Estruturas de governança no setor de laranja no centro de abastecimento e logística de Pernambuco – CEASA – PE / Structures of governance in the orange sector in the center of supply and logistics of Pernambuco – CEASA – PE

Roberto Marques Ferreira da Silva, Tales Wanderley Vital, Rejane Andréa Deiga Ferreira, Almir Silveira Menelau

Abstract


A proposta do presente estudo é de contribuir para o conhecimento sobre a comercialização da laranja pera no Centro de Abastecimento e Logística de Pernambuco – CEASA-PE. Desta forma tem por  objetivo é identificar a estrutura de governança do setor de laranja pera na CEASA-PE., com base na Economia dos Custos de Transação, aplicado aos diferentes arranjos de governança vigentes. Para isso utiliza a metodologia da análise institucional discreta comparada proposta por Williamson (1985) e aplicada ao setor. Como resultado conclui que o setor está predominantemente vinculado à estrutura de governança híbrida por conter aspectos diversificados das demais estruturas que são abordados de acordo com cada elo analisado nesse trabalho.


Keywords


Comercialização; Atributos de Transação; Estruturas de Governança; Nova Economia Institucional

References


BREITENBACH, R; BRANDÃO, J. B.; SOUZA, R. S. Teorias Organizacionais e a Nova Economia Institucional: Uma Discussão Acerca dos Elementos Constitutivos das Organizações. SOBER, Porto Alegre – RS, julho, 2009, 21 p.

BUENO, N. P. Lógica da Ação Coletiva, Instituições e Crescimento Econômico: Uma Resenha Temática sobre a Nova Economia Institucional. Revista Economia, Brasília- DF, v.5, n.2, p.361-420 jul./dez. 2004, 60 p.

CAIXETA-FILHO, J. V.; MARTINS, R. S.(Orgs.). Gestão Logística do transporte de cargas. São Paulo: Atlas, 2001. 296 p.

CEAGESP. Hortipedia: Guia de informações sobre produtos. Disponível em , Data de acesso março de 2016.

CEASA-PE. Relatório de atividades ano 2014. Recife, 2015, 45 p.

CIRANO, M.; FREIRE, M. Ceasa Pernambuco: A primeira central de Abastecimento do Brasil. Recife: CEASA, 2007, 81p.

DINIZ, E. Governabilidade, Democracia e Reforma do Estado: Os Desafios da Construção de uma Nova Ordem no Brasil dos Anos 90. In: DADO. Revista de ciências sociais. Rio de Janeiro, v. 38, n. 3, p. 385-415.

FARINA, E. M. M.; ALLI, E. Competitividade: Mercado, Estado e Organização. São Paulo, Ed. Singular, v. 1, 1997. 286 p.

FÁVERO, L. A. Novas formas de coordenação das atividades de abastecimento nos mercados atacadistas de frutas e hortaliças da América Latina. SOBER, Ribeirão Preto, 2005. 19 p.

FERREIRA, G. M. V, et.al. A economia dos custos de transação sob uma análise crítica: perspectivas de aplicação no agronegócio SOBER, Ribeirão Preto,2005,20 p.

GOMES, F. G.. A Nova Economia Institucional (NEI) e o (sub) desenvolvimento econômico brasileiro: limitações e impossibilidades de interpretação. s/d. 25 p.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999, p 45-63.

HORTIBRASIL, PROGRAMA BRASILEIRO PARA MODERNIZAÇÃO DA HORTICULTURA: Padronização e Classificação do Citros de Mesa. Disponível em Acesso em15 de março de 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Produção Agrícola Municipal. Disponível em Data de acesso: 10 de março de 2016.

LINDBLOM, C. E. O Processo de Decisão Política. Brasília Ed. Universidade De Brasília - UNB, 1981. 124 p.

MELO, C. CEASA-PE: Orgulho de Pernambuco. Recife: CEASA, Governo do Estado, v.1, 2012, 175 p.

MINISTÉRIO DA AGRICUTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO – MAPA. Citrus. Disponível em: Data de acesso: 10 de março 2016.

PEREIRA, C. B. Notas para uma Critica Institucionalista da“Nova Economia Institucional”.São Paulo,Universidade de São Paulo,série work Paper nº 009, 2009, p. 31.

PINDYCK, R. S; RUBINFELD, D. L. Microeconomia. 6. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2005. p. 7-204.

RUA, M. G. Políticas públicas. – Florianópolis: Departamento de Ciências da Administração / UFSC; [Brasília]: CAPES : UAB, 2009. 130 p.

SANTOS, M. H. C. Governabilidade, Governança e Democracia: Criação da Capacidade Governativa e Relações Executivo-Legislativo no Brasil Pós Constituinte. In DADOS – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 40, n. 3, 1997, p.335-376.

SOBEL, F. T. et al. Fruticultura e Economia dos Custos de Transação: Determinantes das Estruturas de Governanças dos Pequenos Produtores do Polo Petrolina-Juazeiro. Revista Econômica do Nordeste –REN, Fortaleza, v. 42, n. 04, 2011, p. 737-742.

SULZBACH, M. T. Estruturas de Governança para a Estratégia de Marca do Distribuidor e Marca Filière do Distribuidor: Brasil e França. Université de Paris. V. 1 2004. p. 22.

SOUZA, C. Políticas Públicas: uma revisão da literatura Sociologias, Porto Alegre, ano 8, n. 16, 2006, p. 20-45.

SOUZA JÚNIOR, R. T.; BALBINOTTO NETO, Giacomo. A Necessidade de Agências Reguladoras sobre a Perspectiva da Nova Economia Institucional. ANPAD, Salvador - BA, 2006. 15p.

WILLIAMSON, O. E. As instituições econômicas do capitalismo. Tradução de Frederico Araújo Turolla (coord.). 1. Ed. São Paulo: Pezco, 2012. 393 p.

WILLIAMSON, O. E. The Economic Institutions of Capitalism. New York. The Free Press, 1985, 450 p.

ZYLBERSZTAJN, D. Estruturas de Governança e Coordenação do Agribusiness: Uma Aplicação da Nova Economia das Instituições. 1995. Tese de Doutorado – Universidade de São Paulo – SP, 241 p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv4n5-257

Refbacks

  • There are currently no refbacks.