O papel do enfermeiro acerca dos usuários depressivos na unidade básica de saúde: uma revisão literária / The role of nurses about depressive users in the basic health unit: a literary review

Rosângela de Aguiar Rodrigues, André Guirland Vieira, Bruna Santana de Souza Soares, Cristhianny Almeida e Silva, Adriano de Aguiar Coutinho

Abstract


RESUMO

A Unidade Básica de Saúde (UBS) é a principal porta de entrada para atender as necessidades da população em geral. A depressão se estabelece como uma das principais causas de vínculo entre as doenças e, caso persista a incidência desse transtorno, que em breve estará em segundo lugar no mundo dentre as principais enfermidades. A Organização Mundial da Saúde (OMS) calcula que 450 milhões das pessoas que procuram serviços primários à saúde tenham problemas mentais não corretamente diagnosticados e tratados. Mesmo quando reconhecidos não recebem o manejo adequado. Diante dessa problemática, os enfermeiros que atuam nas UBS necessitam entrar em ação para intervirem de forma positiva nas demandas e necessidades dos portadores desta patologia, pois há um espantoso número e risco de suicídio perante ela. O objetivo geral desta revisão literária foi apresentar o papel do enfermeiro acerca da depressão acometida em usuários da UBS. Trata-se de uma pesquisa de revisão literária de caráter teórico e abordagem qualitativa, para a qual foram utilizadas 32publicações de artigos, sendo 23 utilizados para a construção dos resultados e discussão, entre os períodos de 2003 à 2020.Evidenciou-se que as demandas de saúde mental estão presentes em várias queixas expostas pelos usuários da Unidade Básica, porém, percebe-se que muitos enfermeiros não estão preparados nem capacitados para atender às necessidades dos portadores de depressão. Constatou-se ainda que os mesmos não conseguem identificar pacientes com sintomatologia depressiva, sendo assim, a assistência a estes pacientes fica prejudicada, não alcançando os pressupostos da integralidade que inclui a promoção, prevenção e reabilitação da saúde. Assim, esperamos que este estudo disponha uma contribuição para a assistência e ensino de enfermagem, promovendo, sensibilizando e tornando cientes os enfermeiros.

 


Keywords


Depressão, Enfermeiro, Unidade Básica de Saúde.

References


AMARANTE, A. L. et al. As estratégias dos enfermeiros para o cuidado em saúde mental no Programa Saúde da Família. Texto e Contexto Enfermagem,Santa Catarina, v. 20, n. 1, p. 85-93, 2011.

ANDRADE, R. L. P.; PEDRÃO, L. J. Algumas considerações sobre a utilização de modalidades terapêuticas não tradicionais pelo enfermeiro na assistência de enfermagem psiquiátrica. Revista Latino Americana de Enfermagem, São Paulo, v. 13, n. 5, p. 734-742, 2005.

ARANTES, D. V. Depressão na Atenção Primária à Saúde.RevBrasMedFam e Com,Rio de Janeiro, v. 2, n. 8, p. 261-270, 2007.

BARBOZA, M. E. Enfermeiro do PSF e o paciente com transtorno depressivo. Artigo Revisão,Belo Horizonte, v. 6, n. 3, p. 0-11, 2011.

BAPTISTA, A. R. Assistência de Enfermagem à parturiente com depressão pos-parto (DPP) no servico de maternidade do Hospital Dr. Baptista de Sousa. Mindelo,p. 1-80, 2017.

CABRERA, Z. C. Adesão ao portador de depressão ao tratamento: uma proposta em estratégia saúde da família. Universidade Federal de Minas Gerais,Montes Claros, v. 7, n. 5, p. 9-19, 2016.

CANDIDO, M. C. F. S.; FUREGATO, A. R. F. Atenção da Enfermagem ao portador de transtorno depressivo: uma reflexão. Revista Eletrônica Saúde Mental Álcool e Drogas,Ribeirão Preto, v. 1, n. 2, p. 1-13, 2005.

CARDOSO, L. R. D. Psicoterapias comportamentais no tratamento da depressão. Psicol. Argum., Curitiba, v. 29, n. 67, p. 479-489, 2011.

CAVALCANTE, F. G.et al. O papel do enfermeiro na adesão ao tratamento de pessoas com transtorno depressivo.CONGREFIP,Patos, v. 8, n. 4, p. 1-3, 2017.

COUTINHO, M. E. M.et al. Aspectos biológicos e psicossociais da Depressão relacionados ao gênero feminino.Revista Brasileira de Neurologia e Psiquiatria, Mato Grosso, v. 19, n. 1, p. 50-57, 2015.

DARÉ, P. K.; CAPONI, S. N. Cuidado ao indivíduo com depressão na atenção primária em saúde.ECOS, São Paulo, v. 7. n. 1, p. 1-13, 2017.

FEITOSA, M. P.; BOHRY, S; MACHADO, E. R. Depressão: família e seu papel no tratamento de pessoas com transtorno.Revista de psicologia, Brasília, v. 14, n. 21, p. 127-144, 2011.

FERREIRA, R. C.; GONÇALVES, C. M.; MENDES, P.G. Depressão: do transtorno ao sintoma.Psicologia P. T., Minas Gerais, p. 1-16, 2014.

FURLANETTO, L. M.; BRASIL, M. A. Diagnosticando e tratando depressão do paciente com doença clínica.JBras Psiquiatr., Santa Catarina, v. 55, n. 1, p. 8-19, 2006.

GARCIA, M. I. H.etal.Realidade dos profissionais da Estratégia de Saúde da Família em relação à detecção dos transtornos mentais comuns.Revista de Ciência da Saúde,Rio Grande, v. 26, p. 37-44, 2014.

GERHADT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Método de Pesquisa.Editora da UFRGS, Porto Alegre, v. 1, p. 7-114, 2009.

LAGE, J. T. Neurobiologia da Depressão. Revista Acta Médica Portuguesa, Porto, v. 3, n. 1, p. 1-24, 2010.

LIMA, V. J. S. Cuidados de enfermagem à pessoa com depressão atendida na atenção primária de saúde.Revista Científica da FASETE, Bahia, v. 3, n. 3, p. 327-335, 2017.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Saúde Mental: Caderno de Atenção Básica.Editora MS,Brasília, v. 1, n. 34, p. 1-176, 2013.

MOTTA, C. C. L.; MORÉ, C. L. O. O.; NUNES, C. H. S. S. O atendimento psicológico ao paciente com diagnóstico de depressão na Atenção Básica.Ciência e Saúde Coletiva,Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 911-920, 2017.

NASCIMENTO, A. A. M.; BRAGA, V. A. B. Atenção em saúde mental: a prática do enfermeiro e o médico do programa saúde da família de Caucaia-CE.E.S.P.Caucaia, p. 84-93, 2003.

OLIVEIRA, C. R. S.et al. A saúde mental e a saúde da família: rastreamento e acompanhamento em saúde mental.UFMA/UNA-SUS, São Luís, v. 12, n. 3, p. 7-38, 2014.

PERITO, M. E. S.; FORTUNATO, J. J. Marcadores Biológicos da Depressão: uma revisão sobre a expressão de fatores neurotróficos.RevistaNeurocienc, v. 20, n. 4, p. 597- 603, 2012.

ROCHA, A.et al. A importância da comunicação terapêutica frente ao tratamento do transtorno bipolar.Universidade Positivo, Curitiba, p. 81-84, 2015.

SILVA, A. P. M.et al. Saúde mental no trabalho do Enfermeiro da Atenção Primária de um município no Brasil.Acta Paul Enferm, Belo Horizonte, v. 31, n. 1, p. 35-43, 2015.

SILVA, C. T. M.; SANTOS, S. S.; SOARES, T. S. A importância do enfermeiro na assistência ao paciente com depressão. [S.l.]: webartigos, 2012. Disponível em: http://www.webartigos.com/artigos/a-importancia-do-enfermeiro-na-assistencia-ao-paciente-com-depressao/91999/#ixzz4xPbcLsfO> Acesso em: 05 nov. 2017. 17:44:29.

SILVA, M. C. F.; FUGERATO, A. R. F.; COSTA-JÚNIOR, M. L. C. Depressão: pontos de vista e conhecimento de enfermeiros da rede básica de saúde. Revista Latino americana de Enfermagem, São Paulo, v. 11, n. 1, p. 7-13, 2003.

SIQUEIRA, G. R.et al. Análise da sintomatologia depressiva nos moradores do Abrigo Cristo Redentor através da aplicação da Escala de Depressão Geriátrica (EDG).Ciência e Saúde Coletiva, Jaboatão do Guararapes, v. 14. n. 1, p. 253-259, 2009.

SOUSA et al, Enfermagem na prevenção da depressão no idoso.Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n. 9, p.70446-70459,sep. 2020. ISSN 2525-8761

TORQUATO, A. C. S.et al. Avaliação do diagnóstico de depressão realizado por médicos da Atenção Primária à Saúde de Anápolis.Ver. Educ. Saúde, Goiás, v. 6, n. 1, p. 71-79, 2018.

TREVISAN, M.et al. O papel do enfermeiro na recuperação de idosos depressivos. Revista Eletrônica Gestão e Saúde,Brasília, v. 7, n. 1, p. 428-440, 2016.

VIDEBECK, S. L. Enfermagem em saúde mental e psiquiatria. Porto Alegre: Artmed, 2012.

WAIDMAN, M. A. P.et al. Assistência de enfermagem às pessoas com transtornos mentais e às famílias na Atenção Básica.Acta Paul Enferm, Maringá, v. 3, n. 25, p. 346-351, 2012.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n3-011

Refbacks

  • There are currently no refbacks.