Ecoturismo – uma proposta de implantação na reserva particular de patrimônio natural fazenda Pantanal, Codó-MA / Ecotourism - a proposal for implementation in the private reserve of natural heritage farm Pantanal, Codó-MA

Rebeca Reis Carvalho, Marlene Sousa Silva, Emannuelle Rocha de Magalhães Moreira, Francisco Magalhães de Morais, Maria Roselane Alves de Oliveira, Anna Michelly Barroso de Sousa

Abstract


Considerado como um tipo de turismo de baixo impacto ambiental, o ecoturismo é feito por pequenos grupos com possibilidade de sustentação econômica, tanto para as unidades de conservação (UC's) onde ele pode ser praticado, como para as comunidades locais em termos de geração de renda . O presente artigo tem como objetivo elaborar uma proposta de implantação do Ecoturismo na Reserva Particular de Patrimônio Natural (RPPN) Fazenda Pantanal, baseada em princípios de sustentabilidade ambiental, no município de Codó-MA. A metodologia utilizada foram pesquisas documentais, bibliográfica e, principalmente, de campo, que foi desenvolvida através de pesquisas com perguntas semi-estruturadas, com relatos de experiências e registros fotográficos. O resultado da pesquisa aponta para a realização de um diagnóstico ambiental mais preciso e detalhado, que terá como objetivo identificar os fatores físicos, bióticos e antrópicos, da região em estudo, bem como as interações que eles estabelecem entre si por meio das quais se apreende a dinâmica dos ecossistemas. O diagnóstico deve caracterizar as potencialidades e vulnerabilidades da área, face às atividades transformadoras previstas. Dessa forma, conclui-se que a prática do ecoturismo só torna-se viável se for adotado um modelo de planejamento e gestão adequada com a participação de todos, sejam os proprietários, turistas, comunidades e população local, respeitando as atribuições de cada um e promovendo atividades de geração de emprego e renda baseada em princípios de sustentabilidade. bem como as interações que eles estabelecem entre si por meio das quais se apreende a dinâmica dos ecossistemas. O diagnóstico deve caracterizar as potencialidades e vulnerabilidades da área, face às atividades transformadoras previstas. Dessa forma, conclui-se que a prática do ecoturismo só torna-se viável se for adotado um modelo de planejamento e gestão adequada com a participação de todos, sejam os proprietários, turistas, comunidades e população local, respeitando as atribuições de cada um e promovendo atividades de geração de emprego e renda baseada em princípios de sustentabilidade. bem como as interações que eles estabelecem entre si por meio das quais se apreende a dinâmica dos ecossistemas. O diagnóstico deve caracterizar as potencialidades e vulnerabilidades da área, face às atividades transformadoras previstas. Dessa forma, conclui-se que a prática do ecoturismo só torna-se viável se for adotado um modelo de planejamento e gestão adequada com a participação de todos, sejam os proprietários, turistas, comunidades e população local, respeitando as atribuições de cada um e promovendo atividades de geração de emprego e renda baseada em princípios de sustentabilidade.


Keywords


unidades de conservação, comunidades, desenvolvimento sustentável, ecoturismo, educação ambiental

References


BRASIL. Diretrizes para uma política nacional do ecoturismo. Brasília: EMBRATUR, 1994. 48p. Disponível em http://www.mma.gov.br http://www.ecobrasil.provisorio.ws/images/BOCAINA/documentos/ecobrasil_diretrizespoliticanacionalecoturismo1994.pdf. Acesso em: 20 jan. 2012.

BRASIL. Lei Federal Nº 9.985, de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, § 1º, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2012.

BRITO, M.C.W. Unidades de Conservação: intenções e resultados. São Paulo: Annablume, 2000. 230p.

CARLINI, A.L. Procedimentos de ensino: escolher e decidir. In: SCARPATO, M.(Org.). Os procedimentos de ensino fazem a aula acontecer. 1.ed. São Paulo: Avercamp, 2004. 133p.

CIVILIS, V.; WWF-BRASIL. Sociedade e ecoturismo: na trilha desenvolvimento sustentável: como diferentes atores sociais podem, de forma participativa, elaborar planos estratégicos de conservação e geração de renda. O caso do ecoturismo da Vale do Ribeira na Mata Atlântica. São Paulo: Peirópolis, 2003. 144 p.

CORIOLANO, L.N.M.T. Bases Conceituais do Desenvolvimento e do Ecoturismo. In: QUEIROZ, O. T. M. M. (Orgs.). Turismo e Ambiente – Temas Emergentes. Campinas-SP: Alínea, 2006. 196p.

GOIDANICH, K.L.; MOLLETA, V.F. Turismo Ecológico. 3. ed. Porto Alegre-RS: SEBRAE, 2000. 64p.

IBAMA. INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. 2012. Disponível em: < https://www.gov.br/ibama/pt-br/composicao/quem-e-quem/ibama-nos-estados/ma>. Acesso em: 20 jan. 2012.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades. 2010. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ma/codo/panorama. Acesso em: 20 de jan. 2012.

ICMBio. INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE.

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO. Reservas Particulares do Patrimônio Natural – RPPN – Maranhão. 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2012.

MILHOMENS, A. Ecoturismo na Mata Atlântica: alternativas para a sustentabilidade. In: MOSLEY, M.G.V; MOSLEY, R. (Orgs.). Desenvolvimento Sustentável em Petrópolis. Petrópolis-RJ: Viana e Mosley, 2002. 122p.

MORAES, W.V. Ecoturismo: um bom negócio com a natureza. Viçosa-MG: UFV, 2000. 141p.

PASSOLD, A.J.; KINKER, S.M.S. Visitação sustentável em Unidade de Conservação. In: PHILIPPI Jr; A.;RUSCHMANN, D.V.M (Orgs.) Gestão Ambiental e Sustentabilidade no Turismo. 1.ed. Barueri, SP: Manole, 2010.1027p.

PELICIONI, M.C.F; TOLEDO, R.F. Educação para o turismo: Turistas e Comunidade. In: PHILIPPI Jr; A.; RUSCHMANN, D.V.M (Orgs.) Gestão Ambiental e Sustentabilidade no Turismo. 1.ed. Barueri, SP: Manole, 2010.1027p.

RAMPAZZO, L. Metodologia Científica: para alunos dos cursos de graduação e pós-graduação. 4 ed. São Paulo: Loyola, 2002. 160 p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv7n3-002

Refbacks

  • There are currently no refbacks.