Perfil epidemiológico do comportamento suicida acolhido por um serviço de atendimento móvel de urgência. / Epidemiological profile of suicidal behavior attended by an emergency mobile service

Viviane Cristina de Albuquerque Gimenez, Guilherme Correa Barbosa, Silvana Andrea Molina Lima

Abstract


Introdução: O comportamento suicida é um problema de saúde pública e está entre as três principais causas de morte na faixa etária de pessoas com 15 a 44 anos de idade.

Objetivo: Traçar o perfil epidemiológico do comportamento suicida atendido por um Serviço de Atendimento Móvel de Urgência.

Método: Estudo descritivo e retrospectivo, através das fichas de atendimentos. Para análise estatística utilizou-se o programa SAS, versão 9.3, considerando-se p<0,05 como nível de significância.

Resultados: O gênero masculino predominou no suicídio (57,1%) enquanto tentativas e ideação suicida, o feminino (54,7% e 58,5% respectivamente). A intoxicação exógena por medicamentos 60,8% e o ferimento por arma branca 51,9% predominou no gênero feminino e enforcamento 66,6% e precipitação de altura 66,6% no masculino, apresentando significância estatística (p=0,0430).

Conclusão: A implantação do serviço favoreceu o acesso da população à saúde, reforçando a necessidade do serviço e outros órgãos de saúde em implementar medidas preventivas e corretivas, visando minimizar os danos causados pelo comportamento suicida.


Keywords


Tentativa de suicídio, suicídio, serviços médicos de emergência.

References


World Health Organization (2014). Preventing suicide: a global imperative. [Internet]. [citado em 2020 Maio 25]. Disponível em: https://apps.who.int/iris/bitstream/handle/10665/131056/9789241564779_eng.pdf;jsessionid=5DCF870DC4953078959EA898B8030F85?sequence=1/

World Health Organization WHO. Suicide data. [Internet]. 2018. [citado em 2020 Maio 25]. Disponível em: https://www.who.int/mental_health/prevention/suicide/suicideprevent/en/

Souza VdosS, Alves MdaS, Silva LA, Lino DCSF, Nery AA, Casotti CA. Tentativas de suicídio e mortalidade por suicídio em um município no interior da Bahia. J. Bras. Psiquiatr. 2011;60(4):294–300. https://doi.org/10.1590/S0047-20852011000400010

Vidal CEL, Gontijo ED. Tentativas de suicídio e o acolhimento nos serviços de urgência: a percepção de quem tenta. Cad. Saúde Coletiva. 2013;21(2):108–14. https://doi.org/10.1590/S1414-462X2013000200002

Botega NJ, Botega NJ. Comportamento suicida: epidemiologia. Psicol. USP. 2014;25(3):231–6. https://doi.org/10.1590/0103-6564D20140004

Schlösser A, Rosa GFC, More CLOO. Revisão: comportamento suicida ao longo do ciclo vital. Temas em Psicol. 2014;22(1):133–45. http://dx.doi.org/10.9788/TP2014.1-11

Kaplan H. I., Sadock B. J. GJA. Compêndio de Psiquiatria: ciência do comportamento e psiquiatria clínica. 11a ed. 2017.

Dias BVB, Silva VC, Ferreira DM, Perucchi TC. Caracterização dos pacientes com transtornos mentais atendidos pelo serviço de atendimento médico de urgência em uma cidade do interior do estado de São Paulo: papel do enfermeiro. Rev. Eletrôn. Acervo Saúde. 2014;6(2):677-82. Disponível em: https://www.acervosaude.com.br/doc/artigo_054.pdf.

Bonfada D, Guimarães J, Brito A. Conceptions of mobile emergency service health professionals concerning psychiatric emergency. Northeast Netw. Nurs. J. 2012;13(2). Disponível em: http://www.periodicos.ufc.br/rene/article/view/3919

Ministério da Saúde (2006). Política Nacional de Atenção às Urgências. 3a ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_atencao_urgencias_3ed.pdf

Brasil. Ministério da Saúde. (2002). Portaria n.º 2048/GM de 5 de novembro de 2002. Brasília: Ministério da Saúde. [Internet]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2002/prt2048_05_11_2002.html

Barros REM, Tung TC, Mari J de J. Serviços de emergência psiquiátrica e suas relações com a rede de saúde mental Brasileira. Rev. Bras. Psiquiatr. 2010 Oct.;32(suppl. 2):S71–7. https://doi.org/10.1590/S1516-44462010000600003

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (2019). Dados gerais do município de Botucatu. [Internet]. Brasília: IBGE; Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?codmun=350750

Bertolote JM, Mello-Santos C de, Botega NJ. Detecção do risco de suicídio nos serviços de emergência psiquiátrica. Rev. Bras. Psiquiatr. 2010 Oct.;32(suppl 2):S87–95. https://doi.org/10.1590/S1516-44462010000600005

Souza LDD, da Silva RA, Jansen K, Kuhn RP, Horta BL, Pinheiro RT. Suicidal ideation in adolescents aged 11 to 15 years: prevalence and associated factors. Rev Bras. Psiquiatr. 2010;32(1):37–41. https://doi.org/10.1590/S1516-44462009005000011

Santos SA, Legay LF, Lovisi GM, Santos JF de C, Lima LA, Santos SA, et al. Suicídios e tentativas de suicídios por intoxicação exógena no Rio de Janeiro: análise dos dados dos sistemas oficiais de informação em saúde, 2006-2008*. Rev Bras Epidemiol. 2013 Jun.;16(2):376–87. https://doi.org/10.1590/S1415-790X2013000200013

Magalhães APNde, Alves VdeM, Comassetto I, Lima PC, Faro ACMe, Nardi AE, et al. Atendimento a tentativas de suicídio por serviço de atenção pré-hospitalar. J Bras Psiquiatr. 2014 Mar.;63(1):16–22. https://doi.org/10.1590/0047-2085000000003

Almeida PMV de, Dell’Acqua MCQ, Cyrino CMS, Juliani CMCM, Palhares V de C, Pavelqueires S, et al. Analysis of services provided by SAMU 192: Mobile component of the urgency and emergency care network. Esc Anna Nery - Rev Enferm. 2016;20(2):289–95. https://doi.org/10.5935/1414-8145.20160039

Freeman A, Mergl R, Kohls E, Székely A, Gusmao R, Arensman E, et al. A cross-national study on gender differences in suicide intent. BMC Psychiatry. 2017;17(1):1–11. https://doi.org/10.1186/s12888-017-1398-8

Mejías-Martín Y, Luna del Castillo J de DL del, Rodríguez-Mejías C, Martí-García C, Valencia-Quintero JP, García-Caro MP. Factors Associated with Suicide Attempts and Suicides in the General Population of Andalusia (Spain). Int J Environ Res Public Health. 2019 Nov 14;16(22):4496. doi: 10.3390/ijerph16224496

Schnitman, G., Kitaoka, E.G., Arouca, G.S., Lira, A.L., Nogueira, D.P., & Duarte, M.B. (2011). Taxa de mortalidade por suicídio e indicadores socioeconômicos nas Capitais brasileiras. Revista Baiana de Saúde Pública. 2010. 34(1);44-59. https://doi.org/10.22278/2318-2660.2010.v34.n1.a12

Brito MEM, Goes L de SP, Costa VB, Gurgel MGI, Alves MDS, Timbó MA, et al. Tentativa de suicídio por queimadura: ideação suicida e desesperança. Rev bras queimaduras. 2013;12(1):30–6. [Internet]. Disponível em: http://lildbi.bvs.br/lildbi/docsonline/get.php?id=124

Dantas JS de S, Uchôa SL, Cavalcante TDMC, Pennafort VP dos S, Caetano JÁ. Perfil do paciente com intoxicação exógena por “chumbinho” na abordagem inicial em serviço de emergência. Rev. Eletrônica Enferm. 2013;15(1):54–60. https://doi.org/10.5216/ree.v15i1.15506

Bezerra Filho JG, Werneck GL, Almeida RLF de, Oliveira MIV de, Magalhães FB. Estudo ecológico sobre os possíveis determinantes socioeconômicos, demográficos e fisiográficos do suicídio no Estado do Rio de Janeiro, Brasil, 1998-2002. Cad. Saúde Pública. 2012;28(5):833–44. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2012000500003.

Miranda Arto P, Ferrer Dufol A, Ruiz Ruiz FJ, Menao Guillén S, Civeira Murillo E. Intoxicaciones agudas en pacientes mayores de 65 años. An Sist Sanit Navar. 2014 Apr.;37(1):99–108. http://dx.doi.org/10.4321/S1137-662720140001000110

Alvim ALS, França RO, Assis BB, Tavares MLO. Epidemiologia da intoxicação exógena no Brasil entre 2007 e 2017. Braz. J of Develop., Curitiba 2020 Aug.; 6(8): 63915-63925. https://doi.org/10.34117/bjdv6n8-718




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n3-022

Refbacks

  • There are currently no refbacks.