Obstáculos epistemológicos no uso de jogos para o ensino de ciências / Epistemological obstacles in the use of games in science teaching

Thiago Pessoa Barros, Maud Rejane de Castro e Souza

Abstract


Ao introduzir conceitos científicos em sala de aula, podemos nos deparar com obstáculos epistemológicos diversos. Esses entraves representam reais desafios na relação professor-aluno, requerendo constante atenção ao que se está ensinando e a forma como os conceitos estão sendo assimilados. Jogos educacionais, sendo ferramentas auxiliares importantes para a manutenção dos pilares da educação, também podem conter em si e durante a sua aplicação essa caraterística de representar um obstáculo epistemológico. O presente artigo propõe uma discussão inicial à luz da filosofia de Bachelard sobre este fenômeno presente em tal contexto, não apenas procurando elucidar como e onde jogos podem acabar dificultando a aprendizagem ao invés de facilitá-la, mas também enumerando pontos onde essa dificuldade pode ser transposta. Para tal, utilizou-se uma abordagem qualitativa com enfoque fenomenológico através de estudos da bibliografia disponível sobre os temas em discussão. Concluímos que jogos não estão imunes à projeção de equívocos científicos em sala de aula, e a figura do professor deve se apropriar do jogo para modificá-lo e aplicá-lo adequadamente, evitando a reprodução destes equívocos e também a perda de sentido de seus objetivos durante o processo lúdico.

 

 


Keywords


Bachelard, Ensino de Ciências, Jogos.

References


ANTUNES, C. Inteligências múltiplas e seus jogos: Inteligência espacial (v. 4). Petrópolis/RJ: Vozes, 2006, 8v., 70p.

ALVES, F. R. V; CAVALCANTE, M. R. Obstáculos (epistemológicos) e o Ensino de Ciências e Matemática. Interfaces da Educação, Paranaíba, v. 8, n. 23, p 253 – 272, 2017.

BACHELARD, G. A formação do espírito científico: contribuição para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DEL DUCA, G. R. S.; BARLETTE, V. E.; NEDEL, D. L.. Obstáculos epistemológicos na compreensão do conceito de temperatura por estudantes de nível médio. In: XI ENPEC - Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências, 2017, Florianópolis, SC. Anais do XI ENPEC. Florianópolis, SC.: ABRAPEC, 2017.

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. Perspectiva: São Paulo. 1999.

LOPES, A. R. C. Contribuições de Gaston Bachelard ao ensino de ciências. Caderno Catarinense do Ensino de Física, Florianópolis, v. 13, n. 3, p. 248–273, 1996b.

POLATO GOMES, H. J.; DE OLIVEIRA, O. B. Obstáculos epistemológicos no ensino de ciências: um estudo sobre suas influências nas concepções de átomo. Ciênc. Cogn., Rio de Janeiro , v. 12, p. 96-109, nov. 2007.

TAROUCO, L. M. R., ROLAND, L. C., FABRE, M. C. J. M., & KONRATH, M. L. P. Jogos educacionais. Revista novas tecnologias na educação. Porto Alegre, RS. 2004.

VYGOTSKY, L. S. O papel do brinquedo no desenvolvimento. In: A formação social da mente. Martins Fontes. São Paulo, 1989.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n3-008

Refbacks

  • There are currently no refbacks.