Calendário ilustrativo: uma abordagem no combate à doença de chagas e seus vetores / Illustrative calendar: an approach to combating chagas disease and its vectors

Cibele Velleda dos Santos, Tanise Freitas Bianchi, Ítalo Ferreira de Leon, Luiz Felipe Telles, Tania Stasiak Wilhelms, Cleonara Bedin, Francele de Abreu Carlan, Marcos Marreiro Villela

Abstract


Atualmente, no Brasil, as atividades de controle da transmissão vetorial da doença de Chagas (DCH) são calcadas na vigilância dos vetores com participação comunitária, a partir nas notificações de insetos suspeitos de serem “barbeiros”, pela população. Diversos métodos didáticos podem ser empregados no avanço do conhecimento e sensibilização do público alvo para que haja maior adesão ao Programa de Controle da doença de Chagas (PCDCh). Sendo assim, esse trabalho teve como objetivo a elaboração e distribuição de um calendário ilustrado sobre a DCH, que abordasse como devem ser conduzidas as capturas dos vetores e os modos de prevenção da doença. Como resultado, produziram-se nove mil cópias de um calendário ilustrativo intitulado “Calendário Doença de Chagas”, distribuído para a população rural do Rio Grande do Sul, Brasil, com frases, figuras e ilustrações no que concerne, sobretudo, o combate, captura e a notificação correta dos vetores da doença, além de citações que auxiliam na prevenção de acidentes com animais peçonhentos e dicas de promoção da saúde. Assim, concebeu-se uma nova ferramenta educativa para o fortalecimento da vigilância entomológica da afecção, tendo a possibilidade de replicação em diversas localidades endêmicas.


Keywords


Tripanossomíase americana, educação em saúde, triatomíneos

References


World Health Organization (WHO). Chagas disease (American trypanosomiasis). Neglected tropical diseases. 2018. [acessado 2017 Agosto 14]. Disponível em: http://www.who.int/neglected_diseases/diseases/en/

Tarleton RL. Chagas disease: a solvable problem, ignored. Trends Mol Med. 2016;22(10):835-8.

Oliveira JD, Alevi KC. Taxonomic status of Panstrongylus herreri Wygodzinsky, 1948 and the number of Chagas disease vectors. Rev Soc Bras Med Trop. 2017;50(3):434-5.

Galvão, C, organizador. Vetores da doença de chagas no Brasil: Curitiba: Sociedade Brasileira de Zoologia 2014.

Rosenthal LD, Vieira JN, Jeske S, Bianchi TF, Villela MM. Conhecimentos sobre a doença de Chagas e seus vetores em habitantes de área endêmica do Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saúde Colet. Forthcoming 2020.

Coura JR, Viñas PA. Chagas disease: a new worldwide challenge. Nature 2010; 465:6-7.

Rassi A, Marin-Neto JA. Chagas disease. Lancet 2010; 375:1388-402.

Dias JVL, Queiroz DRM, Diotiuti LP, Herton HR. Conhecimentos sobre triatomíneos e sobre a doença de Chagas em localidades com diferentes níveis de infestação vetorial. Cien Saúde Colet. 2016; 21:2293-304.

Santana RAG, Guerra MGVB, Sousa DR, Couceiro K, Ortiz JV, Oliveira M, et al. Oral Transmission of Trypanosoma cruzi, Brazilian Amazon. Emerg Infect Dis. 2019;25:132-5. doi: 10.3201/eid2501.180646

Vinhaes MC, Dias JCP. Doença de Chagas no Brasil. Cad Saúde Pública. 2000; 16:7-12.

Fundação Nacional de Saúde. FUNASA. Manual de orientações técnicas para elaboração de projeto de melhoria habitacional para o controle da doença de Chagas / Fundação Nacional de Saúde. – Brasília. 2004;54 p.

Santos CVD, Bedin C, Wilhelms TS, Villela MM. Assessment of the Housing Improvement Program for Chagas Disease Control in the Northwestern municipalities of Rio Grande do Sul, Brazil. Rev Soc Bras Med Trop. 2016;49: 572-8.

Dias JCP. Doença de Chagas, ambiente, participação e Estado. Cad Saúde Pública. 2001;17:165-9.

Villela MM, Pimenta DN, Lamounier PA, Dias JCP. Avaliação de conhecimentos e práticas que adultos e crianças têm acerca da doença de Chagas e seus vetores em região endêmica de Minas Gerais, Brasil. Cad Saúde Pública 2009;25:1701-10.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Gabinete do Ministro. Portaria nº 2.761, de 19 de novembro de 2013. Institui a Política Nacional de Educação Popular em Saúde no Âmbito do Sistema Único de Saúde (PNEPS-SUS). Diário Oficial da União; 2013.

Rocha MSPML. Desenvolvimento da memória mediada em práticas pedagógicas: construção e uso de calendários por crianças da Educação Infantil. Pro-Prosições. 2018; 29(3):66-81.

Lima MB, Rebouças CBA, Castro RCMB, Cipriano AB, Cardoso MVLML, Almeida PC. Construção e validação de vídeo educativo para orientação de pais de crianças em cateterismo intermitente limpo. Rev Esc Enferm USP. 2017;51:e03273.

Bianchi TN, Santos CV, Jeske S, Grala APG, Moura MQ, Madia DS, et al. Health education in chagas disease control: making an educational vídeo. Ver Patol Trop. 2018; 47:116-24. doi: 10.5216/rpt.v47i2.54215

Freire, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

Brasil. Ministério da Saúde (MS). Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. II Caderno de educação popular e saúde/Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Brasília: MS, 2014.

Bedin C, Mello F, Wilhelms TS, Torres MA, Estima C, Ferreira CF, Sehn L. Vigilância Ambiental: Doença de Chagas no Rio Grande do Sul. Secretaria da Saúde do Rio Grande do Sul. Boletim Epidemiológico. 2009;11(3):1-8.

Gürtler RE, Cecere MC, Fernández MP, Vazquez-Prokopec GM, Ceballos LA, Gurevitz JM, et al. Key source habitats and potential dispersal of Triatoma infestans populations in Northwestern Argentina: implications for vector control. PLoS Negl Trop Dis. 2014;8:e3238. doi: 10.1371/journal.pntd.0003238.

Araújo AC, Rodrigues SC, Rezende AFS, Villela MM, Borsuk S. Soroprevalência de infecção humana por Trypanosoma cruzi em uma área rural do sul do Brasil. Rev Patol Trop. 2015;44:423-31. Doi: 10.5216/rpt.v44i4.39230

Pedroso D, Santos CV, Novicki A, Berne MEA, Villela MM. Retrospective study of seroreactivity to Trypanosoma cruzi in blood donors in the northwestern region of Rio Grande do Sul, Brazil. Rev Patol Trop. 201;45:161-8. Doi: 10.5216/rpt.v45i2.41837

Rosenthal LA, Petrarca CR, Villela MM. Trypanosoma cruzi seroprevalence and associated risk factors in cancer patients from Southern Brazil. Rev Soc Bras Med Trop. 2016;49:768-71. Doi: 10.1590/0037-8682-0202-2016

Stauffert D, Silveira MF, Mesenburg MA, Manta AB, Dutra AS, Bicca GLO, et al. Prevalence of Trypanosoma cruzi/HIV coinfection in southern Brazil. Braz J Infect Dis. 2017;21:180-184. Doi: 10.1590/0102-311x00037519

Moreira MDF, Lima da Nóbrega MM, Silva MIT. Comunicação escrita: contribuição para a elaboração de material educativo em saúde. Rev Bras Enf. 2003;56:184-8.

Valdez-Tah A, Huicochea-Gómez L, Ortega-Canto J, Nazar-Beutelspacher A, Ramsey JM. Social Representations and Practices Towards Triatomines and Chagas Disease in Calakmul, México. Plos one. 2015;10:1-28

Salm A, Gertsch J. Cultural perception of triatomine bugs and Chagas disease in Bolivia: a cross-sectional field study. Parasites Vectors. 2019;12:291:1-19.

Priotto MCM, Santos CV, Mello F, Ferraz LM, Villela MM. Aspectos da vigilância entomológica da doença de Chagas no sul do Rio Grande do Sul, Brasil. Rev Patol Trop. 2014;43:228-38. Doi: 10.5216/rpt.v43i2.31113

Araújo RF, José Mendonça V, Da Rosa JA, De Matos JFM, Lima SCR, de Araújo Figueiredo MA. Description of a newly discovered Triatoma infestans (Hemiptera: Reduviidae) foci in Ibipeba, State of Bahia, Brazil. Rev Soc Bras Med Trop. 2014;47(4):513-516.

Brandão H, Fonseca E, Santos R, Ribeiro Júnior G, Santos CG. Cova, B. et al. Descrição de focos residuais de Triatoma infestans (Klug, 1834) no município de Novo Horizonte, Bahia. Rev Baiana de Saúde Pública. 2015;39:91.

Dias JCP. Globalização, iniqüidade e doença de Chagas. Cad Saúde Pública. 2007; 23 Suppl 1:S13-22.

Yevstigneyeva V, Camara-Mejia, J, Dumonteil E. Analysis of children's perception of triatomine vectors of Chagas disease through drawings: opportunities for targeted health education. PLoS neglected tropical diseases. 2014;8(10).

Dias JCP. Vigilância epidemiológica em doença de Chagas. Cad Saude Publica. 2000;43-59.

Villela MM, Souza JMB, Melo VP, Dias JCP. Avaliação do Programa de Controle da Doença de Chagas em relação à presença de Panstrongylus megistus na região centro-oeste do Estado de Minas Gerais, Brasil. Cad Saude Pública. 2009; 25:907-917. DOI: 10.1590/S0102-311X2009000400022

Chartier DI, Crocco LB. Relevamiento de vectores de la Enfermedad de Chagas en peridomicilios del área rural del Departamento Ayacucho, San Luis, Argentina. Rev Soc Entomol Argent. 2007;66(1-2):181-5

Monroy C, Bustamante DM, Pineda S, Rodas A, Castro X, Ayala V et al. House improvements and community participation in the control of Triatoma dimidiata reinfestation in Jutiapa, Guatemala. Cad Saude Publica 2009; 25:168-178.

Rosecrans K, Cruz-Martin G, King A, Dumonteil, E. Opportunities for improved Chagas disease vector control based on knowledge, attitudes and practices of communities in the Yucatan Peninsula, Mexico. PLoS neglected tropical diseases. 2014;8(3).

Schall V, Diniz MCP. Information and education in chistosomiasis control: an analysis of the situation in the state of Minas Gerais, Brazil. Mem Inst Oswaldo Cruz. 2001;96:35-43.

Crocco L, Rodríguez C, Catalá S, Nattero J. Enfermedad de Chagas en Argentina: herramientas para que los escolares vigilen y determinen la presencia de factores de riesgo en sus viviendas. Cad Saúde Pública. 2005;21:646-51.

Castro APR, Gonçalves AF, Caetano FHP, Souza LJEX. Brincando e aprendendo saúde. Contexto em Enfermagem. 1998;7(3):85-95.

Vanoye F. Usos da linguagem: problemas e técnicas na produção oral e escrita. 11ª ed. São Paulo: Martins Fontes; 1998. 327 p.

Garcia RN, Almeida EB, Distéfano EG, Farenzena E, Menegol R, Menegat D. et al. Agentes mirins de saúde: Uma estratégia para formar multiplicadores de conhecimento. RSBO. 2009;6(1):13-19.

De souza CB, Grala AP, Villela, MM. Óbitos por moléstias parasitárias negligenciadas no Brasil: doença de Chagas, esquistossomose, leishmaniose e dengue. Brazilian Journal of Development. 2021; v 7,n. 1:7718-7733.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n4-004

Refbacks

  • There are currently no refbacks.