitosas no contexto acadêmico.


Keywords


Estágio Supervisionado, Pandemia Covid 19, TIC. Desafios ao Professor.

References


BRASIL. Parecer CNE/CP n. 28/2001, de 2 de outubro de 2001. Dá nova redação ao parecer n. CNE/CP 21/2001, que estabelece a duração e a carga horária dos cursos de formação de professores da educação básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 18 jan. 2002. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/028.pdf Acessado em: 07 de junho de 2020.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação – Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

CARVALHO, A. M. P. de. GIL-PÉREZ, D. A formação de professores de ciências. 6. Ed. São Paulo: Cortez, 2001.

DAROS, Thuinie. Sinpro/AL: Quais são as diferenças entre ensino remoto e EaD?2020. Disponível em: . Acesso em: 05 jul. 2020.

LIBÂNEO, J.C. Pedagogia e pedagogos, para quê? São Paulo: Cortez, 1999. MORAN, José M.; ALMEIDA, Maria E. B. Integração das Tecnologias na Educação.

Salto para o futuro. Secretaria de Educação à Distância. Brasília: MEC, SEED, 2005.

PIMENTA, S.G. (org.). O estágio e a docência. São Paulo: Cortez, 2004.

SANTAELA, L. Da cultura de massa às interfaces na era digital. Revista Faced, Salvador, n.14, p.105-118, jul./dez. 2008. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/bitstream/ri/1185/1/2657.pdf. Acesso em: 24 ago. 2020.

SCHÖN, Donald A. Formar professores como profissionais reflexivos. In: NÓVOA, António (Coord.). Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

SENGE, Peter. Escolas que Aprendem: Um Guia da Quinta Disciplina para Educadores, Pais e Todos que se Interessam por Educação. Porto Alegre: Artmed, 2005.

TAKAHASHI, Tadeo. Sociedade da Informação no Brasil: Livro Verde. Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia, 2000.

TAPSCOTT, D. A Hora da geração digital. Rio de Janeiro: AGIR, 2010.

UNESCO (UIS) e do Cetic.br (Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação. Practical Guide to Implement Surveys on ICT Use in Primary and Secondary Schools. 2020.

UNESCO. Diretrizes de Políticas da Unesco para a aprendizagem móvel. 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2020.

ZEICHNER, Kenneth. M. A formação reflexiva de professores: ideias e práticas. Lisboa: Educa, 1993;




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-118

Refbacks

  • There are currently no refbacks.