Governança e responsabilidade social: um estudo de caso da fazenda Don Aro / Governance and social responsibility: a case study of the Don Aro farm

Sara dos Santos Medrado, Saiane Barros de Souza, Thelma Jakliny Martins Arruda, Mariluce Paes-de -Souza

Abstract


O agronegócio desempenha um papel cada vez mais relevante na economia brasileira, porém historicamente exerce o maior impacto ambiental por meio de práticas de desmatamento até então adotadas, nessa conjuntura o retrato da Amazônia não é diferente. Assim, o artigo propõe responder a seguinte pergunta: qual o padrão de governança e responsabilidade social adotados pela fazenda Don Aro e qual a percepção dos parceiros de negócio sobre essa prática como diferencial competitivo? Adota-se como objetivo geral analisar os processos de governança frente às possibilidades de responsabilidade social da fazenda Don Aro. Nesse contexto, as boas práticas de governança e responsabilidade Social convertem princípios em recomendações objetivas, com a finalidade de preservar e otimizar o valor da organização, facilitando seu acesso ao capital e contribuindo para a sustentabilidade do negócio, um instrumento de estratégia competitiva, traz uma nova perspectiva para o agronegócio da região norte do Brasil, apresentando-se como modelo capaz de gerar lucro, menor impacto ambiental e garantir o bem-estar social. Permitindo maior visibilidade das práticas de governança pela Fazenda Don Aro para que possa servir de referência para outras organizações da agrossilvicultura, bem como, embasar políticas públicas. A presente pesquisa é de natureza qualitativa com caráter descritivo e exploratório, utilizando-se do método de estudo de caso. com uso de observação de campo, entrevistas semiestruturadas e coleta de dados secundários a partir do planejamento da propriedade, e foram analisados com técnica de análise de conteúdo, considerando a revisão bibliográfica como base de sustentação ao trabalho.


Keywords


Responsabilidade Social, Governança, Agronegócio.

References


ABNT NBR ISO 26000- Diretrizes sobre a responsabilidade social. The Corporate Responsibility Code Book [2nd edn]. 2010. https://doi.org/10.9774/GLEAF.978-1- 907643-27-9_9

ALMEIDA, Fernando. Empresa e responsabilidade social. Gazeta Mercantil, São Paulo, publicado em 15 de junho de 1999.

ANDRADE, Adriana; ROSSETTI, J. P. Governança Corporativa: fundamentos, desenvolvimento e tendências. São Paulo: Atlas, 2011.

Bardin, L. Análise de conteúdo (L. de A. Rego & A. Pinheiro, Trads.). Lisboa: 2006. Edições

(Obra original publicada em 1977).

BORGES, L. F. X.; SERRÃO, C. F. B. Aspectos de governança corporativa moderna no Brasil. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v. 12, n. 24, p. 111-148, dez. 2005.

CARROLL, A. B. A three-dimensional conceptual model of corporate performance. Academy of Management Review, 1979, Vol. 4, 497–505.

CARROLL, A. B. The pyramid of corporate social responsibility: toward the moral management of organizational stakeholders. Business Horizons, 1991, 39–48. https://doi.org/https://doi.org/10.1177/0312896211432941

CARROLL, A.B. Corporate social responsibility? Evolution of a definitional construct.

Business & Society, Vol. 38, No. 3, pp. 268–295, 1999.

CARROLL, A. B. Corporate social responsibility: The centerpiece of competing and complementary frameworks. Organizational Dynamics, 2015, 44(2), 87–96. https://doi.org/10.1016/j.orgdyn.2015.02.002

CERDA, A. C. Tender offers, takeovers and corporate governance. São Paulo, 2000.

Disponível em https://www.oecd.org/corporate/ca/corporategovernanceprinciples/1922420.pdf Acesso em 15 jun 2018.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto (2a ed., L. de O. Rocha, Trad.). Porto Alegre: Artmed, 2007.

ETHOS - Instituto de Empresas e Responsabilidade Social. (2012). Valores, transparência e governança. Disponível em https://www3.ethos.org.br/conteudo/gestao-socialmente- responsavel/valores-transparencia-e-governanca/#.W1kIYLgnbIU . Acesso em 15 de junho.

FRIEDMAN, C. The social responsibility of business is to increase its profits. New York Times Magazine, 1970.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ed. São Paulo: Atlas, 2009.

IBGC. (2015). Código das Melhores Práticas de Governança Corporativa. Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. https://doi.org/10.1007/s13398-014-0173-7.2

IBGC. (2017). Governança Corporativa e Boas práticas de Comunicação.

LEE, M. D. P. A review of the theories of corporate social responsibility: Its evolutionary path and the road ahead. International Journal of Management Reviews, 2008, 10(1), 53–73. https://doi.org/10.1111/j.1468-2370.2007.00226.x

OCDE. (2004). Os Princípios da OCDE sobre o Governo das Sociedades, 70. https://doi.org/10.1787/9789264064980-pt

PELIANO, A. M. T. M. Bondade ou Interesse? como e por que as empresas atuam na área social. Brasilia, DF: IPEA. 2001, Disponível em http://www.ipea.gov.br/agencia/images/stories/PDFs/livros/livro_bondade.pdf . Acesso em 13 jun 2018.

PORTER, M. E., & KRAMER, M. R. The Competitive Advantage of Corporate Philanthropy. Harvard Business Review, 2002, 413–436. https://doi.org/10.1177/0007650306297941

YIN, Robert K. Case study research - design and methods. Sage Publications Inc., USA, 1989.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. Ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-006

Refbacks

  • There are currently no refbacks.