Telhados verdes como estratégia para um meio ambiente inteligente: propostas para viabilizar a implementação dos telhados verdes na cidade de Balneário Camboriú / Green roofs as a strategy for a smart environment: proposals to enable the implementation of green roofs in the city of Balneário Camboriú

Vanessa Marie Salm

Abstract


As cidades têm recorrentemente buscado estratégias para preservar e conservar o meio ambiente. É necessário, porém, que tais estratégias estejam relacionadas à realidade dos centros urbanos, notoriamente repletos de edificações. Nesse sentido, muitas cidades vêm buscando soluções para regenerar o meio ambiente embasando-se nos preceitos e dimensões das cidades inteligentes e, dentre essas soluções, destacam-se os telhados verdes que surgem como uma forma de associar a realidade das cidades, tomadas por edificações, com a participação ativa dos agentes públicos e privados para tornar o meio ambiente inteligente. No entanto, para que a implementação dos telhados verdes se torne realidade nas cidades, é necessário que sejam melhor conhecidas as propostas orientadas nesse sentido. Dessa forma, o objetivo do artigo é apresentar propostas que viabilizem a implementação dos telhados verdes como estratégias para um meio ambiente inteligente na cidade de Balneário Camboriú.


Keywords


Telhados verdes, Cidades inteligentes, Meio ambiente.

References


ASSEMBLEIA Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. Lei nº 6.349, de 30 de novembro de 2012. Dispõe sobre a obrigatoriedade da instalação do “Telhado Verde” nos locais que especifica e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 3 out. 2017.

BENFIELD, K. What cities can learn from Toronto’s Green Roof Policy. Citylab. 25 abr. 2012. Disponível em: . Acesso em: 3 out. 2017.

CÂMARA dos Deputados. Projeto de Lei n° 1.703 de 2011. Dispõe sobre a instalação do denominado “telhado verde” e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 3 jul. 2017.

CÂMARA dos Deputados. Substitutivo adotado pela comissão ao Projeto de Lei nº 1.703/11. Dispõe sobre a instalação de sistema de telhados verdes; estabelece diretrizes e condições para que os entes federativos elaborem normas que promovam a expansão local da instalação destes sistemas. Disponível em: . Acesso em: 3 out. 2017.

CÂMARA Municipal de São Paulo. Parecer nº 2060/2015 da Comissão de Constituição, Justiça e Legislação participativa sobre projeto de Lei nº 0568/15. Disponível em:

. Acesso em: 3 out. 2017.

CÂMARA Municipal de São Paulo. Projeto de Lei nº 01-00568/2015. 2015b. Dispõe sobre a criação do incentivo fiscal denominado IPTU Verde. Disponível em:

. Acesso em: 3 out. 2017.

CARAGLIU, A.; DEL BO, C.; NIJKAMP, P. Smart cities in Europe. 3rd Central European Conference in Regional Science (CERS), 2009, p. 45-58.

CARPENTER, S. Growing green guide: a guide to green roofs, walls & facades in Melbourne and Victoria, Australia. Australia: State of Victoria, 2014. Disponível em:

. Acesso em: 3 jul. 2016.

COPENHAGEN. Copenhagen Climate Plan - The short version. 2009. Disponível em: . Acesso em: Jul. 2017

ECODESENVOLVIMENTO. Copenhague é a segunda cidade do mundo a tornar obrigatórios os telhados verdes. 2014. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2017.

ECODESENVOLVIMENTO. Telhados verdes serão implantados em casas do morro Dona Marta. Disponível em: . Acesso em: 3 jul. 2016.

EMPORIS. Balneário Camburiú. 2017. Disponível em: . Acesso em: 21 ago. 2017.

EUROPEAN Comissian. European Green Capital Award. Nijmegen, 2018. Disponível em: Acesso em: 3 out. 2017.

GIFFINGER, R. et al. Ranking of european medium sized cities. Smart Cities, 2007. Disponível em: . Acesso em: 3 jul. 2016.

GOOGLE Maps. Imagem via satélite. 2017. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2017.

HAKIMDAVAR, R. et al. Scale dynamics of extensive green roofs: Quantifying the effect of drainage area and rainfall characteristics on observed and modeled green roof hydrologic performance. Ecological engineering, v. 73, p. 494-508, 2014.

IBE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades, 2010. Disponível em: . Acesso em: 07 ago. 2017.

ISMAIL, Z. et al. Comparative study on green roof mechanism in developed countries. Business, Engineering and Industrial Applications (ISBEIA), 2012 IEEE Symposium on. IEEE, 2012. p. 678-683.

LETAIFA. S. How to strategize smart cities: Revealing the SMART model. Canada Journal of Business Research, 2015.

MATTONI , B. GUGLIERMETTI , F. BISEGNA, F. A multilevel method to assess and design the renovation and integration of Smart Cities. Sustainable Cities and Society, p.105–119, 2015.

NAVARRO, M. Á. La sostenibilidad empieza por el tejado. El Pais. 28 jun. 2016. Disponível em: . Acesso em: 21 jul. 2017.

NIJMEGEN. Green Capital Award 2018. Disponível em: . Acesso em: 3 out. 2017.

POZZO, P. Aos 50 anos, Balneário Camboriú se destaca pela qualidade de vida em SC. Portal G1 Santa Catarina. Disponível em: . Acesso em: 7 ago. 2017.

PREFEITURA Municipal de Recife. Lei nº 18.112 de 12 de janeiro 2015. Dispõe sobre a melhoria da qualidade ambiental das edificações por meio da obrigatoriedade de instalação do telhado verde”, e construção de reservatórios de acúmulo ou de retardo do escoamento das águas pluviais para a rede de drenagem e dá outras providências.Disponível em: . Acesso em: 11 jul. 2017.

PREFEITURA Municipal de Santos. Lei Complementar nº 913, de 21 de dezembro de 2015. Concede incentivo fiscal à implantação de “coberturas verdes” nos edifícios do município e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 11 jul. 2017.

SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Santa Catarina em números: Balneário Camboriú. 2013. Disponível em: . Acesso em: 3 out. 2017.

SECRETARIA de Turismo da Cidade de Balneário Camburiú. Balneário Camboriú registra crescimento no número de turistas nesta temporada. Disponível em: . Acesso em: 3 out. 2017.

VERGARA, A. Os territórios inteligentes. Cadernos FGV Projetos, Rio de Janeiro, n. 24, p. 42, 2014. Disponível em: . Acesso em: 3 jul. 2016.

XIAO, M.; LIN, Y.; HAN, J.; ZHANG, G. A review of green roof research and development in China.

Renewable and Sustainable Energy Reviews, v. 40, 633-648, 2014.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n3-724

Refbacks

  • There are currently no refbacks.