A importância do processo de inclusão na aprendizagem do aluno surdo / The importance of the inclusion process in deaf student learning

Jonata da Trindade Ferreira, Oselita de Figueiredo Corrêa, José Francisco da Silva Costa, Carla Ely Monteiro Moreira, Tatiane Cardoso de Souza, Maria da Conceição Barreto Pinheiro, Eliane Sueli Araújo Nery, Carlos Fernando da Costa Barbosa

Abstract


Este estudo teve como finalidade distinguir a importância do processo de inclusão e de entender o desenvolvimento do trabalho educativo em uma perspectiva de aprendizagem do aluno surdo. Avaliar e identificar os fatores que influenciam no processo de inclusão da pessoa surda. Ultimamente, a inclusão social e principalmente escolar, no ensino regular, vem evoluindo, são muitas as mudanças, tecnológicas metodologias com novas aplicabilidades, porém a escola inclusiva ainda não cumpre seu papel que que espera quanto ao aluno; dentre os diversos fatores está a qualificação do professor quanto às necessidades dos alunos atendidos. Com a evolução da inclusão de alunos com deficiência auditiva no ensino regular, tem-se em vista a qualificação de um professor auxiliar/tradutor, intérprete de LIBRAS pois este profissional é de extrema importância. As pessoas se desenvolvem na medida em que agem e interagem com o mundo da diversidade buscando sempre o melhor pra si. Contudo, tem-se como objetivo explanar para a sociedade a importância do atendimento adequado às pessoas com deficiência auditiva e em especial a educação especial existe para educar e atender pessoas que apresentam algum problema de aprendizagem e exigem atenção e recursos específicos para o seu atendimento.


Keywords


Inclusão, Aprendizagem, Desafios, Aluno Surdo.

References


ALMEIDA, Wolney Gomes. Introdução à língua brasileira de sinais – Ilhéus, BA: UAB/UESC, 2013. 149p.: Il. (Letras Vernáculas – módulo 6 – volume 1 – EAD)

ALVEZ, Carla Barbosa; FERREIRA, Josimário de Paula; DAMÁZIO, Mirlene Macedo. A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar: Abordagem Bilíngue na Escolarização de Pessoas com Surdez – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará, 2010. v. 9. (Coleção A Educação Especial na Perspectiva da Inclusão Escolar).

ARANHA, Maria Salete Fábio. Projeto Escola Viva: garantindo o acesso e permanência de todos os alunos na escola: necessidades educacionais especiais dos alunos. - Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2005.

AUGUSTIM, Ingrid. Modelos de deficiência e suas implicações na educação inclusiva. 2012.

BOTELHO, Paula. Linguagem e letramento na Educação dos Surdos: ideologias e práticas pedagógicas. Belo Horizonte: autentica, 2002.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988.

BRASIL. Decreto Nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005 que regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em:< www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.ht> Acesso em: 19 de abr. de 2017.

BRASIL. Diretrizes Nacionais para Educação Especial na Educação Básica. MEC. SEESP, 2001.

BRASIL. Emenda Constitucional nº 12, de 17 de outubro de 1978 que Assegura aos Deficientes a melhoria de sua condição social e econômica. Brasília, 1978.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Base de 1961 - Lei 4024/61 | Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Ministério da Educação. Brasília. 1961.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB 5.692, de 11 de agosto de 1971. Ministério da Educação. Brasília, 1971.

BRASIL. Lei N. º 10.436 de 24 de abril de 2002 que dispõe sobre a língua brasileira de sinais.

BRASIL. LEI Nº 10.098, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2000 Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Brasília, 2000.

BRASIL. LEI Nº 13.146, de 06 de julho de 2015, por meio do decreto legislativo nº 6.949, de 25 de agosto de 2009, Brasília, 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LDB 9.394. Brasília: MEC, 1996.

BRASIL. Ministério da Saúde. Estatuto da Criança e do Adolescente. – 3. ed. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2006. 96 p. – (Série E. Legislação de Saúde)

CAPOVILLA, AGS & CAPOVILLA, FC. Problemas de leitura e escrita: Como identificar, prevenir e remediar numa abordagem fônica. 5-ed. São Paulo. Memnon, Fapesp, 2007.

LUZ, Lília Ferreira da. et al. Atendimento educacional especializado para alunos surdos: uma análise sobre a formação do profissional da sala de recursos. VII Fórum Internacional de Pedagogia – VII FIPED. VII FIPED - 11 a 13 de novembro de 2015, Parintins – AM.

PERLIN, Gladis. Identidades surdas. In: SKLIAR, Carlos (Org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. 6. ed. Porto Alegre: Mediação, 2013. p. 51-74.

ROPOLI, Edilene Aparecida. [et.al.] A Educação especial na Perspectiva da Inclusão Escolar: a escola comum inclusiva. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial; [Fortaleza]: Universidade Federal do Ceará, 2010.

ZANATA, Eliane Marques. Práticas pedagógicas inclusivas para alunos surdos numa perspectiva colaborativa. 2005. 198p. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de São Carlos. São Carlos, 2004.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n3-629

Refbacks

  • There are currently no refbacks.