Energia e a indústria da celulose na Amazônia: o território das localidades centrais ao entorno da Usina Hidrelétrica de Estreito no Maranhão / Energy and the cellulose industry in the Amazon: the territory of central locations around the Estreito Hydroelectric Plant in Maranhão

Luciano Rocha da Penha, Larissa Leila Gomes de Barros

Abstract


A UHEE foi inaugurada no governo da Presidente da República Dilma Roussef, no ano de 2012, faz parte do traçado do Programa Brasil em Ação no então período do segundo mandato do Presidente da República Fernando Henrique Cardoso, uma vez que o Estudo e Relatório de Impacto Ambiental foram liberados no ano de 2002. No entanto, a obra foi iniciada no ano de 2008, período do segundo mandato do Presidente da República Lula da Silva, pelo Programa de Aceleração do Crescimento. Na literatura geográfica de Milton Santos, uma usina hidrelétrica é considerada como um sistema de engenharia e, uma vez implantada no território, leva a mudanças nas estruturas sociais. Os estados onde a Usina Hidrelétrica está instalada é na Amazônia Legal brasileira. Região que mais tem recebido obras de infraestruturas para a produção industrial, devido à disponibilidade hidrográfica em abundância, logo, muito vantajosa para os agentes econômicos. A Usina Hidrelétrica de Estreito (UHEE) se localiza no curso médio na bacia hidrográfica do Araguaia-Tocantins, nos limites dos municípios de Estreito, estado do Maranhão e Aguiarnópolis, estado do Tocantins. Em seu entorno há a indústria Suzano Papel e Celulose. A produção de celulose teve o percentual de 13% de participação na balança comercial brasileira em 2018. Cada vez mais, se consolida e se justifica, a partir da ótica do Estado e dos grandes agentes econômicos, a ideia de construir usinas hidrelétricas em pontos estratégicos do território. Ao fazer a leitura da paisagem industrial e do entorno da UHEE, se torna importante a correlação com a Economia Espacial, principalmente a Teoria das Localidades Centrais, a qual ainda está presente nas localizações dos empreendimentos hidrelétricos na Amazônia. O objetivo deste artigo foi analisar de que forma a energia produzida na UHEE contribui para a produção de celulose no estado do Maranhão. A metodologia utilizada foi revisão bibliográfica sobre a Economia Espacial e análise dos dados sobre a participação da Suzano Papel e Celulose no Maranhão. A Teoria das Localidades Centrais é uma das formas com que os geógrafos passaram a discutir a localização industrial por meio da dimensão econômica do território. Desde o século XIX, alguns geógrafos econômicos vêm formulando teorias para melhor aproveitar o território e para melhorar os fluxos de investimentos e lucros dos agentes econômicos. Concluiu-se que a UHEE é uma localidade central que abastece outra localidade central que é o espaço industrial da Suzano Papel e Celulose.


Keywords


Indústria, Território, Hidrelétrica, Localidades Centrais, Celulose.

References


Agência Nacional de Energia Elétrica – ANEEL. Atlas de Energia Elétrica do Brasil, 2017. Disponível em: . Acesso em: dez. 2018a.

______. Banco de Informações de Geração-BIG: Usinas e Centrais Geradoras. Disponível em:. Acesso em: 29 dez. 2018b.

BECKER, Bertha. Reflexões sobre a geopolítica e a logística da soja na Amazônia. In: ______. Becker, Bertha; ALVES, Diógenes; COSTA, Wanderley (Org.). Dimensões humanas da biosfera-atmosfera na Amazônia. São Paulo: Edusp, 2007.

______. Uma visão de futuro para o coração florestal da Amazônia. In: ______. Um projeto para a Amazônia no século 21: desafios e contribuições. Brasília: Centro de Estudos Estratégicos, 2008.

BECKER, Bertha; STENNER, Claudio. Um futuro para a Amazônia. São Paulo: Oficina de Textos, 2008.

BENKO, Georges. Economia, espaço e globalização na aurora do século XXI. Tradução de Antônio Danesi. São Paulo: Hucitec/Annanblume, 2002.

BUSS, Ricardo Niehues. et al. Infraestrutura logística de transporte e armazenagem da soja no estado do Maranhão – Brasil. Brazilian Journal of Development. Curitiba, v. 5, n. 12, p. 31564-31580, 2019.

CÂMARA MUNICIPAL DE PORTO FRANCO. História de Porto Franco. Disponível em: . Acesso em: 14 out. 2017.

CASTRO, Raifran. Estratégias de dominação empresarial e resistências comunitárias na Amazônia maranhense. 2018. 287f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido (PPGDSTU), Núcleo de Altos Estudos Amazônicos, Universidade Federal do Pará, Belém, 2018.

CESTE, Consórcio Estreito Energia Usina Hidrelétrica de Estreito. UHE Estreito. Disponível em: . Acesso em 22 out. 2017.

CORRÊA, Roberto Lobato. Estudos sobre a rede urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

HARVEY, David. A produção capitalista do espaço. Traduação: Carlos Szalak. São Paulo: Annablume, 2005.

KRUGMAN, Paul. Desarrollo, Geografía y teoria económica. Traducción: Adelina Campos. Barcelona: Antoni Bosch, 1995.

MESQUITA, Benjamin. et al. Formação Socioeconômica do Estado do Maranhão. In: ___. CASTRO. Edna.; CAMPOS, Índio. (Orgs.). Formação Socioeconômica da Amazônia. Belém: NAEA, 2015, p. 225-319.

MONTEBELLO, Adriana Estela Sanjuan.; BACHA, Carlos José Caetano. Impactos da reestruturação do setor de celulose e papel no Brasil sobre o desempenho de suas indústrias. Estudos Econômicos. São Paulo, vol.43, n.1, p.109-137, 2013.

NEVES, Leonardo de Lima. et al. Brazilian Journal of Development. Curitiba, v. 6, n. 11, p.91989-92009, 2020.

OBSERVATÓRIO SÓCIO-AMBIENTAL DE BARRAGENS. Universidade Federal do Rio de Janeiro. Barragem de Estreito. Disponível em: <: http://www.observabarragem.ippur.ufrj.br/ >. Acesso em: 10/10/2017.

OLIVEIRA, Allison Bezerra.; PEREIRA, Jesus Marmanillo.; NASCIMENTO, Amanda Araújo. Cadeia produtiva de papel e celulose e transformações recentes no sudoeste maranhense. InterEspaço: Revista de Geografia e Interdisciplinaridade. Grajaú/MA, v. 4, n. 12, p. 135-154, 2018.

OLIVEIRA, Allison Bezerra.; PAZ, Diego Armando Souza.; SILVEIRA, Keilha Correia. Expansão da silvicultura do eucalipto e transformações no uso da terra em municípios do oeste maranhense. InterEspaço: Revista de Geografia e Interdisciplinaridade. Grajaú/MA, v. 6, p. 1-24, 2020.

RIEGER, Fernando Camara.; TRENNEPOHL, Dilson. A relação agronegócio-indústria no processo de desenvolvimento territorial: a relevância da indústria de maquinários agrícolas no Rio Grande do Sul. Brazilian Journal of Development. Curitiba, v. 5, n. 1, p. 1702-1722, 2019.

SANDRONI, Paulo. Joint Venturi. In: _____. Novíssimo Dicionário de Economia. São Paulo: Best Seller, 1999.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4ª ed. São Paulo: Edusp, 2004.

___. Economia Espacial: críticas e alternativas. 2. ed. São Paulo: Edusp, 2011.

SANTOS, Milton; SILVEIRA, María Laura. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 6. ed. São Paulo/ Rio de Janeiro: Record, 2004.

SPT PENGENHARIA DE PROJETOS. Relatório de Impacto Ambiental – Rima da área de implantação do projeto florestal da Suzano na região de Porto Franco, Maranhão. Curitiba, jan. 2010.

TOLMASQUIM, Mauricio T. Novo modelo do setor elétrico brasileiro. 2ª ed. Rio de Jnaeiro: Synergia; EPE: Brasília, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n3-206

Refbacks

  • There are currently no refbacks.