O que pode fazer o psicologo na escola: reflexões preliminares/What psychology can do in school: preliminary reflections

Adriana Moreira dos Santos Ferreira, Estefani Vidal Zambi

Abstract


A produção acadêmica em psicologia escolar tem apontado para práticas profissionais ainda calcadas em um modelo de atuação clínica. Consequentemente, nota-se que algumas instituições escolares mantêm a concepção de que o trabalho do psicólogo escolar se restringe ao atendimento a alunos com queixas escolares. O presente trabalho refere-se à atividade da disciplina Psicologia Escolar e Educacional do curso de psicologia da FAFIA, que buscou conhecer o entendimento da comunidade escolar sobre a atuação do psicólogo escolar neste ambiente. Para tanto, em novembro de 2018, aplicou-se questionários a representantes de cada segmento da referida comunidade de instituições públicas de ensino de municípios da região do Caparaó - ES. Respaldados em autores que defendem a atuação crítica desse profissional, enfocando a instituição escolar e as relações sociais que ali se dão, entendendo o processo educativo como multifatorial e a queixa escolar como multideterminada, defende-se o trabalho com amplos segmentos da comunidade escolar, em busca de uma atuação preventiva. Em uma aproximação inicial verifica-se que, embora se encontre grande número de respostas que restringem a atuação do psicólogo escolar ao atendimento aos alunos, os dados também indicam um conhecimento mais amplo da atuação deste profissional, a partir da ocorrência da menção a uma atuação junto à equipe diretiva, professores, famílias e demais funcionários da escola, mesmo que em menor número. Este dado aponta para uma mudança de compreensão acerca do que pode fazer o psicólogo escolar na escola, apontando, além disso, para uma melhoria na formação inicial de psicólogos para atuar no mencionado contexto.


Keywords


Atuação Preventiva, Queixa Escolar, Psicologia Escolar.

References


Andrada, E. G. C. (2005). Novos paradigmas na prática do psicólogo escolar. Psicologia: Reflexão e Crítica, 18(2), 196-199. Recuperado em 26 de maio de 2019 de http://www.scielo.br/pdf/%0D/prc/v18n2/27470.pdf.

Aquino, F. S. B, Lins, R. P. S, Cavalcante, L. A. & Gomes, A. R. (2015). Concepções e práticas de psicólogos escolares junto a docentes de escolas públicas. Psicologia Escolar e Educacional, 19(1), 71-78. Recuperado em 26 de maio de 2019 de: https://dx.doi.org/10.1590/2175-3539/2015/0191799.

Ezpeleta, J. & Rockwell, J. (1986). Pesquisa Participante. São Paulo: Cortez.

Guzzo, Raquel S. L., Mezzalira, Adinete S. C., Moreira, Ana Paula Gomes, Tizzei, Raquel Pondian, & Silva Neto, Walter Mariano de Faria. (2010). Psicologia e Educação no Brasil: uma visão da história e possibilidades nessa relação. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 26(spe), 131-141. https://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722010000500012

Lapo, F. R., & Bueno, B. O. (2003). Professores, desencanto com a profissão e abandono do magistério. Cadernos de Pesquisa, 118, 65-88. Recuperado em 2 de junho de 2019 de: http://www.scielo.br/pdf/cp/n118/16830.

Lisboa, C., Campos, D. M, Dias, T. O. Os desafios no cotidiano da escola: violência, clima social escolar e bullying. In: R. S. L. Guzzo & C. M. Marinho-Araújo (Orgs.). Psicologia escolar: identificando e superando barreiras (Cap. 12, pp.245-260). Campinas: Alínea.

Lima, A. O. (2005). Breve Histórico da Psicologia Escolar no Brasil. Psicologia Argumento, 23(42), 17-23. Recuperado em 19 de maio de 2019 de: https://periodicos.pucpr.br/index.php/psicologiaargumento/article/view/19637.

Marinho-Araújo, C. M., & Almeida, S. F. C. de (2005). Psicologia Escolar: Construção e Consolidação da Identidade Profissional. Campinas: Editora Alínea.

Martinez, A. M. O que pode fazer o psicólogo na escola? Em Aberto, Brasília, 23(83), 39-56, mar. 2010.

Neves, M. M. B. J. (2015) A atuação do psicólogos escolares no distrito federal. In: C. M. Marinho-Araújo (Org.). Psicologia escolar: novos cenários e contextos de pesquisa, formação e prática (Cap.3, pp.47-63). Campinas: Alínea.

Neves, M. M. B. J (2011). Queixas escolares: conceituação, discussão e modelo de atuação. In: R. S. L. Guzzo & C. M. Marinho-Araújo (Orgs.). Psicologia escolar: identificando e superando barreiras (Cap. 8, pp.175-192). Campinas: Alínea.

Oliveira, C. B., & Marinho-Araújo, C. M. (2009). Psicologia Escolar: cenários atuais. Estudos e Pesqusisas em Psicologia, 9(3), 648-663. Recuperado em 19 de maio de 2019 de: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/epp/v9n3/v9n3a07.pdf.

Patias, N. D, Blanco, H. M, & Abaid, J. L. W. (2009). Psicologia escolar: proposta de intervenção com professores. Cadernos de Psicopedagogia, 7(13), 42-60. Recuperado em 26 de maio de 2019, de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S167610492009000100003&lng=pt&tlng=pt.

Patto, M. H. S. (Org). (1997). Introdução à psicologia escolar. 3 ed. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Patto, M. H, S. (2015). A produção do fracasso escolar: histórias de submissão e rebeldia. 4 ed. São Paulo: Intermeios.

Pozzobon, M; Pezzi, F. A. S & Marin, A. H. (2014). Compartilhando saberes: relato de uma intervenção com professores. Aletheia, (43-44), 239-247. Recuperado em 26 de maio de 2019 de: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/aletheia/n43-44/n43-44a18.pdf.

Prodanov, C. C., Freitas, E. C. (2013). Metodologia do Trabalho Científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. Novo Hamburgo: Feevale.

Rebolo, F.; Bueno, B. O. (2014). O bem-estar docente: limites e possibilidades para a felicidade do professor no trabalho. Acta Scientiarum. Education, 36(2), 323-331. Recuperado em 26 de maio de 2019 de http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/ActaSciEduc/article/view/21222/13230.

Souza, Marilene Proença Rebello de. (2007). Reflexões a respeito da atuação do psicólogo no campo da psicologia escolar/educacional em uma perspectiva crítica. In: H. R Campos (Org.), Formação em psicologia escolar: realidades e perspectivas (Cap. 7, pp. 149-162). Campinas: Alínea, 2007.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-058

Refbacks

  • There are currently no refbacks.