Fratura maxilo-mandibular com comunicação bucosinusal causadas por ferimento de arma de fogo (faf): relato de caso / Maxillomandibular fracture with buccosinusal communication caused by gunshot wound (gsw): case report

Clara Maria Bezerra de Almeida, César Feitoza Bassi Costa, Eduardo Francisco de Deus Borges, Juliana Maria Araújo Silva, Tainá Burgos Gusmão, Jeferson Freitas Aguiar

Abstract


A face é composta por ossos firmemente articulados entre si, sendo rica em estruturas nobres como músculos e feixes vásculo-nervosos.  Assim, mediante ferimentos por arma de fogo (FAF), tais estruturas podem ser lesionadas, culminando em sequelas físicas e emocionais impossibilitantes. Os principais fatores associados a esse trauma incluem abuso de álcool e de drogas, suporte inadequado para saúde mental e as desigualdades socioeconômicas. Majoritariamente são afetados homens jovens e os principais sítios de fraturas faciais englobam os terços médio e inferior da face.  Desse modo, o objetivo desse artigo é relatar um caso de tratamento tardio de paciente vítima de FAF, com fratura mandibular associada a comunicação bucosinusal, abordado pela equipe de Cirurgia e Traumatologia Bucomaxilofacial do Hospital Manoel Victorino - Bahia.  Paciente vítima de FAF, sexo masculino, 45 anos, cursando com fraturas de assoalho de seio maxilar à direita e de sínfise mandibular. Com base nos exames de imagem (Waters, Perfil e Tomografia Computadorizada) foram constatadas as fraturas, sendo proposta abordagem cirúrgica. O acesso foi realizado em fundo de vestíbulo mandibular anterior, seguido de desbridamento, irrigação abundante, redução e fixação interna da fratura de sínfise mandibular com uma placa do sistema 2.4 mm.  Em contrapartida, o fechamento da fístula bucosinusal foi obtido com retalho de mucosa jugal à direita. O atendimento emergencial de traumas faciais por arma de fogo deve ser norteado pelo Suporte Avançado de Vida no Trauma (ATLS) e o tratamento precedido de irrigação abundante, desbridamento e hemostasia. No entanto, para a recuperação estético-funcional da face, a intervenção e acompanhamento do cirurgião-bucomaxilofacial é imperativa, visando redução e fixação de fraturas que limitam oclusão, mastigação e fonação. Além disso, o fechamento da comunicação bucosinusal deve ser precoce, e a antibioticoterapia corretamente empregada, evitando complicações imediatas e/ou tardias como infecção do seio maxilar.

 

 


Keywords


Traumatologia, Ferimentos por Arma de Fogo, Mandíbula, Fixação Interna de Fraturas, Fístula Bucoantral.

References


Momeni Roochi M, Razmara F. Maxillofacial gunshot injures and their therapeutic challenges: Case series. Clin Case Rep. 2020;8(6):1094-1100. Published 2020 Apr 13. doi:10.1002/ccr3.2827

The Global Burden of Disease 2016 Injury Collaborators. Global Mortality From Firearms, 1990-2016. JAMA. 2018; 320 (8): 792–814. doi: 10.1001 / jama.2018.10060

Miloro M., et al. Princípios de Peterson de Oral e MaxilofacialCirurgia. Vol Cap 16. Londres: BC Deckerinc; 2004: 295-30

Abramowicz S, Allareddy V, Rampa S, Lee MK, Nalliah RP, Allareddy V. Facial Fractures in Patients With Firearm Injuries: Profile and Outcomes. J Oral Maxillofac Surg. 2017 Oct;75(10):2170-2176.

Maia ABP, Assis SG, Ribeiro FML, Pinto LW. The marks of gunshot wounds to the face. Braz J Otorhinolaryngol. 2019 Sep 5:S1808-8694(19)30093-X.

Muddassar M, Arshad R, Rabbani S, Qureshi IS, Khattak IK, Rana Z. Management of Gunshot Injuries of Mandible with Open Reduction and Internal Fixation versus Closed Reduction and Maxillo-mandibular Fixation. Cureus. 2020;12(4):e7830. Published 2020 Apr 25.

Waiselfiz JJ. Mapa da violência 2016: homicídios de armas de fogo no Brasil. Rio de Janeiro: FLACSO; 2016.

da Silva Filho F, Costa MR, da Silva ILI, Vasconcelos RG. Sequelas craniofaciais em vítimas de arma de fogo: uma revisão de literatura. Braz. J. Surg. Clin. Res. 2019 Mai; 26(2):85-88

Mittal G, Aggrawal A, Garg R, Sharma S, Rathi A, Sharma V. Um estudo prospectivo clínico comparativo randomizado na ostiossíntese de fraturas anteriores mandibulares após redução aberta usando parafusos lag e miniplacas. Natl J Maxillofac Surg . 2017; 8 (2): 110-116. doi: 10.4103 / njms.NJMS_38_17

Procacci P, Alfonsi F, Tonelli P, et al. Surgical Treatment of Oroantral Communications. J Craniofac Surg. 2016;27(5):1190-1196. doi:10.1097/SCS.0000000000002706

Skoglund LA, Pedersen SS, Holst E. Surgical management of 85 perforations to the maxillary sinus. Int J Oral Surg. 1983;12(1):1-5. doi:10.1016/s0300-9785(83)80073-8

Vivar DEP, Villasana JEM, Lumbreras ASC. Gunshot caused facial wound. Literature review and clinical study of three cases. Rev Odont Mex. 2017;21 (2): e125-e132.

Schilli W. Compression osteosynthesis. J Oral Surg. 1977; 35 : 802–8.

Ellis E., 3rd A fixação por parafuso lag é superior à fixação por placa para tratar fraturas da sínfise mandibular? J Oral Maxillofac Surg. 2012; 70 : 875–82.

Fusetti S, Emanuelli E, Ghirotto C, et al. Fístula oroantral crônica:abordagem endoscópica combinada e intraoral sob anestesia local. J Otolaryngol Head Neck Surg. 2013; 34: 323–3269.

Batra H, Jindal G, Kaur S. Avaliação de diferentes modalidades de tratamentopara o fechamento de comunicações oro-antrais e formulação de um racionalaproximação. J Oral Maxillofac Surg 2010; 9: 13-1812.

del Rey Santamaria M, Valmaseda CE, Berini AL, et al. Incidência decomunicações do seio oral em 389 extrações do terceiro molar superior. Med Oral Patol Oral Cir Bucal 2006; 11: 334

Visscher H, van Minnen B, Bos RR. Fechamento de oroantralcomunicações: uma revisão da literatura. J Oral Maxillofac Surg. 2010; 68: 1384–139111.

Kim MK, Han W, Kim SG. O uso do retalho do coxim adiposo bucal para reconstrução oral. Maxillofac Plast Reconstr Surg. 2017; 39 (1): 5. doi: 10.1186 / s40902-017-0105-5.

Liversedge RL, Wong K. Uso do coxim adiposo bucal na enxertia de maxila e seio maxilar gravemente atrófica preparatória para implante de reconstrução de paciente parcial ou totalmente edêntulo: nota técnica. Int J Oral Maxillofac Implants. 2002; 17 (3): 424–428.

Kraut RA, Smith RV. Abordagem em equipe para fechamento de fístulas oroantrais e oronasais. Atlas Oral Maxillofac Surg Clin North Am. 2000; 8 (1): 55–75. doi: 10.1016 / S1061-3315 (18) 30042-8.

Parvini P, Obreja K, Begic A, Schwarz F, Becker J, Sader R, Salti L. Decision-making in closure of oroantral communication and fistula. Int J Implant Dent. 2019 Apr 1;5(1):13.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-086

Refbacks

  • There are currently no refbacks.