Faça você mesmo (do it yourself): o movimento maker e os benefícios no processo de fabricação dos produtos / Do it yourself: the movement maker and the benefits in the manufacturing process of the products

Francisco Fernando de Souza Júnior, Olavo Fontes Magalhães Bessa

Abstract


Este trabalho consiste em um estudo sobre o movimento Maker e a forma de produção dos artefatos com as novas ferramentas tecnológicas, buscando entender os ganhos caracterizados por esse movimento. O estudo foi realizado na Maker Faire, situada na cidade de San Mateo/CA e na cidade de New York/NY, no ano de 2014. Considerando a importância desse movimento para a sociedade, a parte expressiva do desenvolvimento de artefatos deixou de ser somente uma fabricação das grandes organizações e, atualmente, pode ser realizada por qualquer pessoa. Nesse contexto, emerge um movimento que tem como lema Do It Yourself, que significa “faça você mesmo”, trazido por um conjunto de pessoas que se intitulam Makers. Uma das principais características desse movimento é o contínuo aperfeiçoamento de processos, o trabalho colaborativo, o foco no usuário e a rápida reação a mudanças. Os processos produtivos são bem variados, dependendo em especial do tipo de produto a ser desenvolvido.      Não existe processo certo ou errado, cada processo está atrelado ao tipo de produto a ser desenvolvido. Em alguns casos, um único Maker utiliza-se de mais de um processo produtivo porque desenvolve vários produtos ao mesmo tempo. Foi desenvolvido um mapa geral dos processos Makers que servirá como um guia que apresenta o percurso dos processos que os Makers fazem ao desenvolver seus produtos. Em geral, inicia-se pelo problema, em seguida, procura-se uma demanda ou necessidade de desenvolver algo por meio da geração de ideias, realizam-se pesquisas procurando algum tipo de necessidade na sociedade ou para melhorar um produto existente. A etapa das ferramentas consiste em pesquisas que os Makers realizam para identificar os materiais necessários para a construção dos protótipos e produtos. A seguinte fase é a da comunidade – muitos Makers criam comunidades para debater determinados assuntos ou para aprender através de discussões ou práticas com os membros. O momento de colocar a ideia à prova ocorre na fase de financiamento e por fim o processo de fabricação do produto, buscando a mão de obra necessária para confeccionar a quantidade de produtos pré-vendidos no site de financiamento.


Keywords


Maker; revolução industrial; produto; processo; engenharia de produção

References


ANDERSON, Chris. A nova revolução industrial: Makers. Tradução de Afonso Celso da Cunha Serra. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

BATALHA, Mário. Introdução à Engenharia de Produção. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

BUSS, C. O.; CUNHA, G. D. Modelo Referencial para o processo de desenvolvimento de novos Produtos. In: SIMPÓSIO DE GESTÃO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, 22. Anais... Salvador, 2002.

CARPES JUNIOR, Widomar P. Introdução ao projeto de produtos. Porto Alegre: Bookman, 2014.

GIL, Antônio C. Métodos e Técnicas de Pesquisa social. São Paulo: Atlas, 1999.

HUBKA, Vladmir; EDER, W. Ernst. Theorie Technischer Systeme. 2. ed. Springer - Verlag Berlin: Heidelberg, 1984.

LUPTON, Ellen. Intuição, ação, criação. Tradução de Mariana Bandarra. São Paulo: G. Gili, 2013.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de Marketing: uma orientação aplicada. Porto Alegre: Bookman, 2001.

PAHL, G.; BEITZ, W. Engineering Design: the Design Council. London: Springer-Verlag, 1984.

PAHL, G.; BEITZ, W. Engineering Design: a Systematic Approach. London: Springer - Verlag, 1996.

ROMEIRO FILHO, Eduardo. Projeto do produto. Coordenação de Cristiano Vasconcelos. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

ROZENFELD, H: AMARAL, D. C. Conceitos Gerais de desenvolvimento de produto. São Carlos: Grupo de Engenharia Integrada, Universidade Federal de São Carlos, 2001. Disponível em: . Acesso em: 5 abr. 2014.

SILVA, Edna Lúcia; MENEZES, Estera Muszkat. Metodologia da Pesquisa e Elaboração de Dissertação. 3 ed. Florianópolis: Laboratório de Ensino a Distância da UFSC, 2001.

ULRICH, K. T.; EPPINGER, S. D. Product design and development. Boston: McGraw - Hill, 2000. 358 p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv4n5-253

Refbacks

  • There are currently no refbacks.