Gestão de resíduos sólidos dos maiores geradores da Região Metropolitana do Rio de Janeiro / Solid waste management of the largest generators in the Metropolitan Region of Rio de Janeiro

Jorge Edmir da Silva dos Santos, Ana Ghislane Henriques Pereira van Elk, João Alberto Ferreira

Abstract


A Região Metropolitana do Rio de Janeiro é a segunda maior do país, com uma população estimada superior a 13 milhões de habitantes e cuja geração média de resíduos sólidos corresponde a 83% dos resíduos do estado. A pesquisa utilizou como referência os municípios de Belford Roxo, Duque de Caxias, Nova Iguaçu, Rio de Janeiro e São Gonçalo, haja vista que o Plano Estadual de Resíduos Sólidos os identifica como os maiores geradores de resíduos sólidos da região metropolitana. Como ferramenta de suporte foram utilizados indicadores do Diagnóstico do Manejo de Resíduos Sólidos Urbanos, publicados pelo Sistema Nacional de Informações sobre o Saneamento, o mais consolidado sistema de informações do país. A análise dos dados permitiu concluir que a gestão dos resíduos sólidos nestes municípios apresenta as mesmas deficiências, com exceção do Rio de Janeiro que se destacou por ser financeiramente autossuficiente, pela elaboração do Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos e por melhor estruturar as cadeias de coleta seletiva e reciclagem.


Keywords


Estado do Rio de Janeiro; Região Metropolitana; maiores geradores de resíduos; indicadores gestão de resíduos sólidos; gestão municipal de resíduos sólidos; Política Nacional de Resíduos Sólidos.

References


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS (ABRELPE). Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil 2018/2019. São Paulo, 2019. 68 p. Disponível em: http://abrelpe.org.br/download-panorama-2018-2019/. Acesso em 19 jan. 2020.

BRASIL. Lei N° 14.445, de 05 de janeiro de 2007. Estabelece diretrizes nacionais para o saneamento básico; altera as Leis nos 6.766, de 19 de dezembro de 1979, 8.036, de 11 de maio de 1990, 8.666, de 21 de junho de 1993, 8.987, de 13 de fevereiro de 1995; revoga a Lei no 6.528, de 11 de maio de 1978; e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm. Acesso em 25 jun. 2019.

BRASIL. Lei Nº 12.305, de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Brasília, 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm. Acesso em 15 mai. 2019.

BRASIL. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Plano Nacional de Resíduos Sólidos - versão preliminar para consulta. Brasília, 2011. 106 p. Disponível em: https://sinir.gov.br/images/sinir/Arquivos_diversos_do_portal/PNRS_Revisao_Decreto_280812.pdf. Acesso em 25 set. 2019.

BRASIL. MINISTÉRIO DA TRANSPARÊNCIA E CONTROLADORIA GERAL DA UNIÃO (CGU). Relatório de avaliação por área de gestão nº 9: Resíduos sólidos. Brasília, 2017. 76 p. Disponível em: https://auditoria.cgu.gov.br/download/9805.pdf. Acesso em 20 set 2019.

BRASIL. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento: Diagnóstico do manejo de resíduos sólidos urbanos – 2018. Brasília: SNS/MDR, 2019. 247 p. Disponível em: http://www.snis.gov.br/downloads/diagnosticos/rs/2018/Diagnostico_RS2018.pdf. Acesso em 20 jan. 2020.

BRUNNER, P. H.; FELLNER, J. Setting priorities for waste management strategies in developing countries. Waste Management & Research, n.25, p. 234-240, 2007. https://doi.org/10.1177%2F0734242X07078296.

CHAVES, G. L. D.; SIMAN, R. B.; SENA, L. G. Ferramenta de avaliação dos planos municipais de gestão integrada de resíduos sólidos: parte 1. Engenharia Sanitária e Ambiental, v.25, n.1. Rio de Janeiro Jan./Feb. 2020 Epub Mar 16, 2020. https://doi.org/10.1590/s1413-4152202020180120a.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS MUNICÍPIOS (CNM). Pesquisa sobre Gestão Municipal de Resíduos Sólidos: Análise dos Resultados Prévios. 2017. 6 p. Disponível em: https://www.cnm.org.br/cms/biblioteca/Pesquisa%20Final%20Gest%C3%A3o%20Municipal%20de%20Res%C3%ADduos%20S%C3%B3lidos%202017.pdf. Acesso em 03 jul. 2019.

CRESPO, S.; COSTA, S. S. Planos de gestão. In: JARDIM, A.; YOSHIDA, C.; MACHADO FILHO, J. V. (Org.) Política nacional, gestão e gerenciamento de resíduos sólidos. Barueri, SP: Manole, 2012. p. 283-302.

DAGNINO, R. S.; JOHANSEN, I. C. Os catadores no Brasil: Características demográficas e socioeconômicas dos coletores de material reciclável, classificadores de resíduos e varredores a partir do censo demográfico de 2010. Mercado de Trabalho, n.62, p. 115-125, 2017.

GODOY, M. R. B. Dificuldades para aplicar a Lei da Política Nacional de Resíduos Sólidos no Brasil. Caderno de Geografia, v.23, n.39, p. 1-12, 2013.

GOMES, E. R.; STEINBRUK, M. A. Oportunidades e dilemas do tratamento dos resíduos sólidos no Brasil à luz da Política Nacional de Resíduos Sólidos (Lei n. 12.305/2010). Confluências, v.14, n.1, p. 100-114, 2012.

GUERRERO, L. A.; MAAS, G.; HOGLAND, W. Solid waste management challenges for cities in developing countries. Waste Management, v.33, p. 220-232, 2013. https://doi.org/10.1016/j.wasman.2012.09.008.

MADEIRA, C. G.; MADEIRA J. C.; MADEIRA, L. E. Consórcio público: uma análise do instrumento da política nacional de resíduos sólidos. Revista Eletrônica do Curso de Direito da UFSM, v.8, p. 509-520, 2013. https://doi.org/10.5902/198136948366.

MEDEIROS, L. F. R.; MACÊDO, K. R. Catador de material reciclável: uma profissão para além da sobrevivência. Psicologia & Sociedade, v.18, n.2, p. 62-71, 2006. https://doi.org/10.1590/S0102-71822006000200009.

MEIRELES, S. Sistema municipal de informações sobre resíduos sólidos como instrumento de gestão e gerenciamento. 303 f. Dissertação (Programa de pós-graduação em Engenharia Ambiental). Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2015.

MONTEIRO, J. H. P.; FIGUEIREDO, C. E. M.; MAGALHÃES, A. F.; MELO, M. A. F.; BRITO, J. C. X.; ALMEIDA, T. P. F.; MANSUR, G. L. Manual de gerenciamento integrado de resíduos sólidos. Rio de Janeiro: IBAM, 2001. 200 p. Disponível em: http://www.resol.com.br/cartilha4/manual.pdf. Acesso em 03 fev. 2020.

PRICEWATERCOOPERS (PwC). Três anos após a regulamentação da política nacional de resíduos sólidos (PNRS): seus gargalos e superações. São Paulo, 2014. 83 p. Disponível em: https://selur.org.br/wp-content/uploads/2014/09/estudo-selur-PNRS-2014_acessivel1.pdf. Acesso em: 13 abr. 2019.

PRICEWATERHOUSECOOPERS (PwC); SINDICATO NACIONAL DAS EMPRESAS DE LIMPEZA URBANA (SELURB). Índice de Sustentabilidade da Limpeza Urbana para os Municípios Brasileiros. Edição 2019. São Paulo, 2019. 119 p. Disponível em: https://selur.org.br/wp-content/uploads/2019/09/ISLU-2019-7.pdf. Acesso em 17 jan. 2020.

RIO DE JANEIRO (ESTADO). Lei Complementar n. 184, de 27 de dezembro de 2018. Dispõe sobre a Região Metropolitana do Rio de Janeiro, sua composição, organização e gestão, define as funções públicas e serviços de interesse comum, cria a autoridade executiva da Região Metropolitana do Rio de Janeiro e dá outras providências, na forma que menciona. Disponível em: http://aeerj.net.br/file/2019/PDF-.pdf. Acesso em 27 jul. 2019.

RIO DE JANEIRO (ESTADO). Plano Estadual de Resíduos Sólidos: Relatório Síntese. Rio de Janeiro, 2013. 140 p. Disponível em: https://www.mma.gov.br/images/arquivo/80058/PERS/RJ%20PERS_2013ago.pdf. Acesso em 20 set. 2019.

RIO DE JANEIRO (ESTADO). Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro. Economicidade dos Serviços de Coleta e Transporte de Resíduos Sólidos Urbanos. Escola de Contas e Gestão do TCERJ. Rio de Janeiro, 2017. 102 p. Disponível em: https://www.tce.rj.gov.br/documents/454798/75563223/Economicidade.pdf. Acesso em 30 mar. 2020.

RODRIGUES, A. M. G.; SOUZA, E. P. Caracterização da coleta seletiva de resíduos sólidos no Brasil: Avanços e dificuldades. Revista Economia & Tecnologia (RET), v.9, n.4, p. 129-136, 2013. http://dx.doi.org/10.5380/ret.v9i4.32449.

RODRIGUES, G. L.; FEITOSA, M. J. S.; SILVA, G. F. L. Cooperativas de reciclagem de resíduos sólidos e seus benefícios socioambientais: um estudo na Coopecamarest em Serra Talhada, PE. Revista Metropolitana de Sustentabilidade, v.5, n.1, p. 18-38, 2015.

SANTIN, J. R., PEDRINI, M.; COMIRAN, R. A política nacional dos resíduos sólidos e os municípios brasileiros: desafios e possibilidades. Revista de Direito da Cidade, v.9, n.2, p. 556-581, 2017. https://doi.org/10.12957/rdc.2017.26985.

SANTOS, J. E. S. Desafios da implementação da política nacional de resíduos sólidos: a gestão de resíduos sólidos urbanos no município de São Gonçalo, RJ. 117 f. Dissertação (Programa de pós-graduação em Engenharia Ambiental). Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2018.

SILVA, Y. P.; NEVES, R. R.; SANTOS, J. I. N.; MOREIRA, A. C. N.; ALBUQUERQUE, P. H. M. A. Avaliação da importância dos planos municipais de gestão integrada de resíduos sólidos. In: 30° Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental, Natal, RN, 16 a 19 de junho de 2019.

SILVA, M. H. C., LIMA, L. N. F., SILVA, C. S., SILVA, B. V., TAVARES, H. S. A., FALCÃO, W. H. R., SOUSA, M. L. P. S., LIMA, S. C. Resíduos sólidos: o uso da gestão ambiental como ferramenta para o manejo adequado do lixo urbano. Brazilian Journal of Development, v.6, n.11, p. 85668-85677, 2020. https://doi.org/10.34117/bjdv6n11-113.

SOARES, R; SMIDERLE, J. J.; DIAS, S. A. B.; SOUZA, R. M.; ZIDDE, C. Medindo o saneamento: Potencialidades e limitações dos bancos de dados brasileiros. Rio de Janeiro: Centro de estudos em regulação e infraestrutura, FGV, 2018. 37 p. Disponível em: https://bibliotecadigital.fgv.br/dspace/bitstream/handle/10438/23000/fgv-ceri-medindo-o-saneamento-2018.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em 08 out. 2019.

WORLD WIDE FUND FOR NATURE (WWF). Solucionar a poluição plástica: Transparência e responsabilização. Relatório Técnico. WWF, 2019. 50 p. Disponível em: http://promo.wwf.org.br/solucionar-a-poluicao-plastica-transparencia-e-responsabilizacao. Acesso em 20 jan. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n3-749

Refbacks

  • There are currently no refbacks.