Trajetórias erráticas: abandono, reprovação e persistência, na vida escolar de adolescentes em privação de liberdade / Erratic trajectories: dropout, failure and persistence in the school life of adolescents in prison

João Gomes Tavares Neto, Aderli Goes Tavares, Mychelli Pereira Tavares

Abstract


Este artigo apresenta resultados parciais de um estudo em desenvolvimento junto a adolescentes em cumprimento de medida socioeducativa de internação, matriculados na E.E.E.F.M. Prof. Antônio Carlos Gomes da Costa, na Região Metropolitana de Belém - Pará.  Objetiva-se caracterizar as trajetórias escolares vivenciadas por esses alunos, em período anterior à internação.  A pesquisa está subsidiada por dados primários, que foram coletados no site oficial da SEDUC/PA, particularmente do Módulo Aluno – Consulta de Matrícula e, analisados.  A coleta ocorreu, entre os três primeiros meses de 2019 – período que antecedeu ao início do ano letivo da rede estadual de ensino.  A pesquisa foi quanti e quantitativa, e, configurou-se como exploratória. O estudo elegeu três categorias empíricas, e seus desdobramentos, para orientar a coleta e discussão das informações: 1) quantidade de escolas (pelas quais os alunos passaram); 2) movimento escolar, caracterizado como o movimento do aluno entre a conclusão do CENSO escolar e o final do ano letivo, essa categoria pode se dividir em: transferido e abandono; e 3) rendimento escolar, a qual apresenta o resultado alcançado pelo aluno, ao final do ano letivo, essa categoria pode se subdividir em: aprovado ou reprovado. Em caráter preliminar, os dados demonstraram que os adolescentes em processo de escolarização em duas Unidades de Internação no município de Ananindeua, ao ingressarem na escola da socioeducação, já haviam acumulado um conjunto de experiências escolares negativas, representadas por reprovações, desistências, transferências e cancelamentos de matrículas, o que evidenciou, o insucesso ( a partir do padrão estabelecido) ou o descumprimento das trajetórias escolares padronizada, e esperada pela Escola.  Nesse percurso, esses alunos tiveram a permanência no ambiente escolar marcada por descontinuidades e fragmentações frequentes. Todos os alunos investigados, experimentaram pelo menos uma reprovação.   Desse conjunto, nove entre os dez, experimentaram pelo menos uma mudança de escola.  Percebeu-se, que embora esses alunos tenham tido acesso à educação formal, o sistema de ensino não conseguiu garantir sua permanência com sucesso.  Em caráter preliminar, o estudo, permitiu evidenciar a fragmentação nas vidas escolares dos alunos, qualificando como erráticas as suas trajetórias escolares, no período que antecedeu seu ingresso na medida socioeducativa de internação.  Os adolescentes estiveram na escola, mas não lograram sucesso contínuo, não desenvolveram habilidades, competências e capacidades importantes, que lhes garantisse a continuidade e sucesso nos estudos, bem como a fundamentação para o exercício da cidadania.


Keywords


adolescentes internados, socioeducação, trajetórias escolares

References


BORBA, Patrícia Leme de Oliveira; LOPES, Roseli Esquerdo; MALFITANO, Ana Paula Serrata. Trajetórias escolares de adolescentes em conflito com a lei: Subsídios para repensar políticas educacionais. Ensaio: Aval. Pol. Públ. Educ, Rio de Janeiro, v.23,n. 89, p. 937-963, out./dez. 2015.

BRASIL. MEC. Plano Nacional de Atendimento Socioeducativo, Brasília, 2013.

BRASIL. INEP. Cartilha do Módulo Situação do Aluno 2019: Conceitos e Orientações. Brasília/DF, 2020.

BRASÍLIA. INEP. NOTA TÉCNICA Nº 8/2017. Brasília/DF, 2017.

BRASÍLIA (2013). Perfil e percepção social de adolescentes em medidas socioeducativas no Distrito Federal.

COSTA, Antônio Carlos Gomes da. Pedagogia da Presença: da solidão ao encontro (2ª Edição). Modus Faciendi, Belo Horizonte, 2010.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. 4ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

GOMES, Romeu. Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: MINÁYO, M.C. de S (org.). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. 25ª ed. Ver. E atualizada. Petrópolis: Vozes, 2007, p. 79-108.

GÜNTHER, Hartmut. Pesquisa Qualitativa Versus Pesquisa Quantitativa: esta é a questão? Revista Psicologia: Teoria e Pesquisa. Mai-Ago 2006, Vol. 22 n. 2,p.201-210.

MENDES, C. L. S, JULIÃO, E. F. e VERGÍLIO, S. S. Educação, Socioeducação e Escolarização. Rio de Janeiro, DEGASE.

MENICUCCI, Clariça G. e CARNEIRO, Clara Bronze Ladeira (2011). Entre monstros e vítimas: A coerção e a socialização no sistema educativo de Minas Gerais. Serv. Soc. Soc, São Paulo SP, n. 107, p. 535-556, jul./set.

MIRANDA, K.A.S.N; ONOFRE, E.M.C; LOPES, C.V.A. Socioeducação e Juventudes: Ressignificando os processos educativos na privação de liberdade. Braz. J. of Develop., Curitiba, v.6, p.100101-100113, dec. 2020.

OLIVEIRA, Giovane Rodrigues de. Perfil sócio-econômico dos autores de atos infracionais na Cidade de Montes claros. Montes Claros/MG, 2010(Dissertação de Mestrado).

PARÁ. SEDUC. Portaria nº 17/2014 – SAEN. Belém, 2014.

ROSA, Camila Simões et al (2016). Escolarização e socioeducação: Conversas sobre marcadores sociais e trabalho docente em espaços de privação de liberdade (2016). In: TEIXEIRA, Joana D’Arc e ONOFRE, Elenice Maria Camarosano (2009). A escolarização de jovens autores de atos infracionais. Intermeios: revista de Pós-Graduação em Educação, Campo Grande, MS, v. 15, n. 29, p.164-179, jan./jun.

SANTOS, Antônio R. Metodologia Científica: a construção do conhecimento. São Paulo: DP&A, 2000.

ZAPE, Jana Gonçalves e RAMOS, Nara Vieira (2010) Perfil de adolescentes privados de liberdade em Santa Maria/RS. Psicol. Soc. [online]. vol.22, n.2, pp.365-373.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n3-009

Refbacks

  • There are currently no refbacks.