Elaboração de fichas técnicas de preparações à base de Ora-Pro-Nóbis: o valor nutricional da PANC brasileira / Elaboration of technical sheets of preparations based on Ora-Pro-Nóbis: the nutritional value of the brazilian UFP

Mirelly Raylla da Silva Santos, Giane Meyre de Assis Aquilino, Waléria Dantas Pereira Gusmão, Ismaell Avelino de Sousa Sobrinho, Isabela Braga Peixoto, Sarah Regina da Silva, Mayra Alves Mata de Oliveira, Mayara Francini Looze, Viviane Carolayne Sampaio de Lima

Abstract


O instrumento que pode reunir os indicadores essenciais à produção adequada de preparações é a Ficha Técnica de Preparação (FTP) que completa, abrange todos os indicadores técnicos e ainda pode ser acrescida da análise nutricional de macro e micronutrientes e custo total. A utilização da FTP beneficia todo o preparo, facilitando a reprodução/execução da receita, e permite estimar o valor nutricional das preparações para compor planos alimentares. Dessa forma, o objetivo do presente estudo consiste em elaborar fichas técnicas de preparações à base de ora-pro-nóbis para divulgar o valor nutricional da PANC brasileira através da reprodução de receitas de baixo custo de preparações à base de ora-pro-nóbis, analisando todos os componentes da Ficha Técnica (Per Capita), pesos bruto e líquido, fatores de correção e cocção, medidas caseiras, porção, técnica de preparo, rendimento e custo, análise química dos ingredientes). Trata-se de um estudo de caráter analítico e descritivo iniciado a partir da coleta de dados teóricos sobre as preparações para a reprodução das receitas, visando a análise química das preparações à base de ora-pro-nóbis. Das 22 receitas selecionadas para compor o cardápio semanal, 19 foram reproduzidas no Laboratório de Técnica Dietética (LTD) do curso de Nutrição do CESMAC, Maceió-AL: salada de folhas cruas, omelete, ora-pro-nóbis refolgada, arroz, feijão tropeiro, sorvete, chá, purê, peixe, escondidinho de frango com ora-pro-nóbis, suchá, farofa, torta de limão e ora-pro-nóbis, bolo, frango, refrigerante, flau, vinagrete e feijão caseiro. As preparações foram distribuídas em um cardápio para cinco dias, cada um contendo: entrada, guarnição, prato principal, acompanhamento, sobremesa e bebida.  As folhas de ora-pro-nóbis foram coletadas na horta de plantas medicinais do Centro Universitário Cesmac, localizada em Marechal Deodoro-AL. Pode-se observar que o acréscimo da ora-pro-nóbis contribuiu com significativo aumento do aporte proteico das preparações, principalmente em preparações que originalmente não são tidas como fontes proteicas, como por exemplo, bebidas (chá, suchá, refrigerante caseiro), sobremesas (bolo, torta, sorvete e flau gourmet), guarnições (purê, refolgado de folhas e farofa) e acompanhamentos (arroz e feijão). Notou-se, ainda, que haveria a possibilidade de aumentar a quantidade de ora-pro-nóbis em todas as 19 preparações, de forma que não alterasse as características organolépticas das preparações e aumentasse a oferta proteica. A popularização das PANC representa ganhos importantes do ponto de vista cultural, econômico, social e nutricional, considerando a tradição no cultivo e a sua contribuição em termos nutricionais. Trata-se, portanto, de uma questão de segurança e de soberania alimentar estimular a produção e consumo das plantas alimentícias não-convencionais.  


Keywords


Planta alimentícia não convencional. Ora-Pro-Nóbis. Estado nutricional. Cultura alimentar. Proteína.

References


BARREIRA, TF. et al. Diversidade e equitabilidade de Plantas Alimentícias Não Convencionais na zona rural de Viçosa, Minas Gerais, Brasil. Rev. Bras. Pl. Med., Campinas, v. 17, n. 4, supl. II, p. 964-974, 2015.

NESBITT, M. et al. Linking biodiversity, food and nutrition: The importance of plant identification and nomenclature. Journal of food composition and analysis, v. 23, n. 6, p. 486-98, 2010.

VOGGESSER, G. et al. Cultural impacts to tribes from climate change influences on forests. Climatic change, v. 120, n. 3, p. 615-26, 2013.

ROCHA, DRC. Macarrão adicionado de ora-pro-nóbis (Pereskia aculleata Miller) desidrato. Alimentos e Nutrição. v. 19, n. 4, p. 459-465, 2008.

KINUPP, VF; LORENZI, H. Plantas alimentícias não convencionais (PANC) no Brasil: guia da identificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas. São Paulo: Instituto Plantarum de Estudos da Flora. 2015. 767p.

MAHAN, LK; RAYMOND, JL. Krause Alimentos, Nutrição & Dietoterapia. 14° Edição. São Paulo, Editora Roca, 2018. 1160p.

ARAÚJO, W. et al. Alquimia dos Alimentos. Brasília: Editora SENAC-DF, 2009.

AKUTSU, R. et al. A ficha Técnica de Preparação como Instrumento de Qualidade na Produção de Refeições. Revista de Nutrição, v. 18, n. 2, p. 277-279, 2005.

9. PHILIPPI, S. T. Nutrição e Técnica Dietética. 1ª Reimpressão, Barueri – São Paulo: Manole, 2004.

CRAWFORD, A. MC. D. Alimentos – Seleção e Preparo. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Record, 1985. 383p.

DIAS, A. C. P. et al. Avaliação do consumo de hortaliças não convencionais pelos usuários das unidades do programa saúde da família (psf) de Diamantina - MG. Alim. Nutr., v. 16, n. 3, p. 279-284, 2005.

CASTRO, J. Geografia da fome: o dilema brasileiro: pão ou aço. 10.ed. Rio de Janeiro: Antares, 1974. 316p.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Manual de hortaliças não-convencionais. 1. ed. Brasília. 2010.

SOUZA, M. R. et al. Mineral, proteinand nitrate contents in leaves of Pereskiaaculeate subjected to nitrogen fertilization. Pesquisa Agropecuária Tropical, v. 46, n. 1, p. 43-50, 2016.

SILVA, A. M. et al. Utilização Integral de Frutas e Vegetais na Elaboração de Novas Fontes Alimentícias. Rev. International Journal of Nutrology, v.1, n.1, 2018.

AIOLF, A. H.; BASSO, C. Preparações elaboradas com aproveitamento integral dos alimentos. Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, v. 14, n. 1, p. 109-114, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-112

Refbacks

  • There are currently no refbacks.