Gerenciamento de resíduos sólidos de serviços de saúde: realidade do município de Assu/RN / Management of solid waste from health services

Lucas Alves Ferreira, Marilson Donizetti Silvino, Adriana Pereira Silva

Abstract


A industrialização trouxe consigo mudanças significativas para a sociedade. Dentre essas mudanças pode-se citar a maior geração de resíduos sólidos, fator que fez emergir a necessidade de se pensar em formas ideais de descarte desses materiais. Os resíduos sólidos de serviços de saúde são provenientes de estabelecimentos prestadores de serviços de saúde. Este artigo teve como objetivo geral analisar como ocorre o gerenciamento de resíduos sólidos dos serviços públicos de saúde no Município de Assú, no Estado do Rio Grande do Norte e como objetivos específicos: conhecer as formas de descarte dos resíduos sólidos dos serviços públicos de saúde e sua adequação às normas definidas em lei e identificar como é feita a coleta e transporte até o destino final dos resíduos sólidos dos serviços públicos de saúde no referido município. Trata-se de uma pesquisa descritiva, com abordagem qualitativa. Para a coleta de dados, utilizou-se a observação sistemática a partir de roteiros de observação com questões referentes ao objeto de estudo. Observou-se que o descarte dos resíduos sólidos apresenta fragilidades de modo geral, destacando-se a ausência de sacos plásticos brancos leitosos para todos os setores que geram resíduos infectantes, a falta identificação dos recipientes e o acondicionamento temporário inadequado como principais problemas. No que diz respeito à coleta e transporte dos RSS, existem fragilidades ocasionadas pela quebra das etapas de manejo adequado dos resíduos e da inexistência de um Plano de Gerenciamento de Resíduos Sólidos estabelecido de forma articulada e intersetorial no município de Assú/RN

 

 


Keywords


Resíduos Sólidos de Saúde, Gerenciamento de Resíduos Sólidos, Serviços públicos de Saúde, Assu/RN.

References


ALVES, S. B. Manejo de resíduos de serviços de saúde na atenção básica. Universidade Federal de Goiás. Goiânia, GO, 2010..

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Associação brasileira de normas técnicas. NBR 10.004: resíduos sólidos - classificação. Rio de Janeiro, 2004.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70, LDA, 2009.

BRASIL. Resolução conama nº 358, de 29 de abril de 2005 Publicada no DOU no 84, de 4 de maio de 2005, Seção 1, páginas 63-65, 2005. Disponível em: http://www2.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=462. Acesso em: 14/03/2020.

BRASIL. [Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010]. Política Nacional de Resíduos Sólidos. – 3.ed. reimpr. – Brasília : Câmara dos Deputados,Edições Câmara. 2017, 80 p.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). Resolução da Diretoria Colegiada nº 222, de 28 de março de 2018. Regulamenta as Boas Práticas de Gerenciamento dos Resíduos de Serviços de Saúde e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 2018.

CADASTRO NACIONAL DE ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE. 2019. Disponível

em: http://www.cnes.datasus.gov.br. Acesso em: 14/03/2020.

CRESWELL, J. W. Investigação qualitativa e projeto de pesquisa: escolhendo entre cinco abordagens. Porto Alegre: Penso, 2014.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. Atlas. Minayo, M.C.S. (2009). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ:. Vozes, 2008.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Banco de dados. Cidades. Disponível em: . Acesso em: 15/03/2017.

MINAYO, M.C.S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 28 ed. Editora Vozes. Petrópolis, RJ, 2009.

PEREIRA,V. F., Soares, A.V., Fernandes, F. R., & Maciel, D. S. A. Gerenciamento de resíduos nos procedimentos de saúde: uma revisão da literatura. Revista Saúde em Foco

– Edição nº 10, 2018.

SCHNEIDER, V. E. Manual de gerenciamento de resíduos sólidos em serviços de saúde. (2. ed.). rev. e ampl. Caxias do Sul, RS: EDUCS, 2004.

UEHARA, S.C.S.A., VEIGA, T.B., & TAKAYANAGUI, A.M.M. Gerenciamento de

resíduos de serviços de saúde em hospitais de Ribeirão Preto (SP), Brasil. Eng Sanit Ambient, 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n3-069

Refbacks

  • There are currently no refbacks.