Análise do Pré-Natal Ofertado às Mulheres Quilombolas no Norte do Tocantins / Analysis of Prenatal Care Offered to Quilombola Women in Northern Tocantins

Cleidiane Cassimiro Silva, Matheus da Conceição Sousa, Iandara Lopes Dias Barroso, Anna Maria Valadares Araújo, Janayna Araújo Viana, Sônia Maria Neri de Araújo, Adriano Figueredo Neves, Priscila Gonçalves Jacinto Figueredo

Abstract


Trata-se de um estudo acerca da assistência do pré-natal ofertado as mulheres quilombolas das comunidades Carrapiché, Prachata e Ciriaco, localizadas no Norte do Tocantins. Tem por objetivo analisar a assistência do pré-natal ofertado as mulheres quilombolas no Norte do Tocantins. Tratando-se de uma pesquisa exploratória de cunho documental com abordagem quantitativa sendo analisados 14 prontuários de mulheres quilombolas que realizaram pré-natal na unidade básica de saúde da cidade de Esperantina, Tocantins. A coleta de dados aconteceu entre os meses de fevereiro a abril de 2019. A pesquisa obteve parecer aprovado pelo CEP sob número 2.040.302 em 23 de agosto de 2018. Aos resultados a pesquisa mostra que a faixa etária das mulheres está dividida em uma média de 20 a 49 anos, sendo 50% de 20 a 29 e 50% de 30 a 49, totalizando os 100% da amostra; 28,6% das gestantes iniciaram a consulta de pré-natal no 1° trimestre e 28,6% no 2° trimestre; nas consultas odontológicas, 92,9% não foram registradas; Portanto, conclui-se que, há necessidade de se repensar nas estratégias de atenção à saúde para as comunidades quilombolas, considerando o contexto de localização maioritariamente rural, as peculiaridades culturais, acesso aos serviços públicos e oportu­nidades sociais.

 


Keywords


Consulta. Gravidez. Prontuário.

References


BALSELLS M. M, Oliveira TM, Bernardo EB, Aquino OS, Damasceno AK, Castro RC, et al. Avaliação do processo na assistência pré-natal de gestantes com risco habitual. Acta Paul Enferm. 2018;31(3):247-54. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v31n3/1982-0194-ape-31-03-0247.pdf. Acesso em: 18/06/ 2019

BARATA R. B. , Almeida MF, Montero CV, Silva ZP. Health inequalities based on ethnicity in individuals aged 15 to 64, Brazil, 1998. Cad Saúde Pública. 2007;23(2):305-13.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde - Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. Bol Epidemiol. 2017;20:3-64.

BRITO, Geise Kelly Valente de, et al. REVISTA ENFERMAGEM BRASIL. Pré-natal: conhecimento das gestantes sobre a importância do teste anti-HIV no município de Itacoatiara/AM. 2017 pg.150.

COSTA, Carmen, SECRETARIA NACIONAL DE POLÍTICAS DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL (Brasil). Ministério dos Direitos Humanos. Comunidades quilombolas. 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. de 2018.

DANTAS, Janmilli. Conduta de profissionais que realizam a consulta pré-natal na Estratégia Saúde da Família quanto à detecção tratamento e acompanhamento da gestante com Sífilis. Universidade do Rio Grande do Norte, 2008. Tese de Mestrado em Enfermagem. Disponível em: . Acesso em: 18 out. de 2018.

E-SIC, Serviço eletrônico de informação ao cidadão. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. de 2018.

FEBRASGO, Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia. Manual de gestação de alto Risco, 2011. ed. FEBRASGO

FUNDAÇÃO CULTURAL PALMARES (Brasil). Ministério da Cultura. Comunidades Remanescentes de quilombos. 2018. Disponível em: . Acesso em 10 mai. de 2018.

GIOVANNI, Miriam di. REDE CEGONHA: DA CONCEPÇÃO À IMPLANTAÇÃO. Monografia. ENAP – Escola Nacional de Administração Pública. Brasília – DF: 2013. Disponível em: < Http://repositorio.enap.gov.br/handle/1/410> Acesso: 30/05/19.

GRAVENA, A. A. F., Sass, A., Marcon, S. S., & Pelloso, S. M. (2012). Resultados perinatais em gestações tardias. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 46(1),15-21.

Ministério da Saúde. Departamento de VIGILÂNCIA, PREVENÇÃO E CONTROLE DAS IST, DO HIV/AIDS E DAS HEPATITES VIRAIS. Disponível em: Acesso: 03/06/19.

Ministério da Saúde. PORTARIA Nº- 3.242, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2011 (Dispõe sobre o Fluxograma Laboratorial da Sífilis e a utilização de testes rápidos para triagem da sífilis em situações especiais e apresenta outras recomendações.) Disponível em: Acesso: 03/06/19.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Manual de controle de doenças sexualmente transmissíveis - DST. Brasília. 3. Ed. 1999.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Políticas de Saúde. Coordenação Nacional de DST e AIDS. Política Nacional de DST/AIDS: princípios, diretrizes e estratégias. Brasília, 1999.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada-manual técnico. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

MINISTÉRIO DA SAÚDE, Sistema Único de Saúde. Escrito por Alexandre B. Sousa. Última atualização em 29/05/2017Disponível em: . Acesso em: 03 set. de 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Sistema Único de Saúde. Escrito por Alexandre B. Sousa. Última atualização em 29/05/2017. Disponível em: . Acesso em: 03 set. de 2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria Executiva. Sistema Único de Saúde (SUS): princípios e conquistas. Ministério da Saúde, Secretaria Executiva. – Brasília: Ministério da Saúde 2000. Disponível em: . Acesso em:03 set. de 2018.

OLIVEIRA, STÉPHANY KETLIN MENDES et al. Saúde materno-infantil em comunidades quilombolas no norte de Minas Gerais. Disponível em: . Acesso em: 19 de jun. 2018.

OLIVEIRA, M. A. M. (2012). Gravidez tardia: Bem-estar subjetivo e percepção da gestação. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal - RN. Disponível em: < Https://repositorio.ufrn.br/jspui/handle/123456789/17508> Acesso: 30/05/19.

PRATES, Lisie Alende et al. Características socioeconômicas e de saúde de um grupo de mulheres de uma comunidade quilombola. Rev enferm UFPE online., Recife, 10(1):103-11, jan., 2016. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/download/10927/12216. Acesso em : 22 jun. de 2019.

ROCHA, Sara Dos Santos. Tese de doutorado, Qualidade da Atenção Pré-Natal de Baixo Risco em Salvador – Bahia, 2018. Disponível em:< http://www7.bahiana.edu.br//jspui/handle/bahiana/2579>. Acesso em: 18 jun. de 2019

Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Área Técnica de Saúde da Mulher. Pré-natal e Puerpério: atenção qualificada e humanizada – manual técnico/Ministério da Saúde. Brasília-DF: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: . Acesso em: 19 out. de 2018.

SILVA, Andressa Arraes et al. Pré-Natal da gestante de risco habitual: potencialidades e fragilidades na consulta. Universidade Federal do Maranhão ,2018.

Disponível em: . Acesso em: 18 jun. de 2019.

VIELLAS, E. F. et al. Assistência pré-natal no Brasil. ARTIGO • Cad. Saúde Pública 30 (Suppl 1) Ago 2014 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 mai. de 2018.

VOLOCHKO A. Vidal NP. Desigualdades raciais na saúde: mortalidade nas regiões de saúde paulistas, 2005. BIS: Boletim do Instituto de Saúde. 2010;12(2):143-53.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n3-736

Refbacks

  • There are currently no refbacks.