Parceria sino-brasileira e a inserção do nordeste na rota dos investimentos chineses/ Sino-brazilian partnership and the inserting of the northeast in the route of chinese investments

Renata Jane Gomes Sarmento, José Elesbão de Almeida

Abstract


com taxa média de até dois dígitos ao ano, entre 1990 e 2010, e de cercas de 6,5%, a. a. entre 2010 e 2019. Esse rápido crescimento deve-se a um conjunto de políticas executadas pelo Estado, combinadas à abertura econômica para o resto do mundo, inclusive para o Brasil. A partir de 2010, com a consolidação da estratégia de internacionalização das empresas chinesas e a abrangência dos acordos comerciais, as relações entre esses dois países vivem uma nova etapa com muitos investimentos. No âmbito regional brasileiro, as regiões Sudeste e Nordeste se destacam como as que mais receberam investimento chineses nas duas décadas dos anos 2000. Assim, o objetivo do presente trabalho consiste em discutir sobre as relações Brasil-China, principalmente no que se refere às externalidades econômicas positivas dos investimentos chineses na região nordestina, indicando as áreas de interesse, assim como os setores prioritários. Para a execução do trabalho foram utilizados dados publicados pelo Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC), Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI), além de vários estudos desenvolvidos por especialistas no tema, bem como artigos de revistas, periódicos e dados da web.

 


Keywords


Desenvolvimento, China, Brasil, Nordeste.

References


BARBOSA, A. de F.; MENDES, R. C. As Relações econômicas entre Brasil e China: Uma parceria difícil. Janeiro-2006. Disponível em: www.observatoriosocial.org.br. Acesso em: 13 de maio, 2019.

BARBOSA, R. “O modelo chinês de desenvolvimento”. O Estado de São Paulo. Disponível em: https://opiniao.estadao.com.br. Acesso em: 20 de junho de 2019.

BRASIL. Ministério da Economia. Boletim de Investimentos Estrangeiros, ano 3, jul.-set. 2019.

BRITTO, R. de P.; BRUNHARA, A. J; BRITTO, E. M. de O. China e Brasil, parceiros ou concorrentes no comércio internacional? Disponível em: www.ead.fea.usp.br Acesso em 15 de junho, 2019.

CEBC. Investimentos Chineses no Brasil - Uma nova fase da relação Brasil-China, maio, 2011.

CEBC. Uma análise dos Investimentos Chineses no Brasil 2007-2012, junho, 2013.

CEBC. Boletim de Investimentos Chineses no Brasil 2012-2013, março de 2014.

CEBC. Investimentos Chineses no Brasil - Uma nova fase da relação Brasil-China, maio, 2016.

CEBC. Oportunidade de Comércio e Investimento na China, abril de 2018.

CEBC. Investimentos chineses no Brasil 2018, junho de 2019a.

CEBC. O Futuro da China e as Oportunidades para o Brasil, setembro de 2019b.

CEBRI. China-Brasil: O Estado da Relação, outubro de 2019.

CHANG-SHENG, S. Interações entre Mao e os guardas vermelhos na revolução cultural. Diálogos, DHI/PPH/UEM, v. 9, n3, 2005. Disponível em: www.uem.br. Acesso em 20 de maio, 2019.

CINTRA, M. A. M.; PINTO, E. C. “China em transformação: transição e estratégias de desenvolvimento”. Revista de Economia Política, vol. 37, nº 2, abril-junho, 2017.

CUNHA, A. M. ACIOLY, L. China: Ascenção á condição de potência global – características e implicações. In: CARDOSO JUNIOR, J. C. et al. (Org). Trajetórias recentes de desenvolvimento: estudos de experiências internacionais selecionadas. Brasília: IPEA, 2009.

COGUETO, J.V; SHISHITO, A.A. Formação territorial da região Nordeste do Brasil: uma perspectiva espacial, ideológica e política. Acesso em 10 de junho, 2019.

FAIRBANK, J. K. China: uma nova história. 2 ed. Porto Alegre: L&PM, 2007.

HOLLAND, M; BARBI, F. China na América Latina: uma análise da perspectiva dos Investimentos Diretos Estrangeiros. Março 2010. Disponível em: www.cebc.org.br Acesso em 10 de junho, 2019.

JABBOUR, E. China: infraestrutura e crescimento econômico. São Paulo: A. Garibaldi, 2006.

LEÃO, R. P. F. O padrão de acumulação e o desenvolvimento econômico da China nas últimas três décadas: uma interpretação. Campinas: UNICAMP, 2010. Dissertação de Mestrado.

MARQUES, E. O Milagre Econômico da China: paralelo entre o crescimento brasileiro e o chinês. São Paulo: Saint Paul Editora, 2009.

MEDEIROS, C. A. Economia e política de desenvolvimento recente na China. Revista de Economia Política, vol. 19, n. 3, 1999.

MYRDAL, G. Teoria Econômica e Regiões Subdesenvolvidas. 3. ed. Rio de Janeiro: Editora Saga, 1972.

National Bureau of Statistics of China, 2019. Disponível em: http://www.stats.gov.cn/enGliSH/

PERROUX, F. A Economia do Século XX. Lisboa: Helder, 1967.

RENAI. Rede Nacional de Informações sobre Investimentos. Panorama de anúncios de investimentos no Brasil. Brasília, abril de 2020.

SCHERER, André L. F. (2015) “A nova estratégia de projeção geoeconômica chinesa e a economia brasileira”, Revista Paranaense de Desenvolvimento, v. 36, n. 129. Curitiba: IPARDES, jul.-dez. 2015.

TIOSSI, F. M.; SIMON, A. T. “Economia Circular: suas contribuições para o desenvolvimento da Sustentabilidade”. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v.7, n. 2, feb. 2021.

UNCTAD. United Nations Conference on Trade and Development. World Investment Report 2014. New York and Geneva, 2014.

VILLELA, E. V. M. As relações comerciais entre Brasil e China e as possibilidades de crescimento e diversificação das exportações de produtos brasileiros ao mercado consumidor chinês. 2004. Disponível em: www.pucsp.br. Acesso em: 15 de maio de 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-067

Refbacks

  • There are currently no refbacks.